LeftRight

Seção : NOTÍCIAS DO DIA

Um resumo das principais notícias sobre infraestrutura e indústrias de base publicadas em jornais e agências de notícias


A indústria brasileira continua entre as dez maiores do mundo, mas um levantamento da United Nations Industrial Development Organization (Unido), divulgado pelo Instituto Estudo para o Desenvolvimento Industrial (IED), mostra que o País está perto de deixar esse grupo.

Fonte: O Estado de S. Paulo

 


Enquanto trava uma intensa queda de braço com o Tesouro Nacional para evitar a devolução de R$ 130 bilhões em 2018, o BNDES pode ser obrigado a restituir mais dinheiro nos próximos anos aos cofres da União. A área técnica do TCU quer que o Ministério da Fazenda e o banco acertem um cronograma detalhado de antecipação do pagamento de novas parcelas, conforme o dinheiro dos empréstimos concedidos a empresas for retornando aos cofres da instituição.

Fonte: O Estado de S. Paulo

O Brasil realiza, no dia 27 de outubro, a mais aguardada oferta de campos de exploração de petróleo e gás no mundo, com o segundo e terceiro leilões de áreas do pré-sal. O apetite das gigantes petrolíferas é tão grande que estimamse ganhos superlativos para o país com as rodadas. De acordo com cálculos da Agência Nacional do Petróleo (ANP), feitos com exclusividade para o GLOBO, os oito blocos a serem leiloados vão gerar US$ 36 bilhões (mais de R$ 100 bilhões pelo câmbio atual) em investimentos.

Fonte: O Globo

O governo deve enviar ao Congresso um projeto de lei para destravar o mercado de construção civil —imobiliário e de infraestrutura— para estrangeiros. A proposta será enviada nas próximas semanas para o presidente Michel Temer antes de seguir para o Congresso e vai modificar a regulação do setor.

Fonte: Folha de S. Paulo

Depois de revelar um dos maiores esquemas de corrupção do mundo e anunciar que propina era uma página virada na sua história, a Odebrecht decidiu criar um conselho global com alguns dos mais famosos executivos e pesquisadores de ética e sustentabilidade nos negócios. Fazem parte do grupo o ex-presidente da Transparência Internacional Jermyn Brooks, o ex-presidente da Shell Marky Mood-Stuart e a professora da escola de negócios de Harvard Lynn Paine.

Fonte: Folha de S. Paulo

Após colherem a safra de algodão de melhor produtividade já registrada no país (1,62 tonelada de pluma por hectare) em 2016/17, os cotonicultores estão enfrentando problemas logísticos para escoar a oferta destinada às exportações. Os preços internacionais estão atraentes e cerca de metade da colheita estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 1,7 milhão de toneladas deverá ser exportad

Fonte: Valor Econômico

Iniciada na década de 70 na pequena construtora do pai, a carreira empresarial de Nelson Tanure, 65 anos, ao longo das últimas três décadas aponta para duas características recorrentes no currículo do segundo maior acionista da Oi: a preferência por empresas em dificuldades financeiras, mas com marcas ou ativos ainda rentáveis, e a disposição para se envolver em disputas jurídicas ferozes pelo controle das companhias e para contestar débitos.

Fonte: Valor Econômico

Do estoque de 2.318 obras financiadas com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), 37,5% estavam paralisadas ou atrasadas no fim de 2016. Do total, 413 (17,8%) estavam paradas e outras 457 (19,7%) atrasadas. Os maiores problemas estão nas áreas de saneamento básico e mobilidade urbana. Esses são os setores que, inclusive, têm historicamente baixa execução orçamentária.

Fonte: Valor Econômico

Enquanto o pré-sal desperta a cobiça das maiores petroleiras do mundo e se consolida como a principal fronteira exploratória do Brasil, os demais polos de produção do país convivem de um modo geral com o declínio de suas atividades e baixa atratividade de investimentos. Dados da ANP mostram que, se não fosse a Bacia de Santos, onde estão situadas as maiores descobertas do pré-sal, a produção nacional caminharia em 2017 para o seu terceiro ano seguido de queda.

Fonte: Valor Econômico

Sem conseguir avançar na reforma da Previdência, o governo tenta chegar a um consenso sobre uma proposta de reforma tributária para simplificar a estrutura de cobrança de impostos no País e dar alguma sinalização positiva ao mercado principalmente com a aproximação das eleições. As conversas contrapõem o Ministério da Fazenda, que quer apresentar um projeto mais simples de modificação no PIS/Cofins, e auxiliares do presidente Michel Temer, que trabalham em um texto mais abrangente.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Os principais credores externos da Oi rejeitaram o plano de recuperação apresentado quarta-feira, alegando que os termos só protegem os atuais acionistas. Os maiores grupos credores da Oi no exterior rejeitaram, ontem, o novo plano de recuperação da operadora brasileira de telecomunicações, apresentado na última quarta-feira. Em nota, detentores de títulos de dívida da empresa e agências de crédito à exportação afirmaram que os termos propostos para a reestruturação visam apenas a preservar os atuais acionistas às custas dos credores.

Fonte: O Globo

Sob escrutínio das autoridades em muitos países por causa dos crimes revelados na Operação Lava Jato, a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) encontrou um refúgio para tentar reerguer seus negócios: Angola. A construtora conseguiu US$ 1,8 bilhão em novas obras no país africano, conforme informação repassada pela Odebrecht a analistas que avaliam o risco de solvência de seus títulos. Procurada, a companhia não comentou o assunto.

Fonte: Folha de S. Paulo

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) está planejando uma oferta subsequente (follow on) ainda para este ano. Para tirála do papel, contudo, precisará que seus acionistas minoritários aprovem a conversão de suas ações preferenciais em units, que são depósitos de ações. Entre eles, o assunto é visto com cautela. Tanto é que os minoritários passaram a exigir mecanismos firmes de governança corporativa para pensar em dar o aval para a mudança.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Duas agências europeias de crédito à exportação – a Belgian Export Credit Agency e a Finnish Export Credit Agency – enviaram mensagens, por e-mail, a quatro ministros do governo Michel Temer, manifestando preocupação com o rumo das negociações em torno da recuperação judicial da Oi, a operadora com maior presença nacional. As duas agências são credoras da Oi porque financiaram a compra de equipamentos de telecomunicação fabricados na Bélgica e na Finlândia. No total, emprestaram US$
1 bilhão.

Fonte: Valor Econômico