Podcast Infra para Crescer
Início NOTÍCIAS DO DIA

NOTÍCIAS DO DIA

Serviço de curadoria produzido todas as manhãs no qual é apresentado um resumo das principais notícias sobre infraestrutura publicadas em jornais, agências de notícias e demais veículos de imprensa brasileira, com links para o conteúdo original.

Congonhas: TCU pode aprovar privatização nesta quarta, e governo corre para fazer leilão em agosto

Pressionado pelo governo, o Tribunal de Contas da União (TCU) pode aprovar nesta quarta-feira a concessão do aeroporto de Congonhas, considerado a joia da coroa dos terminais brasileiros. O plano do Ministério da Infraestrutura é lançar o edital já na próxima semana, caso obtenha o aval da Corte e realizar o leilão até 15 de agosto para evitar que o certame seja contaminado pelo ambiente das eleições de outubro. Para isso, o governo quer encurtar em um mês o prazo da realização do leilão, que tem sido de 90 dias, a partir da publicação do leilão no Diário Oficial da União.

O Globo

Abimaq estima alta de 5% na receita

Após quatro anos consecutivos de queda no faturamento, a indústria de máquinas e equipamentos, representada pela Abimaq, prevê crescimento de 5% na receita líquida neste ano, em um cenário otimista. A projeção foi dada pelo presidente executivo da entidade, José Velloso, em coletiva após a divulgação do desempenho em 2016.

 

Fonte: Valor Econômico

Troca no comando na Petrobras deve travar venda de refinarias e empresas

A troca no comando da Petrobras deve travar a venda de refinarias e de ações que a estatal detém na BR, o que tinha previsão de ocorrer entre abril e maio, segundo fontes a par das negociações. Estas operações fazem parte de uma estratégia de reestruturação da companhia, que busca se concentrar em áreas estratégicas como a exploração do pré-sal. A política também visa abrir espaço para a entrada do setor privado em segmentos que já não são considerados prioritários pela estatal e, assim, destravar investimentos.

O Globo

Venda da Eletrobrás tem resistências

A decisão de privatizar a Eletrobrás começa a enfrentar resistências no Congresso, inclusive na base governista. Aliado do governo Michel Temer, o senador Edison Lobão (PMDB-MA) afirmou ser contra a medida. Ministro de Minas e Energia de 2008 a 2015, o peemedebista alegou que a empresa é estratégica para o País e não deveria ser entregue à iniciativa privada.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Artigo: De que estatais precisamos?

O universo de estatais passa de 400, se contarmos as estaduais, municipais, além das 154 controladas pela União. E elas, em geral, estão muito mal. Defendo aqui uma avaliação mais ampla e mais profunda destas empresas. O tema de estatais me parece tão relevante quanto o de gastos governamentais, ou o da reforma tributária. Afinal, o Estado brasileiro manifesta a sua fragilidade nestes pilares, a saber, a coleta ineficiente de impostos, a execução não efetiva dos seus gastos e a gestão incompetente de seu patrimônio (as estatais).

 

Fonte: Valor Econômico

Sabesp assumirá serviços de água e esgoto em Olímpia; outorga é de R$ 148 mi

A estatal paulista de saneamento Sabesp afirmou nesta segunda-feira que venceu a concorrência pública para prestação de serviços de água e esgoto no município de Olímpia por 30 anos, com outorga fixa de R$ 148 milhões, segundo fato relevante ao mercado. Olímpia tem 56 mil habitantes e apresenta índices de cobertura de água e esgoto universalizados, de acordo com a Sabesp. A operação demandará “esforços operacionais, comerciais, de eficiência e contra perdas de água”, afirmou a empresa.

Folha de S.Paulo

Análise: Vai ter dinheiro público para a infraestrutura?

Os dois candidatos à Presidência que agora disputam o segundo turno têm um diagnóstico muito parecido sobre o que precisa ser feito para destravar a infraestrutura, um dos principais indutores do crescimento do país: necessidade de ampliação dos investimentos em meio à grave crise fiscal, maior segurança jurídica e o enfrentamento de questões setoriais, como o do intrincado setor de saneamento, em que a regulação é federal, as empresas de concessão são estaduais e o poder concedente é municipal. “Mas o diabo, você sabe, mora nos detalhes”, diz Venilton Tadini, presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib).

Valor Econômico

Notícias do Dia – 21/11/2023

Anatel decide liberar garantias para quem antecipar metas do 5G

As operadoras de telefonia que adquiriram frequências no leilão da tecnologia de quinta geração (5G) e anteciparam metas de cobertura passaram a contar com a devolução antecipada das garantias bancárias exigidas pelo edital. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) decidiu não esperar mais o prazo final de entrega para liberar os recursos. As três maiores prestadoras (Vivo, TIM e Claro) receberam R$ 100 milhões em garantias, o que representa 3,4% dos R$ 2,9 bilhões aportados por dez empresas com metas de cobertura.

Valor Econômico

 

Cemig soma R$ 1 bilhão de investimentos em eficiência

O programa de eficiência energética da Cemig completou 25 anos alcançando a marca de R$ 1 bilhão em recursos investidos em soluções de economia de energia para clientes, nos 774 municípios da área de concessão da companhia, em Minas Gerais. No período, o programa trouxe economia de 7.423 gigawatts-hora (GWh), suficiente para atender a 3,5 milhões de clientes durante um ano, e retirou do sistema elétrico carga de 168 megawatts (MW), equivalente à soma da potência de hidrelétricas do porte de Queimado (105 MW) e Rosal (55 MW).

Valor Econômico

 

Abespetro muda governança de olho em maior atividade

De olho no aquecimento da indústria do petróleo na economia brasileira, a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro) deu início a um novo modelo de governança corporativa, com a criação de um conselho de administração e presidência-executiva. Com 48 associadas, a entidade tem perspectivas da elevação do ritmo da indústriia de bens e serviços para o segmento de óleo e gás a partir das diretrizes do governo Lula para este mercado e com a maior atividade exploratória na América do Sul, que pode beneficiar a indústria local. A Abespetro terá, a partir de janeiro, oito conselheiros, que terão mandatos não coincidentes, um presidente-executivo e um vice-presidente, ainda em fase de seleção.

Valor Econômico

 

Plano estratégico é pano de fundo em impasse entre ministro e Petrobras

A disputa entre o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, sobre a política de preços de combustíveis praticada pela companhia ganhou novo “round” com declarações dos dois entre sexta-feira (17) e sábado (18). Como pano de fundo desse enfrentamento, está o novo plano estratégico da estatal para  o período 2024-2028, que deve ser apreciado pelo conselho de administração da empresa na quinta-feira (23), com divulgação no mesmo dia, após o fechamento do mercado. Parte do mercado enxerga interferência política do MME na Petrobras.

Valor Econômico

 

Os impasses para limitar o petróleo na COP28

A COP de Dubai, que inicia em 30 de novembro, tem muitas faces – a mais importante é o destino dos combustíveis fósseis. É incerto, contudo, o que sairá de concreto sobre esse ponto crucial para a emergência climática. Ninguém tem grandes expectativas. Os Emirados Árabes Unidos, país-anfitrião do evento, são grande produtor de petróleo; seus vizinhos, idem. O lobby do petróleo estará em peso em Dubai enfrentando a pressão de ambientalistas e cientistas, mas dizendo que são as petroleiras que vão bancar o caminho da transição. 

Valor Econômico

 

Ministro de Minas e Energia rebate presidente da Petrobras e volta a defender redução do preço dos combustíveis

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, rebateu o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, e voltou a cobrar, neste domingo, a redução do preço dos combustíveis. Silveira disse que não compreendeu as declarações de Prates e afirmou que os preços dos combustíveis são importantes para garantir a inflação dentro da meta. Pelas redes sociais, Prates disse que, se o MME quiser “orientar a Petrobras a baixar os preços de combustíveis diretamente”, será necessário seguir tanto a Lei das Estatais e as regras do Estatuto Social da companhia.

O Globo

 

Artigo: Privatizar a Sabesp sem valorizar a agência que vai controlá-la é uma temeridade

As fortes chuvas em São Paulo deixaram milhares de pessoas sem acesso à energia elétrica por vários dias. A pachorrenta resposta da Enel resultou em uma situação caótica. A concessionária já não vinha bem. Pesquisa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de 2022 mostra que menos de um quarto dos consumidores optaria pela Enel se tivesse a opção de comprar energia de outra empresa. Aqui está o cerne do problema: a privatização de um monopólio natural é melindrosa. A ausência de concorrência torna o trabalho das agências reguladoras muito mais difícil, já que cabe a elas a reconstituição, em condições de laboratório, dos estímulos e restrições que um mercado competitivo naturalmente provê.

( Luís Eduardo Assis )

O Estado de S.Paulo

 

Conta de luz pode cair 35% no mercado livre de energia; entenda

Hotéis, pousadas, mercadinhos, laboratórios de análise, centros comerciais, galpões de logística, grandes restaurantes e pequenas indústrias. É extensa a lista de negócios que já podem escolher se querem continuar ligados na distribuidora ou migrar para o chamado mercado livre de energia. A mudança começa a valer em 1º de janeiro do ano que vem, mas os interessados já podem dar início ao processo. Nesse mercado é possível escolher de quem comprar a energia, por quanto tempo e que tipo de energia. Se quiser, pode comprar apenas fontes renováveis. Para incentivar a migração, as empresas que atuam nesse negócio oferecem descontos de 10% e 35%.

Folha de S.Paulo

 

Enel se torna alvo de Promotoria por falta de luz após temporal no Rio

O Ministério Público do Rio de Janeiro abriu procedimento para investigar a italiana Enel pela demora em restabelecer o fornecimento de energia após temporal que atingiu o estado neste sábado (18). A empresa enfrenta questionamentos pelo mesmo problema também em São Paulo. Até às 19h30 desta segunda-feira (20), havia queixas de falta de luz em diversas cidades do estado. Em Niterói, moradores fizeram protestos nas ruas contra a distribuidora. Em Areal e Petrópolis, os protestos fecharam parte da rodovia BR-040.

Folha de S.Paulo

 

Teles querem ‘privatizar’ a praia do Futuro, diz presidente de estatal no Ceará

O presidente da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), Neuri Freitas, acusa as operadoras de telefonia e internet de tentarem criar uma reserva de mercado na praia do Futuro, onde chegam os cabos submarinos que conectam a internet do Brasil com o mundo. Em entrevista ao Painel S.A., Fabio Andrade, vice-presidente de Relações Institucionais da Claro, afirmou que a obra de uma usina de dessalinização na referida praia pode romper os cabos e gerar uma pane geral na internet.

Folha de S.Paulo

 

Distribuidora desistiu de licitação devido a créditos de descarbonização

A distribuidora Petronac desistiu de uma licitação pública diante das dificuldades financeiras impostas pelo Renovabio, programa que impõe a compra dos CBios (créditos de descarbonização) pela venda de combustíveis fósseis. A empresa disse ter desistido do edital para a construção de um terminal de combustíveis no pátio da Infra S.A (ex-Valec), em Santa Helena de Goiás (GO), apesar de ter vencido a concorrência pela elaboração do projeto. O grupo afirma que, pelas metas do Renovabio, seria preciso adquirir cerca de R$ 50 milhões em CBios, praticamente o mesmo valor do investimento na obra.

Folha de S.Paulo

 

Calor faz indústrias e grandes empresas consumirem mais energia

O mercado livre de energia, dedicado a indústrias e grandes empresas sem preços regulados, consumiu 25,6 mil MW em outubro –cerca de 40% do total do país–, um crescimento de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Quando a economia cresce, também sobe o consumo de energia. Mas, segundo a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), embora a indústria tenha reagido, via crescimento de atividade, boa parte desse desempenho se deve ao calor, que puxou o consumo no comércio e serviços.

Folha de S.Paulo

 

Ministro quer discutir com Lira destravamento da modernização

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou que pretende visitar na próxima semana o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para reforçar a importância da tramitação do Projeto de Lei 414, que trata do novo modelo comercial do setor elétrico. O encontro vai acontecer no mesmo dia em que Albuquerque fará uma apresentação das ações prioritárias do MME, na Comissão de Minas e Energia. O antigo PLS 232 já passou pelo Senado e está parado na Mesa Diretora da Câmara, onde depende de um despacho da presidência definindo se a matéria vai para uma comissão especial ou para a CME. Para o deputado Paulo Ganime (Novo-RJ), é sempre saudável que projetos dessa importância passem na comissão temática.

Canal Energia

Após vencer leilão, Pátria diz que segue estudando licitações de rodovias

O Pátria, que conquistou sua primeira concessão rodoviária federal nesta sexta-feira (25), deverá seguir estudando as próximas licitações do setor, afirmou o sócio da gestora, Roberto Cerdeira, em conversa com o Valor, após o leilão desta tarde. Questionado sobre o Lote 2 de rodovias do Paraná, cuja licitação já está marcada para 29 de setembro, ele diz que, como o leilão está muito perto, prefere não comentar. O executivo avalia que não faltará interesse nos leilões de rodovias. “Não acho que vai faltar ‘player’, mas cada um vai ter mais interesse em um projeto ou outro. A turma vai continuar aparecendo, cada um tem um perfil de que gosta mais. E podem aparecer novos entrantes”, disse.

Valor Econômico

Eólica deverá ser segunda maior fonte de energia do país em 2019

Após alcançar uma “Itaipu” em capacidade no Brasil, com 14,3 mil megawatts (MW) instalados em 2018, a energia eólica deve assumir, no início do próximo ano, o posto de segunda maior fonte do parque gerador elétrico brasileiro – ultrapassando a biomassa (14,7 mil MW) e ficando atrás apenas das hidrelétricas (97,1 mil MW). De acordo com estimativas da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), a fonte deve alcançar 15 mil MW em março de 2019.

Valor Econômico

Governo quer aval do TCU para manter a concessão do Galeão com grupo de Cingapura

O governo quer o aval do Tribunal de Contas da União (TCU) para manter a concessão do Aeroporto Internacional Tom Jobim com a operadora RIOgaleão, controlada pelo grupo Changi, de Cingapura. A ideia é que a Corte se manifeste, em um prazo de 20 dias, sobre a possibilidade legal de a RIOgaleão desistir dos planos de devolver o terminal à União. Além disso, o governo busca saber se pode flexibilizar o cronograma de outorga para dar um alívio de caixa à operadora.

O Globo

 

Brasil está em atraso com bancos multilaterais

O Brasil teve aprovados novos financiamentos da ordem de US$ 13,3 bilhões por parte de bancos multilaterais e agências internacionais de desenvolvimento em 2020. Ao mesmo tempo, o país recebe cobranças por atrasar o aporte de capital de US$ 446 milhões, equivalente a 3,3% daquele montante, que se comprometeu a fazer em seis instituições, apurou o Valor.

Valor Econômico

Hidrovias do Brasil mira expansão no Norte

A Hidrovias do Brasil está determinada a consolidar sua operação logística no Arco Norte do país. A empresa, que já tem atuação forte no escoamento de grãos pela região, planeja expandir a infraestrutura atual, criar novas rotas e até mesmo participar dos leilões da BR-163 e da Ferrogrão, com uma participação minoritária, para garantir a competitividade  do trajeto. “O ano de 2020 marcou a consolidação do Arco Norte como rota de escoamento da produção do Mato Grosso. Os portos da região passaram a responder por mais de 50% da exportação, superando a rota de Santos. Isso é uma mudança estrutural muito grande, que tende a avançar, porque o crescimento da produção agrícola será concentrado no Norte do Estado”, afirma o presidente da companhia, Fabio Schettino.

Valor Econômico

Mudanças na Eletrobras

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), antecipou ontem, na “Live do Valor”, que a medida provisória de privatização da Eletrobras, enviada ao Congresso, deve acelerar as mudanças na estatal. O deputado revelou, ainda, que a MP garantirá uma “golden share” ao governo (ação especial que confere direito de veto em algumas questões). A entrevista ajudou a impulsionar o preço das ações da estatal, que subiram 13,02% (ON) ontem, maior alta do Ibovespa. Segundo Lira, a “bolha histérica” causada pela troca na presidência da Petrobras não pode repercutir mais do que medidas estruturantes. O parlamentar também classificou o novo auxílio emergencial e as reformas como prioridades para 2021.

Valor Econômico