fbpx
Início NOTÍCIAS DO DIA

NOTÍCIAS DO DIA

Um resumo das principais notícias sobre infraestrutura e indústrias de base publicadas em jornais e agências de notícias

Estrangeiros já respondem por 70% do investimento em infraestrutura no País

Enquanto os dois candidatos à Presidência têm demonstrado preocupação com a participação de estrangeiros na infraestrutura, um levantamento mostra que o capital externo está avançando no setor. É o dinheiro vindo de fora que tem garantido os investimentos em petróleo e gás, eletricidade, água, transporte e comunicações no País. Os estrangeiros, que em 2010 respondiam por 27% dos investimentos privados em infraestrutura no Brasil, agora, respondem por 70%. O presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base, Venilton Tadini, não vê problemas no avanço do investimento estrangeiro na infraestrutura. “O importante é ter agências reguladoras devidamente estruturadas.”

O Estado de S.Paulo

5G vai trazer novos desafios às teles

As operadoras de telecomunicações detêm uma das maiores massas de dados  da indústria, com petabytes de informações colhidas e armazenadas, com a vantagem de serem geolocalizadas, permitindo acompanhar a movimentação dos clientes e seu fluxo nas cidades – uma posição privilegiada na hora de oferecer serviços. O volume gigantesco de informações que vão se multiplicar com a entrada em operação das redes 5G e da internet das coisas (IoT) traz novos desafios para organizar e rentabilizar essas informações.

Fonte: Valor Econômico

Comissão para analisar mudanças na lei sobre agências reguladoras deve ser instalada nesta terça

Está marcada para esta terça-feira (28) a instalação da comissão especial que analisará o Projeto de Lei 6621/16, do Senado. A proposta unifica as regras sobre gestão, poder e controle social das agências reguladoras. Chamado de Lei das Agências Reguladoras, o texto busca garantir a autonomia dessas autarquias, dar mais transparência à atividade e estabelecer medidas para evitar a interferência do setor privado.

Fonte: Agência Câmara Notícias

MP que viabilizou privatização de distribuidoras da Eletrobras é tema de debate

A comissão mista que analisa a Medida Provisória 855/18 promove audiência pública nesta manhã para discutir o texto. A MP determinou que a Amazonas Energia e a Companhia Energética de Alagoas (Ceal) poderão receber até R$ 3 bilhões para cobrir despesas com combustíveis usados na geração de energia elétrica entre 1º de julho de 2017 e a data da transferência do controle acionário para o novo operador (o leilão de privatização ocorreu em dezembro de 2018).

Agência Câmara de Notícias 

Governo define projetos que entram no Avançar

Tentando encontrar desesperadamente uma agenda de notícias para contrabalançar a crise política, o governo já montou sua lista praticamente definitiva da carteira de obras e ações incluídas no Projeto Avançar. As iniciativas vão resultar em um dispêndio de R$ 56,6 bilhões, com recursos do Orçamento Geral da União (OGU), até dezembro de 2018. 

 

Fonte: Valor Econômico

Disputa judicial ameaça transmissão de energia da usina de Belo Monte

Em dificuldades financeiras, espanhola Abengoa, responsável por parte da transmissão da energia da hidrelétrica, executou muito pouco das obras que já deveriam ter sido entregues. Empresa, porém, se nega a devolver a concessão, como determina a Aneel.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Energias renováveis empregaram mais de 9,8 mi em 2016

O setor de energias renováveis empregavam mais de 9,8 milhões de pessoas em 2016 em todo o mundo, segundo o mais recente relatório divulgado ontem pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena). Energia Renovável e Emprego – Revisão Anual 2017.

 

Fonte: DCI

Falta de chuva vai pesar no bolso do consumidor

O ano começou com um alerta para o setor de energia elétrica. O baixo volume de chuvas nos meses de janeiro e fevereiro vai pesar no bolso do consumidor e pode até afetar os índices de inflação. De acordo coma Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que regula os contratos de compra e venda de energia no país, o atual cenário hidrológico vai gerar um déficit da ordem de R$ 22 bilhões para as usinas hidrelétricas, que, sem água em seus reservatórios, terão de comprar energia mais cara no mercado para honrar seus contratos. Daquele valor, 72% serão pagos pelos consumidores do mercado cativo (no qual não se escolhe o fornecedor da energia), como clientes residenciais e comerciais.

O Globo 

Aegea faz ajustes para operar em novo tamanho

Em um período de escassez de novos projetos de saneamento, a Aegea se consolidou como uma participante relevante do setor privado, acrescentando mais de 2 milhões de pessoas aos seus consumidores desde 2016. Agora, a companhia volta-se para organizar suas novas operações e se adaptar a um novo tamanho. Nos negócios mais recentes, a companhia venceu a licitação para a operação de Teresina e adquiriu a Companhia de Saneamento do Norte, responsável pelas operações de água e esgoto Manaus.

Valor Econômico

Cteep não registra indenizações no 2º tri

A auditoria independente Ernst & Young assinou com uma ressalva o balanço da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep) no segundo trimestre, por considerar que a companhia resolveu não registrar as indenizações de ativos de transmissão não amortizados anteriores a maio de 2000 como ativo financeiro.

 

Fonte: Valor Econômico

Light e Supervia mantêm litígio na Justiça

A Justiça negou o pedido de falência da Supervia feito pela Light em dezembro de 2016. E também negou o pedido de indenização por danos morais feito pela concessionária de transportes ferroviários contra a companhia de energia por conta do pedido de falência. Com uma vitória e uma derrota para cada lado, as empresas prometem recorrer e manter a disputa viva nos tribunais.

Fonte: Valor Econômico

Comissão pode votar novo marco regulatório do setor elétrico na terça

A Comissão de Infraestrutura (CI) pode votar na próxima terça-feira (3) o Projeto de Lei do Senado (PLS) 232/2016, que estabelece o novo marco regulatório do setor elétrico. O relatório do senador Marcos Rogério (DEM-RO) prevê um mercado livre de energia, com a possibilidade de portabilidade da conta de luz entre as distribuidoras. De acordo com o texto, os consumidores de cargas superiores a 3 mil kW (quilowatts) de energia poderão escolher livremente seu fornecedor. No substitutivo, o relator adequa o PLS 232/2016 a uma portaria do Ministério de Minas e Energia (MME) que estabelece o cronograma para a ampliação do mercado livre de energia elétrica para consumidores com carga acima de 500 kW. O requisito mínimo de 3 mil kW será reduzido gradualmente ao longo dos anos, atingindo todos os consumidores após seis anos e meio de vigência da lei.

Fonte: Agência Senado

Geração de energia da Petrobras recua em 2019, mas entrega de gás nacional sobe

A geração de energia elétrica da Petrobras em 2019 ficou em 2.028 MW med, número 8% abaixo do registrado em 2018. De acordo com a empresa, a queda na produção veio em decorrência de uma melhora no cenário hidrológico. Segundo a Petrobras, a redução na demanda acabou se refletindo nas vendas de gás natural. Apesar do recuo, a estatal destaca o aumento da entrega de gás nacional, que passou de 49 milhões m³/dia para 51 milhões m³/dia, principalmente devido à maior produção do pré-sal na Bacia de Santos e o aumento da participação de GNL na oferta total devido aos menores preços do insumo no mercado internacional.

Canal Energia

Maia defende que Estado volte a investir para país crescer

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ontem que a lenta recuperação econômica do Brasil já era esperada e defendeu que o Estado volte a investir. Ressaltando a importância das reformas estruturais na economia, Maia avalia que a “principal mensagem” dos números do Produto Interno Bruto (PIB) é a necessidade da participação do Estado no crescimento e no desenvolvimento do país. Em contrapartida, a equipe econômica defende que o caminho para estimular o crescimento não passa pelo aumento de gastos fiscais. Pelo contrário: a aposta é no efeito do ajuste das contas públicas sobre a credibilidade da economia brasileira.

O Globo

Cetesb ignora pedido de acesso à obra da VLI, diz concorrente

A Ilha das Cobras Empreendimentos Imobiliários registrou um boletim de ocorrência relatando que a Cetesb ignorou pedido da empresa para apresentar a licença que liberou uma obra no estuário de Santos com potencial de minar um projeto futuro do grupo.

 

Fonte: Valor Econômico