fbpx
O Barômetro da Infraestrutura Brasileira é uma sondagem semestral realizada pela Abdib e EY de forma digital que captura a opinião de gestores de investimentos e especialistas que apoiam a estruturação de projetos de infraestrutura.
Início NOTÍCIAS DO DIA

NOTÍCIAS DO DIA

Serviço de curadoria produzido todas as manhãs no qual é apresentado um resumo das principais notícias sobre infraestrutura publicadas em jornais, agências de notícias e demais veículos de imprensa brasileira, com links para o conteúdo original.

Voos internacionais voltam aos poucos

Companhias aéreas internacionais retomam aos poucos a oferta de voos internacionais no Brasil. Um dos casos mais recentes é o da americana Delta, que no dia 4 voltou a oferecer voos de Guarulhos a Atlanta, nos Estados Unidos. A companhia, que antes da pandemia operava entre 20 e 25 voos por semana no Brasil, retoma as atividades no país com 4 frequências semanais. A retomada de voos também será feita à medida que as restrições de mobilidade forem suspensas nos diferentes destinos onde a Delta atua

Valor Econômico

Governo quer votar sete marcos regulatórios até o fim do ano, diz líder

O governo planeja votar no Congresso pelo menos sete projetos com mudanças em marcos regulatórios importantes para destravar a economia neste semestre. Segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), o primeiro desses projetos deve ser a autonomia do Banco Central, que pode ser pautado nos próximos 15 dias. O líder afirmou que o objetivo do governo é votar ainda as mudanças nas legislações de petróleo, cabotagem, ferrovias e energia elétrica. No caso do petróleo, a intenção é mudar o regime de partilha, que rege os contratos do pré-sal.

O Globo

Por falta de combustível nuclear, usinas de Angra podem parar em 2021

As usinas nucleares Angra 1 e 2, em Angra dos Reis, no litoral sul do Estado do Rio, correm o risco de serem desligadas por falta de combustível em 2021. O alerta foi feito pelo Ministério de Minas e Energia (MME) ao pedir mais recursos no Orçamento deste ano ao Ministério da Economia, revelam documentos obtidos pelo Globo. Não há risco para o abastecimento de energia no Sudeste, principalmente no Rio e em São Paulo, dizem os técnicos. Mas a energia ficaria mais cara, porque, para substituir as nucleares, seria necessário acionar usinas termelétricas com custos mais altos, além de mais poluentes, segundo reconhece o próprio MME.

O Globo – 10/08/2020

BDMG fecha linha de € 70 milhões com agência francesa de desenvolvimento

O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) obteve uma linha de financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento no valor de € 70 milhões. Os recursos serão usados inicialmente para ampliar o fôlego do banco na concessão de empréstimos a empresas e prefeituras para fazerem frente aos efeitos da pandemia.

Valor Econômico

Anatel ainda enxerga alto risco para Oi

O ânimo do mercado com o processo de venda de ativos da Oi também alcançou a equipe da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) dedicada a monitorar o risco de colapso operacional da maior concessionária de telefonia do país. O entusiasmo surgiu da possibilidade da Oi levantar recursos para abater parte importante da dívida e de transformar-se em uma grande ofertante de conexão por redes de fibra óptica.

Valor Econômico

Andrade Gutierrez vai investir em geração solar distribuída

A Andrade Gutierrez, por meio do seu braço de participações societárias AG Participações, vai estrear no setor de energia solar. A empresa se uniu à francesa Green Yellow, do grupo Casino, e à BMPI Infra, ligada à construtora mineira Barbosa Mello, para entrar no mercado de geração distribuída, na qual a energia é injetada na rede e revertida em créditos na conta de luz do consumidor. Batizada de Evolua, a empresa nasce com um plano de investir R$ 160 milhões numa primeira onda de projetos, em Minas Gerais, até o fim de 2021.

Valor Econômico

Grupo Siemens se reestrutura para crescer em energia

De olho no desafio mundial de transição energética e descarbonização, o grupo alemão Siemens está se reorganizando para ampliar sua presença no setor de energia. O plano passa pela criação da Siemens Energy, uma cisão (spin-off) da gigante alemã que nasce com mais de 90 mil funcionários no mundo e receita de €30 bilhões. No Brasil, quem assume a direção da Siemens Energy é o CEO, André Clark, do grupo Siemens no país. No seu lugar, entra Pablo Fava, ex-vice presidente sênior da Digital Industries no Brasil.

Valor Econômico

Mercado de telefonia atrai mais investidores

A disputa pelo negócio de fibra óptica da Oi faz parte do plano de recuperação judicial da companhia, mas também é reflexo de um movimento de aquisições no setor de telecomunicações, iniciado há alguns anos e que segue atraindo diferentes tipos de investidores como fundos de private equity, empresas de energia elétrica e concessionárias de telecomunicações. Nos últimos anos, por exemplo, a TIM comprou a rede de fibra da Eletropaulo Telecom; a Cemig Telecom foi dividida em dois blocos de ativos de fibra, vendidos à American Tower e Algar Telecom. Agora, a Copel Telecom está à venda.

Valor Econômico

‘Dia do fogo’ em 2019 gerou poucas multas ambientais

Em 10 de agosto de 2019, no “dia do fogo”, ardiam em chamas as margens da BR-163, na região de Novo Progresso, Pará. Passado um ano e com as chamas voltando a crescer na Amazônia, poucos foram multados pelas queimadas que consumiram a floresta. Uma investigação da ONG Greenpeace conseguiu identificar 478 propriedades onde ocorreram queimadas no “dia do fogo”. Delas, 207 registraram queimadas em área de floresta nos dias 10 e 11 de agosto —e somente 5,7% receberam autuações.

Folha de S. Paulo

Fim de regimes especiais e uso de créditos de tributos causam preocupações

As três principais propostas de reforma tributária que tramitam no Congresso acabam com uma série de benefícios fiscais, entre eles, regimes especiais, o que tem mobilizado setores em busca da manutenção de algumas das regras atuais. Rafael Santos, sócio em Tributário do Cescon Barrieu, afirma que o fim do Reidi (regime de incentivos para o desenvolvimento da infraestrutura) pode encarecer o custo de projetos em diversas áreas, como energia. Esse benefício permite fazer a aquisição de máquinas e equipamentos com isenção de PIS/Cofins.

Folha de S. Paulo

Brasil cria travas que dificultam investimentos chinês no país

Até o momento, dois grandes projetos já sofrem contenções à participação chinesa: a retomada da usina nuclear de Angra 3 e um fundo de investimento de infraestrutura. Embora neste momento o governo brasileiro não cogite vetar empresas chinesas na retomada das obras de Angra 3, foram definidas barreiras que darão mais força na disputa para outros interessados, principalmente a americana Westinghouse.

Folha de S. Paulo

Artigo: O avestruz amazônico

Por mais de uma década, jogou-se para debaixo do tapete o debate sobre boa parte dos problemas da Amazônia, fazendo de conta que ali não havia mais de 20 milhões de brasileiros que precisavam, além das pautas ambientais, de saúde, educação, saneamento, moradia e, acima de tudo, alternativas de emprego e renda que lhes permitisse viver dignamente. Criou-se o paradoxo da região mais rica do Brasil em recursos naturais, com os piores índices de desenvolvimento humano (IDH). Ao não se preocupar em criar oportunidades para a região, abriu-se espaço para que tais desassistidos fossem sendo cada vez mais facilmente cooptados pelas atividades ilegais de roubo de madeira, garimpo ilegal e grilagem de terras.

O Estado de S. Paulo

Metrô de SP busca geração de energia limpa

De olho na geração de nova receitas, o Metrô de São Paulo autorizou 14 empresas e consórcios a desenvolverem estudos para a geração de energia limpa e renovável. A ideia é fornecer energia para a alimentação das linhas e estações da Companhia. O objetivo é ter fontes mais sustentáveis, reduzindo o valor gasto com energia, que atualmente é o segundo maior da empresa, além de gerar mais receita.

Veja 

Arteris tem interesse em concessões no Sudeste e no Sul, inclusive Dutra

O grupo Arteris, que administra rodovias como a Fernão Dias, entre São Paulo e Minas Gerais, e a Régis Bittencourt, que conecta a capital paulista ao sul do País, segue interessado nas próximas licitações rodoviárias, afirmou o presidente da empresa, Andre Dorf, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O governo tem mantido vários projetos na carteira. A menina dos olhos é a Dutra, hoje administrada pela CCR, cujo contrato se encerra em fevereiro do ano que vem.

IstoÉ Dinheiro 

ANTT dá início a estudos para elaborar metodologia de reequilíbrio de rodovias

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), informou nesta quinta-feira, 6, que deu início à primeira fase do processo de consulta para elaborar a metodologia de cálculo do desequilíbrio gerado pela pandemia do novo coronavírus nas concessões rodoviárias. O órgão é responsável pelo reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão de trechos federais.

TN Online