Podcast Infra para Crescer
Início NOTÍCIAS DO DIA

NOTÍCIAS DO DIA

Serviço de curadoria produzido todas as manhãs no qual é apresentado um resumo das principais notícias sobre infraestrutura publicadas em jornais, agências de notícias e demais veículos de imprensa brasileira, com links para o conteúdo original.

Notícias do Dia – 21/02/2024

Exclusivo: Brasil e Paraguai destravam temporariamente orçamento de Itaipu

Em Reunião de Diretoria Executiva (RDE) realizada ontem, Brasil e Paraguai concordaram em desbloquear temporariamente o orçamento da usina hidrelétrica de Itaipu Binacional até o fim do mês de março. Foi aprovada a implementação de procedimentos provisórios, garantindo a liberação de recursos da empresa. O impasse entre Brasil e Paraguai na definição da tarifa da hidrelétrica de Itaipu Binacional levou o país vizinho a adotar uma medida extrema, bloqueando o orçamento da megausina para o ano de 2024. Como resultado, tanto empregados quanto prestadores de serviços e fornecedores enfrentaram atrasos nos pagamentos no início de janeiro, em ambos os lados da fronteira.

Valor Econômico

 

Leilão de energia pode gerar R$ 22 bi de investimento

O governo prevê a contratação de novas linhas de transmissão em 2024 com investimentos de R$ 22,26 bilhões. A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) liberou ontem a publicação do edital do primeiro leilão, marcado para o dia 28 de março, com projetos orçados em R$ 18,2 bilhões. Na mesma reunião, o comando da agência aprovou a abertura de consulta pública para discutir as regras do segundo certame deste ano, previsto para o dia 27 de setembro, com investimento de mais R$ 4,06 bilhões.

Valor Econômico

 

Anac prepara nova resolução para os usuários

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) avança com uma revisão da resolução 280/2013, que trata das regras para o transporte aéreo de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, disse Yuri Cesar Cherman, gerente de regulação das relações de consumo do regulador. Entre os principais pontos no novo texto está mecanismos que evitem a assimetria de informação entre as aéreas. “Uma situação que estamos explorando é uma empresa A aceitar transportar determinado equipamento porque considera seguro, mas uma empresa B não considera seguro por achar que pode haver uma explosão à bordo, por exemplo”, disse Cherman.

Valor Econômico

 

De olho no PAC, Pátria cria fundo para investir até R$ 5 bilhões nos ‘gaps’ da infraestrutura e atrai BNDES

O Pátria Investimentos, gestora de ativos alternativos que tem cerca de R$ 200 bilhões na carteira, lançou um fundo de investimento de até R$ 5 bilhões para financiar pequenos e médios projetos de infraestrutura — um dos focos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e, segundo os sócios da gestora, um dos segmentos mais negligenciados em termos de disponibilidade de capital no país. O veículo já atraiu R$ 1,6 bilhão em capital comprometido junto a instituições como o BNDES — com R$ 500 milhões —, o CAF (banco de desenvolvimento da América Latina) e a IFC (braço de investimento privado do Banco Mundial), além de um fundo de pensão brasileiro e do próprio Pátria.

O Globo

 

Galeão: governo negocia alívio financeiro para concessionária do aeroporto do Rio que supera R$ 1 bi por ano

O governo renegocia uma dívida em torno de R$ 13 bilhões para salvar a concessão do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no Rio. A negociação do montante é um pedido da Changi, empresa de Cingapura que detém a maior parte da concessão. Esse valor representa todo o fluxo de outorga (espécie de licença por direito de uso paga à União pelo concessionário) que deve ser quitada pela operadora até 2039, quando termina o contrato. O montante negociado considera quanto deveria ser pago para quitar essa fatura caso ela fosse cobrada hoje.

O Globo

 

Tráfego de passageiros nos aeroportos brasileiros tem alta de 14,7% em 2023

O tráfego total de passageiros no Brasil aumentou 14,7% no ano passado em comparação com 2022, segundo dados do relatório Insight da Aviação Brasileira da Associação Latino Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta). O CEO da entidade, José Ricardo Botelho, avalia que, em meio a um ambiente global e regional desafiador, a aviação brasileira mostra resiliência e busca se recuperar do período da pandemia.

O Estado de S.Paulo

 

Demanda energética da Europa coloca Brasil como protagonista do powershoring, diz executiva do BNP

A executiva francesa Florence Pourchet exerce uma das principais posições ocupadas por uma mulher entre os grandes bancos internacionais. Atualmente responsável na América Latina pela relação com os clientes corporativos e institucionais do BNP Paribas, ela está encarregada da função de estruturar a estratégia do banco francês para promover uma transição para investimentos ambientalmente sustentáveis, em alinhamento com as metas da União Europeia, e apoiar negócios que envolvem energias renováveis em detrimento de investimentos em fontes sujas.

O Estado de S.Paulo

 

BNDES investe R$ 500 milhões em fundo de crédito para infraestrutura gerido pelo Pátria

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou a contratação e subscrição de cotas do Pátria Infra Crédito, novo Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) com foco em infraestrutura gerido pelo Pátria Investimentos. O banco de fomento irá aportar até R$ 500 milhões no FIDC, que também tem entre seus investidores a International Finance Corporation (IFC), membro do Grupo Banco Mundial, e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). O montante deverá ser investido em projetos dos setores de energia, saneamento, logística e transporte, mobilidade urbana e telecomunicações.

O Estado de S.Paulo

 

Brasil e Paraguai concordam em destravar orçamento de Itaipu temporariamente

O Brasil e o Paraguai concordaram em destravar o orçamento de Itaipu temporariamente, abrindo caminho para pagamentos ligados ao dia a dia da hidrelétrica que dependiam da liberação de recursos. Como mostrou a Folha em janeiro, o bloqueio havia sido feito pelo Paraguai em meio ao impasse sobre qual a tarifa a ser paga pelo Brasil pela energia não usada do país vizinho. As autoridades paraguaias demandam um valor maior, mas o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) resiste. Com a nova decisão, o orçamento está liberado até o fim de março, de acordo com pessoas que acompanham a discussão.

Folha de S.Paulo

 

Geólogos sinalizam início da ‘corrida do ouro’ do hidrogênio

Geólogos estão sinalizando o início de uma nova “corrida do ouro” energética para um recurso livre de carbono anteriormente negligenciado —o hidrogênio gerado naturalmente dentro da Terra. Até 5 trilhões de toneladas de hidrogênio existem em reservatórios subterrâneos em todo o mundo, de acordo com um estudo não publicado do Serviço Geológico dos Estados Unidos. “A maior parte do hidrogênio provavelmente é inacessível, mas uma recuperação de alguma porcentagem ainda supriria toda a demanda projetada —500 milhões de toneladas por ano— por centenas de anos”, disse Geoffrey Ellis, que está à frente da pesquisa, na reunião anual da AAAS (American Association for the Advancement of Science), em Denver.

Folha de S.Paulo

São Paulo quer regionalizar coleta de lixo

O governo de São Paulo avalia lançar, em março, um programa de concessões regionais para a coleta de resíduos sólidos. A ideia é reduzir os custos para os municípios. Segundo a secretária do Verde e Meio Ambiente, Natália Resende, a iniciativa foi adotada no saneamento, com o programa UniversalizaSP. Por ele, cerca de 250 municípios recebem apoio técnico para cumprir metas de universalização e prestação de serviços de água e esgoto.

Folha de S.Paulo

 

Aneel aprova leilão de transmissão com aportes previstos de R$ 18,2 bi

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta terça-feira (20) o edital do primeiro leilão de transmissão de energia de 2024, com projetos que deverão exigir ao todo R$ 18,2 bilhões em investimentos para sua implantação. Marcado para 28 de março de 2024, o certame oferecerá 15 lotes de transmissão, prevendo a construção de 6.460 quilômetros de linhas e novas subestações com 9.200 MW em capacidade de transformação. As instalações, distribuídas em 14 estados, visam principalmente reforçar o escoamento da energia gerada no Nordeste, diante do forte crescimento das fontes renováveis eólica e solar na região, para centros de consumo do Sudeste e Sul.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 02/02/2024

Ondas de calor e retomada da economia fizeram consumo de energia no Brasil crescer 3,7% em 2023

O consumo de energia elétrica no Brasil atingiu 69.363 megawatts médios em 2023, aumento de 3,7% em relação a 2022, conforme dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Essa alta na demanda foi impulsionada pelas ondas de calor no país durante o segundo semestre, e a recuperação de alguns setores econômicos desempenhou papel signnificativo nesse cenário. No mercado regulado, no qual os consumidores adquirem sua energia diretamente das distribuidoras, observou-se um aumento de 2,5%. 

Valor Econômico

 

Oi deve propor venda da carteira de clientes de fibra óptica

A Oi vai apresentar nos próximos dias a nova versão de seu segundo plano de recuperação judicial. De acordo com fontes do setor, a tele carioca vai propor a venda de sua carteira de clientes de fibra óptica, hoje reunidos na ClientCo. São mais de 4 milhões de usuários. Para isso, a tele carioca contratou recentemente advisors (conselheiros) para estruturar o processo de venda da unidade. O novo plano terá ainda a venda da fatia da Oi na V.Tal, empresa que é dona da infraestrutura de fibra óptica, com mais de 400 mil quilômetros de extensão. Segundo fontes ouvidas pelo GLOBO, a venda de ativos ganhou força nos últimos meses durante as negociações com os credores.

O Globo

 

Petrobras reduz preço do QAV em fevereiro em meio à discussão no governo para socorrer setor aéreo

A Petrobras reduziu a partir de hoje em 0,4% o preço médio de venda de Querosene de Aviação (QAV) para as distribuidoras. A queda acumulada nos dois primeiros meses deste ano é de 10,2%. Nos últimos 12 meses, a redução chega a 30,3%. Semana passada, o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, disse que o governo prepara medidas para ajudar companhias aéreas, que amargam prejuízos e acumulam dívidas desde a pandemia de Covid-19.

O Globo

 

Avianca, American Airlines e Emirates anunciam mais voos diretos para o Galeão

Avianca, American Airlines e Emirates anunciaram mais voos para o Rio, na esteira da transferência de conexões domésticas para o Aeroporto Internacional do Galeão. Segundo a RIOgaleão, operadora do terminal, e a Prefeitura do Rio, são os primeiros resultados do fundo financeiro de até R$ 270 milhões que pretende atrair mais voos para a cidade. Turkish Airways, Qatar Airways e a Neos, italiana especializada em destinos de lazer, estão na fila para anunciar expansões. Os novos voos começarão a operar a partir de abril, outubro e dezembro, respectivamente.

O Globo

 

Importadores de turbinas eólicas pleiteiam cota para driblar nova tarifa de importação

A Abeeólica (Associação Brasileira de Energia Eólica) levou ao Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (MDIC) um pleito que, se atendido, pode adiar em mais de um ano os efeitos da nova tarifa de importação para turbinas eólicas, aprovada em dezembro. O pleito divide a associação, que é formada por importadores e também empresas com produção local. A volta da Tarifa Externa Comum para turbinas eólicas e módulos fotovoltaicos foi aprovada pela Câmara de Comércio Exterior com a justificativa de estimular a promoção nacional dessas tecnologias.

O Globo

 

Petrobras reduz em 2% preço do gás natural para distribuidoras

O preço de gás natural fornecido pela Petrobras às distribuidoras vai cair a partir desta quinta-feira. A queda será, em média, de 2% por m³ em relação ao mês passado e não vale para o GLP, o chamado gás de cozinha. Em 2023, o gás natural já havia recuado 22,2%. A redução para o consumidor final, seja uma residência, um comércio, uma fábrica ou um posto de combustíveis não se dará necessariamente na mesma proporção. Além do valor do gás em si, a composição do preço final inclui tributos e lucros das empresas que vendem e transportam o gás.

O Globo

 

Concessionária do grupo Águas do Brasil no Rio capta R$ 4,65 bi para pagar empréstimo e investir

A concessionária de água e esgoto Rio+Saneamento, sociedade do grupo Águas do Brasil e da gestora de fundo de investimentos Vinci Partners, captou R$ 4,65 bilhões por meio da emissão de debêntures (títulos de dívida) e empréstimo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O montante servirá para pagar o empréstimo-ponte que permitiu quitar as duas primeiras parcelas da outorga fixa — pouco mais de R$ 1,8 bilhão do total de R$ 2,2 bilhões devidos ao governo do Rio —, mas também para investimentos na rede que administra.

O Estado de S.Paulo

 

Usina solar flutuante em SP colocará o Brasil entre gigantes do setor

O projeto inaugurado pelo Governo de São Paulo em janeiro de uma usina de energia solar flutuante sobre a represa Billings deve colocar o Brasil entre os maiores atores do mundo no setor. A UFF (Usina Fotovoltaica Flutuante) Araucária, na zona sul de São Paulo, produz força a partir de painéis solares que flutuam sobre a represa, um método defendido por especialistas como mais eficiente na geração de energia limpa —ainda que com capacidade muito aquém de sistemas tradicionais, como hidrelétricas.

Folha de S.Paulo

 

China instala mais painéis solares em 2023 que os EUA em sua história

A China instalou mais painéis solares em 2023 do que qualquer outra nação já construiu, aumentando a sua enorme fonte de energia renovável, que lidera no mundo por uma grande margem. O país adicionou 216,9 gigawatts de energia solar no ano passado, superando seu recorde anterior de 87,4 gigawatts de 2022, disse a Administração Nacional de Energia (NEA, da sigla em inglês) em comunicado. Isso é mais do que toda a capacidade de 175,2 gigawatts nos Estados Unidos, o segundo maior mercado solar do mundo, de acordo com estimativas da BloombergNEF (BNEF).

Folha de S.Paulo

 

Aneel dá parecer a favor da J&F em briga por contrato de R$ 10 bilhões

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) deu um parecer favorável à Âmbar Energia, da J&F, grupo dos irmãos Batista, em meio à negociação de um acordo no TCU (Tribunal de Contas da União) que pode beneficiar a empresa com um contrato de R$ 10,5 bilhões com a União por sete anos. Em despacho de 29 de janeiro, a agência informou o TCU que três usinas da Âmbar —UTE Edlux X, EPP II e Rio de Janeiro I— são capazes de suprir o fornecimento de energia que o governo federal havia contratado em 2021. O uso dessas usinas poderia resolver o impasse entre a Âmbar e o governo federal. Até o momento, a empresa vem tentando usar a UTE Cuiabá, uma térmica de mais de 20 anos, para cumprir seus contratos.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 01/02/2024

País deve promover biocombustível, diz agência de energia

O Brasil deve aproveitar o protagonismo global proporcionado pela presidência do G20 e pela organização da COP30 para pressionar os países ricos a financiar a transição energética e para promover os biocombustíveis no mundo. Os conselhos foram dados nesta quarta-feira pelo diretor-geral da Agência Internacional de Energia, Fatih Birol, em passagem  por Brasília. Durante um evento no Ministério de Minas e Energia (MME), Fatih afirmou que o Brasil terá a atenção de todo o mundo nos próximos dois anos e que deve aproveitar a oportunidade. 

Valor Econômico

 

Iniciativa visa capacitar gestores para PPPs

O Tesouro Nacional e o Banco do Brasil lançam hoje a primeira capacitação de gestores de Estados e municípios no âmbito de uma iniciativa do Ministério da Fazenda para incentivar e impulsionar concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs) sustentáveis pelos entes subnacionais. A ação faz parte de um amplo pacote lançado pela Fazenda no ano passado para Estados e municípios. A capacitação é uma das contrapartidas exigidas para as instituições financeiras que fizerem operações de crédito garantidas pela União com os entes nacionais: os bancos devem investir 0,5% do valor das operações em benefício dos entes. 

Valor Econômico

 

Ministro de Minas e Energia nega articulação do governo por Murilo Ferreira para comando da Vale

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou nesta quarta-feira que a decisão sobre o processo sucessório da Vale será tomada pelos acionistas da empresa. Ele negou articulação do governo para bancar o nome do ex-CEO da empresa, Murilo Ferreira, que esteve à frente da empresa de 2011 а 2017. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vinha se movimentando para levar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para o cargo máximo da Vale. O presidente, porém, recuou.

O Globo

 

Cidade do interior de SP se mobiliza, e Justiça suspende licenciamento de maior termelétrica do Brasil

O projeto da maior usina termelétrica do Brasil, em Caçapava (SP), se tornou alvo de protestos de moradores, políticos e organizações ambientais da região do Vale do Paraíba, que temem pelos impactos na qualidade do ar e no abastecimento de água da região. Nesta quinta-feira (31), a Justiça Federal de São Paulo suspendeu o processo de licenciamento da usina, atendendo pedido do Ministério Público Federal. A audiência pública para avaliar o projeto estava prevista para esta quinta (1º) e foi alvo, no fim de semana, de protestos dos moradores.

Folha de S.Paulo

 

Fatia do Brasil na oferta global de petróleo irá a 4% em 2030, diz AIE

O Brasil elevará sua participação no suprimento global de petróleo a 4% em 2030, ante 3% atualmente, e permanecerá em torno desse nível na década de 2040, afirmou nesta quarta-feira (31) o diretor-executivo da AIE (Agência Internacional de Energia), Fatih Birol. Para o cálculo, Birol considera que o país atingirá produção de petróleo de cerca de 4,5 milhões de barris por dia (bpd) ao fim desta década e início da próxima. A produção média de petróleo do Brasil em novembro bateu recorde de 3,678 milhões de bpd, com o desenvolvimento de importantes áreas do pré-sal, apontaram os dados mais recentes da reguladora ANP em dezembro. A expectativa no Brasil é que a produção doméstica continuará crescendo ao longo desta década com o pré-sal.

Folha de S.Paulo

 

Ministro reúne empresariado para discutir transição energética

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, promoveu um encontro do diretor-executivo da Agência Internacional de Energia (IEA), Fatih Birol, com presidentes de associações e das principais empresas de energia e combustíveis do país. Silveira e Birol assinaram, nesta quarta (31), o Plano de Trabalho Conjunto para a Aceleração da Transição Energética.

Folha de S.Paulo

 

Corrida pela energia limpa no Brasil ‘está longe de ser inofensiva’, dizem movimentos sociais

Vinte e nove organizações sociais ou de proteção ao meio ambiente divulgaram nesta quarta-feira (31) uma proposta de novas regras para autorizações de construção de parques de geração de energia eólica e solar no país. O objetivo é debater mecanismos de proteção contra os riscos e os impactos que esses projetos impõem aos territórios e aos seus habitantes. Em dezembro, reportagem da Folha mostrou que a corrida pela energia limpa tem intensificado conflitos socioambientais, principalmente no Nordeste.

Folha de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 30/01/2024

Hidrelétricas reforçam atuação para recuperar espaço perdido no setor

O segmento de geração hídrica foi buscar um nome com experiência dentro e fora do setor elétrico para tentar ter mais participação nos debates setoriais. A ex-secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, assume a presidência da Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica (Abrage) com esse objetivo. Com 18 anos de experiência no ministério e papel fundamental na privatização da Eletrobras, onde ocupa cadeira de conselheira, Pereira encontra um setor preocupado com questões como o desperdício de água nas usinas hidrelétricas, a sobreoferta de energia causada pela entrada de usinas eólicas e solares, o excesso de subsídios, a falta de reservatórios para armazenamento, restrição para exportação de energia excedente a países vizinhos e leilões de reserva de capacidade.

Valor Econômico

 

Eletrobras inicia processo de digitalização de usinas

A Eletrobras aposta na digitalização de suas hidrelétricas para reduzir custos e aumentar a eficiência operacional, com o uso de uma metodologia, conhecida no segmento como Building Information Modeling (BIM). A ferramenta permite simulação de cenários, acesso a análises de projetos, e dados de ativos e visualização das instalações das usinas em 3D, acelerando a detecção de problemas e aperfeiçoando processos de manutenção preventiva. A metodologia BIM utiliza várias ferramentas e tecnologias para criação e gerenciamento de informações e dados, que permitem representar ativos de forma digital em todo o ciclo de vida do projeto.

Valor Econômico

 

Estudo da Firjan aponta caminhos para elevar a produção no Brasil

Falta gás natural no Brasil para atender a demanda crescente. Essa é a conclusão do estudo Perspectivas do Gás no Rio, da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), que será lançado hoje (30). “Há um mercado consumidor interessado em uma maior oferta de gás no país, o que falta para atender esse potencial é a maior disponibilidade em bases competitivas de preço e acessibilidade”, diz o documento. Segundo o levantamento da Firjan, o Estado do Rio de Janeiro é responsável por 70% da produção de gás de todo país, mas apenas 24% da produção é disponibilizada ao mercado consumidor. 

Valor Econômico

 

Setor privado é essencial para o G20 no mundo da ‘reglobalização’, diz presidente da Câmara Internacional de Comércio

O setor privado é essencial para destravar negociações diplomáticas no âmbito do G20, o grupo das 20 maiores economias do mundo, ou da Organização Mundial do Comércio (OMC), diz o australiano John Denton, secretário-geral da Câmara Internacional de Comércio (ICC, na sigla em inglês), entidade global de representação empresarial. Mas os líderes envolvidos precisam usar seu capital político para que resultados sejam alcançados, diz. Por isso, o executivo vê com bons olhos a postura do Brasil na presidência rotativa do G20, que dura este ano, porque o país procurou dar foco à sua atuação.

O Globo

 

GreenYellow investirá R$ 55 milhões na construção de três usinas fotovoltaicas

A francesa GreenYellow anunciou a construção de três novas usinas fotovoltaicas em Goiás, Ceará e Piauí, cuja energia gerada será negociada pela Matrix Energia na modalidade por assinatura, formalmente chamada de geração compartilhada. O investimento previsto nos empreendimentos é de R$ 55 milhões. As usinas somadas terão 16,28 megawatt-pico (MWp) de capacidade instalada e 34,9 gigawatt-hora (GWh) de produção anual, e serão implantadas nas áreas de concessão da Equatorial, em Porteirão (GO) e Sigefredo Pacheco (PI), e da Enel, em Morada Nova (CE), podendo assim atender consumidores em 645 municípios dessas regiões.

O Estado de S.Paulo

 

Notícias do Dia -13out2023

Petrobras passa a valer R$ 536,1 bi, novo recorde de valor de mercado

Impulsionada por um cenário favorável, a Petrobras alcançou valor de mercado de R$ 527,9 bilhões na quinta-feira (25), um recorde na história da petroleira. A marca ainda foi renovada na sexta-feira (26), quando a capitalização da petroleira atingiu R$ 536,1 bilhões. Em 12 meses encerrados na sexta, a ação preferencial da Petrobras subiu 95,1%, segundo o Valor Data. A Petrobras é a companhia com maior valor de mercado do Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira. A segunda colocada é a Vale, com R$ 315,4 bilhões. A ação preferencial da petroleira, que fechou a semana aos R$ 39,96, acumula alta de 7,30% só em janeiro. Há um ano, o papel custava R$ 20,48.

Valor Econômico

 

STF retoma votação sobre aterros

O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá retomar, na sexta-feira (2), uma votação que poderá tornar oficialmente irregulares aterros sanitários em até onze Estados, por estarem localizados em Áreas de Preservação Permanente (APPs). Em 2018, uma decisão do tribunal impediu que aterros ocupassem essas áreas, porém, embargos de declaração tentam reverter a restrição ou, ao menos, minimizar os impactos para as unidades já existentes. Um mapeamento do Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais, do Ibama, aponta a existência de 18 aterros situados (parcial ou totalmente) em APPs. As unidades estão nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso, Pernambuco, Bahia, Sergipe, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Valor Econômico

 

Petrobras encontra indícios de petróleo na Margem Equatorial; região foi pivô de conflito com Ibama

A Petrobras informou ter encontrado indícios de petróleo em poço perfurado na costa do Rio Grande do Norte, na chamada Margem Equatorial brasileira. A empresa afirma, porém, que ainda não foi possível concluir que a produção é viável. O comunicado foi divulgado na noite de sexta-feira. O poço foi perfurado em um projeto chamado Pitu Oeste, na bacia Potiguar. 

O Globo

 

Conheça o 1º trem bala do mundo que viaja sobre a água a 300 km/h

Em termos de desenvolvimento ferroviário, a China está inquestionavelmente à frente. Em apenas uma década, o gigante asiático construiu quase 40 mil km de estradas de alta velocidade, mais do que o resto do mundo somado, e quer chegar aos 70 mil km até 2035. No caminho para este objetivo, o país acaba de abrir ao público a primeira linha de alta velocidade construída sobre água. A nova linha ferroviária estende-se por 277 km através da região de Fujian, perto do Estreito de Taiwan, e liga as cidades costeiras de Fuzhou, Zhangzhou e Xiamen, ambas na província do sudeste da China.

O Globo

 

Itaipu: governo será ‘rigoroso’ em negociações, diz ministro

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, indicou ontem que o Brasil será “extremamente rigoroso” nas negociações em torno da revisão da tarifa da usina de Itaipu, cuja administração é dividida com o Paraguai. A tarifa é paga nas contas de luz, e o país vizinho deseja aumentar os valores, enquanto o Brasil fala em, pelo menos, manter o atual patamar para evitar alta para os consumidores. Nos bastidores, pessoas que participam das conversas afirmam que o Brasil poderá colocar na mesa outros assuntos se o Paraguai insistir nos valores maiores. 

O Globo

 

China instalou mais painéis solares em 2023 do que os EUA em toda a história

 China bateu um novo recorde de instalação de painéis solares em 2023, somando-se a uma enorme capacidade de geração de energia renovável – na qual já lidera no mundo por uma ampla margem. O país adicionou 216,9 gigawatts (GW) de energia solar no ano passado, superando o recorde anterior de 87,4 GW de 2022, informou a Administração Nacional de Energia da China (NEA, na sigla em inglês) em um comunicado. Isso é mais do que toda a capacidade atual de 175,2 GW dos Estados Unidos, o segundo maior mercado de energia solar do mundo, de acordo com estimativas da BloombergNEF. No total, a capacidade de geração solar na China chegou a 609,5 GW.

O Estado de S.Paulo

 

O salto da energia eólica: setor prevê quase dobrar de tamanho até 2030, com aportes de R$ 175 bi

Primeira das “novas energias” a chegar ao Brasil, a fonte eólica, ou movida pelos ventos, tem batido recordes sucessivos de instalação e já trouxe mais de R$ 300 bilhões em investimentos para o País. Em 2023, respondeu por quase 50% de toda expansão do setor elétrico – dos 10,3 mil megawatts (MW) adicionados ao sistema elétrico, 4,9 mil MW vieram das usinas eólicas. E a tendência é essa expansão continuar firme nos próximos anos. Até 2030, serão investidos mais R$ 175 bilhões para acrescentar 25 mil MW de potência, levando-se em conta apenas os projetos já contratados em leilões nos últimos anos. Com isso, a geração eólica deve quase dobrar, passando da capacidade atual de cerca de 30 mil MW para 55 mil MW.

O Estado de S.Paulo

 

Governo cobra R$ 25,7 bilhões da Vale por renovação de concessões ferroviárias na gestão Bolsonaro

O governo Lula notificou nesta sexta-feira, 26, a Vale para cobrar R$ 25,7 bilhões em outorgas não pagas na renovação antecipada dos contratos das Estradas de Ferro Carajás e Vitória Minas na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. A notificação foi assinada pelo ministro dos Transportes, Renan Filho, e foi enviada ao presidente da mineradora, Eduardo Bartolomeo. O governo também notificou a MRS Logística, no valor de R$ 3,7 bilhões. O Ministério dos Transportes pretende utilizar os recursos arrecadados para investir em novas ferrovias.

O Estado de S.Paulo

 

Governo enviou à Casa Civil MP para minimizar impactos de tarifas de energia, diz Silveira

O governo enviou à Casa Civil na semana passada uma medida provisória que permitirá utilizar recursos de fundos da Eletrobras para minimizar impactos tarifários de energia elétrica, afirmou nesta sexta-feira (26) o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

 

A MP, que estava prevista para ser editada no fim do ano passado, acabou atrasando por “questões burocráticas”, disse Silveira. Ainda segundo ele, os consumidores do Amapá deverão estar entre os primeiros beneficiados pela medida, já que o Estado convive com a possibilidade de um forte aumento tarifário.

Folha de S.Paulo

 

Ministro de Minas e Energia nega que Lula tenha tratado de sucessão na Vale

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, negou nesta sexta-feira (26) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria tratado sobre sucessão na Vale e afirmou que o presidente “nunca” se disporia a fazer interferência em uma empresa com capital aberto. As declarações do ministro ocorrem após a divulgação na imprensa que Lula estava buscando meios para que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega assuma o comando da mineradora ou ao menos um cargo no conselho de administração.

Folha de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 23/01/2024

ABDIB NA IMPRENSA: Novo PAC tem licenciamento ambiental e governança como principais preocupações, aponta pesquisa

O licenciamento ambiental e a capacidade de governança são as principais preocupações apontadas por investidores do setor de infraestrutura em relação ao Novo PAC, segundo pesquisa realizada pela consultoria EY e pela Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), que ouviu 392 gestores, investidores e especialistas da área.  Para 58,7% dos entrevistados, a questão ambiental (prazo e capacidade técnica de análise dos órgãos ambientais) é um temor. A questão de governança também é um problema em potencial para 56,1% dos consultados.

Valor Econômico

 

ABDIB NA IMPRENSA: Saneamento é o setor de infraestrutura que mais deve atrair investimentos neste ano. Veja por quê

O setor de saneamento segue como o mais atrativo para receber investimentos nos próximos três anos, segundo um estudo da consultoria EY e da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), com 61,5% das respostas dos entrevistados citando esse segmento. O levantamento mostrou que em seguida aparecem o setor de energia elétrica (46,9%) e rodovias (32,4%). A 10ª edição do Barômetro da Infraestrutura no Brasil tem como objetivo identificar o ânimo de empresários e especialistas dos setores para o desenvolvimento de projetos e investimentos em infraestrutura.

O Globo

 

S&P pode rebaixar Itaipu por impasse em tarifa

A agência de classificação de risco de crédito S&P Global pode rebaixar a nota de crédito de Itaipu Binacional por causa do bloqueio do orçamento da usina promovido pelo governo do Paraguai. A possibilidade consta em relatório da própria S&P ao qual o Valor teve acesso. A classificação indica a capacidade de uma empresa ou país conseguir honrar seus compromissos financeiros. O bloqueio nas contas ocorre pela indefinição nas tarifas de geração da usina e da previsão orçamentária para 2024. Em 2023, o orçamento da empresa foi de US$ 2,48 bilhões (R$ 12,4 bilhões). O número para este ano não está fechado porque, primeiro, é preciso chegar a um entendimento sobre as tarifas de Itaipu.

Valor Econômico

 

Porto de Santos planeja novas PPPs e expansão de terminais

Após um ano em marcha lenta, o Porto de Santos traça novos planos e pretende acelerar seus projetos de crescimento, afirma o presidente da Autoridade Portuária de Santos (APS), Anderson Pomini. A estatal pretende lançar até o fim de 2024 duas parcerias público-privadas (PPPs): uma para o aprofundamento do canal de acesso e outra para o túnel Santos-Guarujá. Além disso, a companhia descartou oficialmente a ideia de um megaterminal de contêineres no Saboó, o STS 10. Em contrapartida, estuda ampliar em cerca de 1,5 milhão de TEUs (contêineres de 20 pés) os terminais da Brasil Terminal Portuário (BTP) e da Santos Brasil por meio de aditivos, sem necessidade de licitação, diz ele.

Valor Econômico

 

Após ‘sobrevida’, Ecoporto pode renovar contrato

A renovação do Ecoporto, concessão da Ecorodovias no Porto de Santos, voltou à mesa de negociação, após ter sido negada pelo governo passado. O contrato do terminal deveria ter se encerrado em junho de 2023, mas a empresa conseguiu, com a nova gestão, seguir à frente da operação de forma liminar e, agora, poderá obter a prorrogação do contrato por mais 25 anos. O plano em estudo pela Autoridade Portuária de Santos (APS) é deslocar o terminal, mas manter o porte atual, segundo o presidente, Anderson Pomini. “Pretendemos transferir o terminal de passageiros, o Cocais, para o local onde hoje funciona o Ecoporto. 

Valor Econômico

 

Nova bolsa de energia, a N5X começa a operar no segundo trimestre

A N5X, nova bolsa de energia do Brasil formada a partir da joint venture entre a European Energy Exchange (EEX) e a L4 Venture Builder, fundo independente apoiado pela B3, deve começar as operações no segundo trimestre. A expectativa é elevar a liquidez do mercado brasileiro de energia, atuando como uma contraparte central ou “clearing”, que vai registrar, verificar, conciliar e liquidar ordens de compra e venda. A bolsa, sediada em São Paulo, terá o respaldo da EEX, uma bolsa de energia presente em mais de 21 países. Suas plataformas são dedicadas à negociação de uma variedade de ativos como eletricidade, gás natural, créditos de carbono, além de frete e produtos agrícolas.

Valor Econômico

 

Vibra cria app de gestão de frota

A Vibra e a Veloe (do grupo Elopar, pertencente ao Banco do Brasil e Bradesco) iniciam em fevereiro as operações do Frota+, uma ferramenta conjunta de gestão de frotas a ser usada na rede de postos da distribuidora de combustíveis. A nova plataforma, desenvolvida pelas duas empresas, vai brigar por espaço em um mercado com grande potencial de crescimento e promete incomodar a líder Sem Parar Empresas diante da sinergia das duas parceiras e dos descontos na rede.

Valor Econômico

 

Novas concessões têm de melhorar desenho de contratos e aprimorar monitoramento para garantir serviço de qualidade

Quando se fala em concessionárias de serviços públicos se multiplicam reclamações sobre a qualidade e a continuidade dos serviços e o valor das tarifas. Num ano que são esperadas, ao menos, 56 concessões e parcerias público-privadas (PPPs) federais e estaduais, especialistas dizem que é preciso melhorar o desenho dos contratos e aprimorar os sistemas de monitoramento e fiscalização para que os problemas atuais não se repitam. Especialista em direito administrativo e regulação, Natasha Salinas, professora da FGV Direito Rio, diz que há um problema de modelagem dos contratos, que se reflete diretamente na prestação do serviço:

O Globo

 

Setor energético movimenta parceria entre Brasil e China

O setor de energia é o carro-chefe dos investimentos chineses no Brasil e recentes movimentações indicam que há uma nova agenda direcionando os recursos, com foco em carros elétricos e metais raros, duas variáveis que ganham importância com a transição energética. Entre 2007 e 2022, empresas chinesas investiram US$ 71,6 bilhões no Brasil, com o setor de eletricidade absorvendo 45,5% do total, seguido pelas áreas de extração de petróleo (30,4%), conforme os dados mais recentes do Conselho Empresarial Brasil-China.

O Globo

 

Lula vai se reunir com aéreas nos próximos dias para discutir ajuda a setor, diz ministro

O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, afirmou, nesta segunda-feira, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reunirá, nos próximos dias, com os dirigentes das empresas de aviação civil. Segundo ele, a ideia é discutir formas de “fortalecer” o setor, bastante afetado durante o período da pandemia de Covid-19. — Vamos receber as companhias aéreas para que elas possam externar as dificuldades do seu dia a dia. Todo o governo quer dar uma contribuição às empresas, que vêm enfrentando sérios problemas em todo o mundo — afirmou o ministro.

O Globo

 

Brasil antecipou transição energética há meio século

O Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover), objeto de Medida Provisória n.º 1.205, publicada no penúltimo dia de 2023, é mais uma etapa da pioneira trajetória do Brasil na trilha da descarbonização. Essa história começou há 49 anos, com o lançamento, em 1975, do Programa Nacional do Álcool (Proálcool). O passo seguinte ocorreu em 2003, com o carro flex, revolucionária tecnologia criada por nossos engenheiros. Ambas as iniciativas responderam a crises de majoração do petróleo, mas contribuem para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

O Estado de S.Paulo

 

BNDES aplica R$ 37 milhões em fundo da BB Asset voltado à diversidade

A BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), aplicou R$ 37 milhões no fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) BB ETF iDiversa, da BB Asset, que replica o índice da B3 que reúne empresas que adotam boas práticas em diversidade de raça e de gênero. O investimento total do BNDES no fundo pode chegar a R$ 100 milhões. Segundo a diretora de Mercado de Capitais e Finanças Sustentáveis do banco de fomento, Natália Dias, os aportes vão espelhar a captação que o ETF obtiver junto ao mercado, e o BNDES terá um teto de 50% de participação no fundo. Até aqui, a distribuição foi na rede do Banco do Brasil, e os recursos vieram de pequenos investidores. Com o investimento do BNDES, o patrimônio líquido chegou a R$ 70,4 milhões.

O Estado de S.Paulo

 

Geração própria de energia solar no Brasil ultrapassa marca de 26 GW, diz associação do setor

A geração própria de energia solar acaba de ultrapassar a marca de 26 gigawatts (GW) de potência instalada em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos no Brasil, com mais de 3,3 milhões de unidades consumidoras atendidas pela tecnologia, informou a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Segundo mapeamento da entidade, o País possui mais de 2,3 milhões de sistemas solares fotovoltaicos instalados em telhados, fachadas e pequenos terrenos.

O Estado de S.Paulo

 

Governo Lula prevê R$ 300 bi em financiamento e subsídios à indústria em ação liderada pelo BNDES

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou nesta segunda-feira, 22, um plano de estímulo à indústria brasileira, que enfrenta um quadro crônico de estagnação e perda de competitividade. Batizado de Nova Indústria Brasil, o pacote reedita políticas de antigas gestões petistas ao prever R$ 300 bilhões em financiamentos e subsídios ao setor, até 2026, além de uma política de obras e compras públicas, com incentivo ao conteúdo local (exigência de compra de fornecedores brasileiros). O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lidera a iniciativa, mobilizando R$ 250 bilhões dos R$ 300 bilhões previstos em créditos ao setor produtivo. 

O Estado de S.Paulo

 

Petrobras planeja aquisição de 2 GW em ativos solares e eólicos em terra no Brasil, diz presidente

A Petrobras planeja avançar este ano na transição energética com a aquisição de participações em ativos de energia renovável, disse o presidente da empresa, Jean Paul Prates, em entrevista à Reuters, acrescentando que a petroleira espera formar inicialmente um portfólio de cerca de 2 GW (gigawatts) de ativos de geração eólica e solar em terra no Brasil. Segundo Prates, a petroleira fará parcerias com outras empresas em projetos já consolidados e que não enfrentam dúvidas sobre o sucesso do negócio. “Tem muito projeto bom aí de portugueses, espanhois, franceses e brasileiros, tudo onshore (em terra) e já rodando. Esses 2 gigawatts devem ser de solar e eólica em terra”, afirmou o executivo, em uma entrevista por telefone no fim de semana.

Folha de S.Paulo

 

Em plano de R$ 300 bi de Lula para indústria, BNDES quer voltar a comprar ações de empresas

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta segunda-feira (22) um programa de estímulo à indústria. O chamado Nova Indústria Brasil recicla ideias antigas de gestões petistas, com forte intervenção estatal. Estão previstos até 2026 R$ 300 bilhões para o setor, que há décadas patina no Brasil. O governo diz que a maior parte dos recursos virá de financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Uma das marcas do PT foi resgatada com a volta do BNDES “investidor”. Segundo o governo, a instituição, que terá protagonismo no plano, voltará a comprar ações.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 22/01/2024

ABDIB NA IMPRENSA: Debêntures de infraestrutura injetarão R$ 150 bi em 3 anos, diz entidade 

A sanção da lei 14.801 de 2024 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que criou as debêntures de infraestrutura, deve aumentar o interesse de fundos de pensão e previdência em financiar projetos de infraestrutura. 

Segundo a Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), a nova fonte de captação de recursos para esses empreendimentos pode resultar em uma injeção de cerca de R$ 150 bilhões no setor nos próximos 3 anos. Em entrevista ao Poder360, o presidente da associação, Venilton Tadini, disse que o Brasil deve investir, ao todo, aproximadamente R$ 600 bilhões em projetos de saneamento, transporte, energia elétrica e telecomunicações até 2026 –último ano do mandato de Lula.

PODER 360

 

ABDIB NA IMPRENSA: Nova política industrial tem meta arrojada e longe do patamar atual, diz setor farmacêutico

O Brasil precisa de um plano para reativar sua indústria, tendo o Estado como indutor — sem ser investidor — e com participação do setor privado, avaliam especialistas consultados pelo GLOBO sobre os planos do governo para estimular a industrialização do país.

Para Venilton Tadini, diretor presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), é papel do estado ser indutor da indústria, sem necessariamente ser investidor, dentro da estratégia de crescimento do país. Ele observa que nem sempre, porém, a aplicação do plano traz os melhores resultados, como já aconteceu no Brasil. Mas a questão é de aperfeiçoamento, avalia.

O Globo

 

ABDIB NA IMPRENSA: Seguro para grandes obras tem melhor momento em uma década

Uma confluência de fatores positivos pode levar o mercado de seguro garantia mudar de patamar em 2024. O instrumento é usado para reduzir riscos de contratos em grandes obras, com pagamento de indenizações caso as condições de uma licitação ou concessão, por exemplo, não sejam cumpridas, ou ainda como opção de garantia em processos judiciais. Segundo especialistas ouvidos pelo Valor, há uma combinação de aspectos jurídicos, regulatórios, legislativos e políticos que não se vê há, pelo menos, uma década e pode impulsionar a modalidade.

Segundo dados da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), entre 2012 e 2014, o investimento médio do setor público consolidado, que considera governo mais empresas estatais, alcançou uma média anual de 4% do PIB. A taxa recuou a partir de 2015 e permanece abaixo de 3% desde então. Em 2022, o índice fechou em 2,53% do PIB, indica a entidade.

Valor Econômico

 

Em pleno período de chuvas, setor elétrico vê rios com vazão abaixo da média histórica

Ainda não é um sinal amarelo aceso, mas os primeiros alertas de uma possível piora no cenário energético brasileiro começaram a ecoar no setor. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) vem informando semanalmente em relatórios de programação da operação que as perspectivas de chuvas para boa parte do País têm se situado abaixo da média histórica para o período úmido, que teve início em dezembro e se encerra em abril. Isso se dá pelos efeitos do fenômeno climático El Niño, que causa seca mais ao Norte do Brasil e enchentes ao Sul. 

Valor Econômico

 

Novo PAC vai priorizar obras em encostas e de drenagem

A intensidade das chuvas, com enchentes fazendo vítimas e desalojando pessoas em diversas cidades brasileiras, fez o governo Luiz Inácio Lula da Silva decidir priorizar as obras de drenagem e contenção de encostas no âmbito do “Novo PAC”, versão repaginada do Programa de Aceleração do Crescimento. A ordem da gestão petista neste começo de ano é “passar na frente” – de todo o conjunto de obras do programa – aquelas intervenções que tratam de resolver ou minimizar os eventos relacionados à crise climática no país.

Valor Econômico

 

Governo deve leiloar 56 projetos, com investimentos de R$ 173 bi. Veja quais as obras

A agenda de 2024 das privatizações de infraestrutura promete contratar pelo menos R$ 173 bilhões em investimentos para os próximos anos. Estão no radar leilões de, no mínimo, 56 concessões e parcerias público-privadas (PPPs) federais e estaduais. Para especialistas e executivos, as concessões encontram agora um cenário menos incerto do que um ano atrás. Serviços de água e esgoto — projetos, geralmente, estaduais —, trechos rodoviários, arrendamentos portuários e linhas de transmissão de eletricidade são os destaques nas licitações previstas para este ano.

O Globo

 

Secretaria do consumidor avalia recomendar à Aneel cassação de concessão de empresas de energia

Após reiterados casos em que consumidores ficaram sem energia elétrica por dias, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) avalia recomendar à Aneel a cassação da concessão das empresas que deixam de prestar o serviço. A afirmação foi feita pelo secretário nacional do consumidor, Wadih Damous, em vídeo divulgado pelo ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência, Paulo Pimenta, neste domingo, 21. “Vamos recomendar fortemente a cassação da concessão dessas empresas”, disse Damous após relatar que terá reunião com a Light, no Rio de Janeiro, na segunda-feira, 22, e também procurará a Aneel.

O Estado de S.Paulo

 

Venda da Compagás caminha para fase final e deve sair após o carnaval

A Copel caminha para vender sua participação de 51% na distribuidora de gás canalizado Compagás, numa transação que deve acontecer ainda no primeiro trimestre, segundo fontes relataram à Coluna do Broadcast. A perspectiva é que o negócio seja fechado ainda em fevereiro, logo após o Carnaval. O ativo vale R$ 2,3 bilhões e tem sido monitorado de perto por grupos do Brasil e do exterior, uma vez que o Paraná é considerado um Estado promissor em termos de crescimento e com capacidade para ampliar a rede de gasodutos. Para a venda, a Copel havia contratado em setembro a XP Investimentos.

O Estado de S.Paulo

 

Investimentos em exploração de petróleo e gás podem chegar a US$ 1,96 bi em 2024, diz ANP

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou na sexta-feira, 19, que atualizou seus dados sobre investimentos na fase de exploração nos campos de petróleo e gás natural do País em 2024, podendo chegar a US$ 1,96 bilhão. Do total previsto para a exploração, cerca de 95% estão concentrados nas bacias marítimas. Para as da Margem Equatorial (bacias marítimas da Foz do Amazonas, Pará-Maranhão, Barreirinhas, Ceará e Potiguar), que inclui áreas que são alvo de questionamento de órgãos ambientais, a previsão é de cerca de US$ 1,09 bilhão.

O Estado de S.Paulo

 

Reforma dobra tributação do saneamento, e conta de água vai subir

O setor de saneamento básico perdeu todas as desonerações na reforma tributária e começou o ano em busca de alternativas para dirimir os impactos. Com a mudança, a alíquota —atualmente de 9,25%— tende a subir para 27%, o valor cheio estimado, com impactos sobre a conta de água e esgoto e riscos para os investimentos. Pela regra atual, em relação ao consumo, o setor paga apenas tributos federas, PIS e Cofins. Está isento do ICMS estadual e do ISS municipal. O texto da reforma que implementa o IVA (Imposto sobre Valor Agregado) dual prevê que o setor pagará não apenas o CBS federal, mas também o IBS para estados e municípios (dois tributos sobre bens e serviços).

Folha de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 17/01/2024

Subsídio na conta de luz dobra em 5 anos e põe sistema em risco

A soma dos subsídios pagos na fatura de energia elétrica dobrou em cinco anos no Brasil. Entre 2018 e 2023, o valor acumulado por ano saltou de R$ 18,8 bilhões para R$ 37,4 bilhões. Os números são do “subsidiômetro”, ferramenta de cálculo disponibilizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O crescimento dos subsídios, a maioria como encargo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), já despertava preocupações entre especialistas do setor. Agora, começam a surgir alertas sobre o risco do sistema de pagamento entrar em colapso.

Valor Econômico

 

Entenda como a revisão da tarifa de Itaipu vai ter impacto no bolso do consumidor

O desfecho das negociações entre Brasil e Paraguai sobre a revisão do Tratado de Itaipu pode resultar em aumento nas tarifas de geração, com potencial de gerar impacto direto na vida de 131 milhões de brasileiros do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Os reflexos de uma eventual alta serão distintos nos consumidores do Brasil e do Paraguai, na avaliação de especialistas ouvidos pelo Valor sobre o tema, a partir da nova etapa de conversas entre os dois países, nesta semana. Conforme as regras do tratado, o Brasil assume a parte excedente que o Paraguai não utiliza. Na prática, os brasileiros respondem por 86% do pagamento da tarifa.

Valor Econômico

 

Distribuidoras perdem remuneração de capital, conclui estudo

Uma nota técnica da Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concluiu que a remuneração média do capital das distribuidoras de energia elétrica no Brasil é menor do que o estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o que pode comprometer parte dos investimentos no setor. A partir das análises financeiras das distribuidoras, o estudo conclui que não há ganhos financeiros, mas sim perda de remuneração por parte dessas empresas.

Valor Econômico

 

Abradee realizará estudo sobre efeito de clima extremo

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) vai realizar estudo internacional para analisar e tratar dos efeitos do clima extremo nas redes de distribuição. A entidade tem conversado com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para desenvolver o trabalho, que vai propor tratamento para situações associadas a mudanças climáticas. O estudo tem início neste mês. A Abradee buscou instituições externas para troca de experiências e análises de caso. O objetivo é ajudar distribuidoras a responder questões como aumento da resiliência das redes frente a eventos extremos e a melhoria da interação entre redes e meio ambiente no meio urbano, especialmente com árvores de grande porte.

Valor Econômico

 

VLI e União entram na reta final para definir renovação da FCA

A renovação antecipada da FCA (Ferrovia Centro Atlântica), concessão operada pela VLI, vive um momento decisivo. Caso não haja acordo entre governo federal e empresa até março, a prorrogação contratual tende a ficar no papel, e a ferrovia deverá seguir para nova licitação, dizem fontes que acompanham a discussão. O contrato da VLI chega ao fim em agosto de 2026. Portanto, à medida que o tempo passa, a tese da vantajosidade da prorrogação antecipada perde força, já que o principal argumento da extensão é antecipar os investimentos, em relação à nova licitação.

Valor Econômico

 

Tarcísio defende que concessão com a Enel em SP não seja renovada: ‘A cada chuva deixa o paulistano na mão’

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), fez duras críticas aos serviços prestados pela Enel em São Paulo e defendeu que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não renove o contrato de concessão com a empresa, que vence em 2028. — A gente não pode ter uma empresa que a cada chuva deixa o paulistano na mão. São eventos climáticos que acontecem, a gente não vê uma preparação da empresa, não houve cuidado devido da manutenção — disse o governador na manhã desta terça-feira, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

O Globo

 

Gerdau pode rever investimentos se governo não tomar ‘medidas urgentes’ para a indústria, diz CEO

Estreante no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o presidente da Gerdau, Gustavo Werneck, não esconde a sua preocupação com a economia brasileira, em especial com a indústria. Enquanto países como México, que surfa na onda do nearshoring (realocação da produção em países próximos ao mercado de interesse), além dos Estados Unidos e a Turquia atuaram em prol de suas indústrias locais, o Brasil, na avaliação do executivo, não tem se mexido na mesma direção. Isso faz com que a companhia cogite rever investimentos à frente, segundo ele.

O Estado de S.Paulo

 

Governo estuda subsídio para a conta de luz, diz Silveira

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está estudando um modelo de subsídios para dirimir o impacto da transição energética na conta de luz, afirmou o ministro Alexandre Silveira (Minas e Energia), que está em Davos para vender o Brasil como uma potência dos combustíveis verdes. “Nós estamos estudando alternativas”, disse Silveira à Folha. Lula tem criticado de forma recorrente a diferença entre os valores pagos pelos grandes consumidores (empresas) no mercado livre de energia, menores que aqueles com que arca o consumidor comum.

Folha de S.Paulo

 

Preço do frete rodoviário no Brasil cai 12% no fim de 2023 com recuo do diesel, diz Edenred Repom

O preço médio do frete por quilômetro rodado no Brasil recuou 12% no fim de 2023, em relação a janeiro do mesmo ano, ao fechar em R$ 6,22, com impulso da queda do preço médio do diesel e das taxas de juros, apontou nesta terça-feira (16) o Índice de Frete Edenred Repom (IFR). O mês de 2023 com maior valor médio no preço do frete foi abril, com R$ 8,36, segundo o IFR, índice de preço médio do frete e sua composição, mensurado com base nas 8 milhões de transações anuais de frete e vale-pedágio administradas pela Edenred Repom.

Folha de S.Paulo

 

Transporte de gás natural liquefeito será afetado pela tensão no Mar Vermelho, diz premiê do Qatar

O transporte de gás natural liquefeito “será afetado” pela escalada da tensão no Mar Vermelho, alertou o primeiro-ministro do Qatar, um dos maiores produtores do mundo, nesta terça-feira (16). “O gás natural liquefeito (…), assim como todas as outras mercadorias, será afetado pela perigosa escalada no Mar Vermelho”, disse Mohammed ben Abdulrahman Al Thani, referindo-se aos ataques que estão ocorrendo na região costeira do Iêmen e levando transportadoras de cargas marítimos a mudarem de rota.

Folha de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 16/01/2024

Lula admite rediscutir tarifas de Itaipu, após encontrar presidente do Paraguai

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu hoje rediscutir as tarifas cobradas pela energia de Itaipu, um projeto no qual o Brasil é sócio do Paraguai. Lula fez a declaração após encontro com o presidente paraguaio, Santiago Peña, no Palácio Itamaraty, em meio a um impasse entre os dois países por conta desse tema. Em declaração à imprensa após o encontro, os dois presidentes admitiram que há divergências sobre o tema. Mas se mostraram dispostos a encontrar uma solução, no contexto das negociações para a renovação do tratado de Itaipu, que expirou em agosto do ano passado.

Valor Econômico

 

Orizon mira em biometano para elevar receitas em aterros

A Orizon Valorização de Resíduos planeja ampliar a transforação de seus aterros em ecoparques, uma espécie de hub de transformação de resíduos com centrais de reciclagem, captação de biogás, produção de combustível, planta de fertilizante e um aterro. Este modelo tem algumas linhas de negócios, como destinação correta de resíduos, economia circular e plantas de biogás e biometano. Desde que promoveu o seu IPO, em 2021, a companhia vem desenvolvendo outras aplicações para o lixo recebido, e aponta o gás natural renovável como o principal vetor de crescimento.

Valor Econômico

 

Lula reconhece divergência em tarifa de Itaipu e vai visitar o Paraguai para discutir o impasse

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta segunda-feira que pretende ir ao Paraguai para mais uma rodada de negociações com o presidente paraguaio, Santiago Peña, para tratar do impasse entre Brasil e Paraguai em torno da tarifa cobrada pela energia da usina hidrelétria Itaipu Binacional. Enquanto o Paraguai insiste no aumento da tarifa, o Brasil quer reduzir, ou manter o preço pago pela energia. Após reunião com Peña, Lula reconheceu a divergência e garantiu que “chegará a um consenso” com o governo paraguaio.

O Globo

 

Complexo eólico na Bahia terá maior financiamento da história do BNDES para energia renovável

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar R$ 3,2 bilhões de um novo complexo eólico no centro-norte da Bahia para a Ventos de Santos Antônio Comercializadora de Energia. Os recursos do crédito correspondem a 80% do projeto total e é o maior volume já financiado pelo BNDES para um empreendimento de geração renovável. Batizado como Babilônia Centro, o novo parque eólico será implantado nos municípios de Morro do Chapéu e Várzea Nova, com capacidade instalada de 553,5 megawatts (MW), volume suficiente para abastecer cerca de 1,37 milhão de domicílios a partir de outubro de 2025. 

O Estado de S.Paulo

 

Lula reconhece divergências nas tarifas de Itaipu e quer nova reunião com Paraguai

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicou nesta segunda-feira, 15, que a reunião com o presidente do Paraguai, Santiago Peña, ainda não foi suficiente para superar divergências entre os dois países sobre o uso da energia produzida em Itaipu. Os dois conversaram na sede do Ministério de Relações Exteriores, em Brasília, e depois falaram a jornalistas. Lula indicou que irá à capital paraguaia, Assunção, continuar a negociação. Os dois países precisam chegar a um acordo sobre os valores cobrados pela eletricidade gerada na usina — os paraguaios, que vendem seu excedente para o Brasil, buscam uma forma de aumentar a tarifa ou poder comercializar a energia com outros países ou empresas por valores mais altos.

O Estado de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 15/01/2024

Artigo: O insano do saneamento básico no Brasil

A autorização dada pela Assembleia Legislativa de São Paulo para privatizar a Sabesp e, mais do que isso, a oposição corporativista à iniciativa do governador Tarcísio de Freitas do Estado de São Paulo deveriam chamar  a atenção para a calamitosa administração de muitas empresas de saneamento que atuam Brasil afora. O marco legal do saneamento prevê que, até 2033, 99% da população  tenha acesso à água potável e 90% disponham de rede e de tratamento de esgoto. Em torno de 100 milhões de brasileiros vivem em condições precárias, onde não há esgotamento sanitário.

(  Celso Ming )

O Estado de S.Paulo

 

Projeto liderado pela Petrobras inicia medições de vento em alto-mar na região do pré-sal

A Petrobras, Shell Brasil, TotalEnergies, CNPC e CNOOC e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) iniciaram uma série de medições eólicas em alto-mar, na região do pré-sal, para verificar a viabilidade técnica de instalações eólicas na região. A pesquisa faz parte do Projeto Ventos de Libra, que conta com um investimento de R$ 8 milhões e é mencionada pela Petrobras como uma proposta promissora por ter a pretensão de avaliar o potencial de integração entre sistemas eólicos offshore e projetos de produção de petróleo na região do pré-sal.

O Estado de S.Paulo

 

Rio Energy Bay é selecionada para gerir hub de inovação ‘Porto Maravalley’

A Rio Energy Bay (REB), de Pedro Brito e Daniel Barros, assinou um memorando para assumir a operação do Hub de Inovação e Educação idealizado pela Prefeitura do Rio e que está no centro da proposta de transformar a zona portuária em um Porto Maravalley, versão carioca do Vale do Silício. A Rio Energy é um instituto sem fins lucrativos formado originalmente para gerir um programa de aceleração regional do Massachusetts Institute of Technology no Rio.  O instituto foi selecionado para gerir o Porto Maravalley em um consórcio formado por outras cinco entidades ligadas ao empreendedorismo: Bolder, Sai do Papel, MSW Capital, MIT Technology Review e Co.W Coworking Space.

O Globo

 

Petróleo sobe com força após ataques no Iêmen. Crise faz Tesla e Volvo paralisarem fábricas na Europa

Os ataques dos Estados Unidos e do Reino Unido no Iêmen fizeram como que as cotações do petróleo subissem com força na manhã desta sexta-feira. O barril do tipo Brent, referência global, subia 2,5% e, por volta das 6h30 de hoje, era cotado a US$ 79. Já o petróleo tipo Texas (WTI), referência nos EUA, avançava 3,26%, a US$ 74,37. Os bombardeios por drone tiveram como alvo posições dos rebeldes Houthi no Iêmen. O grupo, nas últimas semanas, realizou ataques no Mar Vermelho, prejudicando uma importante rota de navegação rumo ao Canal de Suez.

O Globo

 

Carros elétricos, baterias e energia verde: nova estratégia da China pode reacender guerra comercial

Enquanto o setor imobiliário da China se retrai, o novo modelo econômico traçado pelo presidente Xi Jinping para impulsionar o crescimento na próxima década aposta na indústria de alta tecnologia, com destaque para o que as autoridades chinesas chamam de os “novos três” motores do crescimento: veículos elétricos, baterias e energia renovável. A estratégia vem com o risco de iniciar uma nova onda de tensões comerciais mundo afora.

O Globo

 

Fórum Econômico se reúne em Davos sob sombra da crise climática e olhos na transição energética

O encontro anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, que reúne nos Alpes suíços governantes, empresários, acadêmicos, executivos, jornalistas e líderes sociais para debater os problemas do planeta, começa nesta segunda (15) com dois temas determinantes e interligados na agenda: a transição energética e a crise do clima. Os temas encabeçam os riscos e as preocupações apontados por especialistas em relatório publicado pelo fórum na semana passada. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve no evento em seu primeiro mandato, não participará do encontro. Nem o ministro Fernando Haddad (Fazenda), concentrado na agenda econômica que tenta passar no Congresso, irá desta vez.

Folha de S.Paulo

 

Desequilíbrio entre Santos Dumont e Galeão atinge pico em meio a investida do governo

A diferença entre o volume de passageiros domésticos no aeroporto Santos Dumont e no Galeão alcançou, em 2023, o maior patamar da série histórica, segundo análise da Folha feita com base em dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). O ápice da discrepância ocorreu enquanto o governo federal tenta redistribuir os viajantes dos dois terminais cariocas. Mesmo com operação internacional, o Galeão amargou esvaziamento em anos recentes.

Folha de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 11/01/2024

Lula sanciona lei que cria debêntures de infraestrutura

O presidente sancionou, sem vetos, nesta quarta-feira (10), o projeto de lei que cria debêntures de infraestrutura por concessionárias de serviços públicos. A proposta foi aprovada no Congresso no fim do ano passado e é vista pelo governo como uma forma para alavancar a captação de recursos privados para obras de longo prazo —o Novo PAC é uma das vitrines do governo Lula 3. Debêntures são títulos da dívida emitidos por empresas —neste caso concessionárias de serviços públicos—, negociáveis no mercado e disponíveis para compra de pessoas físicas ou jurídicas.

Folha de S.Paulo

 

‘O Brasil caminha para um superciclo de investimentos em infraestrutura’, diz presidente da CCR

O Brasil vai entrar em um superciclo de investimentos em infraestrutura, segundo o CEO do grupo CCR, o português Miguel Setas. E isso, para a concessionária de serviços de infraestrutura de transportes, se traduzirá em oportunidades de R$ 180 bilhões em negócios pelos próximos três anos, principalmente nos segmentos de rodovias e mobilidade urbana. Pela frente, estão mais concessões de rodovias acontecendo, que devem ser destravadas em relação a 2023, quando as poucas licitações do setor não atraíram muitos interessados.

O Estado de S.Paulo

 

Ministério prevê R$ 122 bilhões com leilões de rodovias

O Ministério dos Transportes planeja 13 leilões de concessão de rodovias à iniciativa privada em 2024. O ministro Renan Filho (MDB) anunciou ontem que as obras trarão investimento de R$ 122 bilhões para o setor nos próximos anos, se garantido o sucesso da contratação. Os 13 leilões anunciados fazem parte do plano maior de ofertar o total de 35 concessões ao longo dos quatro anos de mandato do governo Lula 3.

Valor Econômico

 

Governo cogita aporte bilionário para Ferrogrão

O governo não descarta fazer um aporte bilionário de recurso público para atrair investidores privados para a Ferrogrão, megaprojeto ferroviário proposto para escoar a produção agrícola do Centro-Oeste pelos portos do Norte. O ministro Renan Filho explicou que, antes, isso não era possível, mas a legislação atual permite. Durante o balanço de ações, Renan Filho chegou a dar o exemplo de que o governo poderia destinar R$ 5 bilhões enquanto a iniciativa privada se encarrega de aplicar valores da ordem de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões.

Valor Econômico

 

BNDES dobra crédito para indústria em 2023 e atinge pico desde 2014

O BNDES dobrou a aprovação de crédito para a indústria em 2023, em relação ao ano anterior. O volume liberado em operações diretas somou R$ 26 bilhões – o maior patamar desde 2014, mas bem abaixo do valor aprovado naquele ano, de R$ 48 bilhões. “Os números mostram a volta do BNDES à agenda industrial. O banco é um ator chave da política de neoindutrialização, que é prioridade no governo”, diz José Luis Gordon, diretor de desenvolvimento produtivo, inovação e comércio exterior do banco.

Valor Econômico

 

Leilões de transmissão podem atingir R$ 56 bi

Os investimentos em novas linhas de transmissão podem atingir R$ 56,2 bilhões nos próximos anos. As estimativas estão no Programa de Expansão da Transmissão (PET) e no Plano de Expansão de Longo Prazo (PELP) relativo ao segundo semestre de 2023, conforme estudos da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Desse total, R$ 24,7 bilhões são investimentos  em ativos que serão negociados nos dois leilões de linhas de transmissão previstos para este ano, que ocorrem em março e setembro.

Valor Econômico

 

FT: Portugal adota ‘baterias de água’ para armazenamento de energia renovável

O cilindro de metal de 230 toneladas emite um zunido retumbante enquanto gira a 600 rotações por minuto e alimenta uma bomba enterrada no subsolo, que dá um novo significado à ideia de ir contra a lei da gravidade. Longe de ser impossível, trata-se do cerne da tarefa de uma central elétrica portuguesa determinada a demonstrar que bombear água por sete quilômetros montanha acima pode ser uma parte essencial – e comercialmente viável — de um sistema de energia alimentado por fontes renováveis.

Valor Econômico

 

Nunes classifica Enel como “irresponsável” e diz que empresa precisa sair da cidade de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), criticou nesta quarta-feira (10) a Enel como “irresponsável”, classificou o presidente da empresa, Max Xavier Lins, como mentiroso, e disse que a empresa precisa sair da cidade, depois que moradores de diversos bairros da capital paulista ficaram novamente sem energia elétrica. Em algumas regiões, há relatos de falta de luz por mais de 20 horas. Hoje, Nunes estava em um evento que teve de ser cancelado por falta de energia elétrica. “Essa empresa [Enel] precisa sair daqui”, disse Nunes. “O presidente mundial da Enel na semana passada me pediu uma reunião. Estou resistindo a fazer [a reunião] porque não tem mais o que conversar. São irresponsáveis. Falo isso com todas as letras: irresponsáveis”, disse o prefeito à imprensa.

Valor Econômico

 

Governo quer 13 leilões de rodovias em 2024 e prevê R$ 122 bilhões em investimentos

O governo pretende promover 13 leilões de estradas em 2024, com previsão de R$ 122 bilhões em investimentos privados, disse nesta quarta-feira o ministro dos Transportes, Renan Filho. As estradas estão localizadas em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Rondônia. Renan informou ainda que o governo pretende atulizar 14 contratos de rodovias que hoje estão com problemas, com investimento adicional de R$ 110 bilhões.

O Globo

 

Plástico reutilizável pode reduzir lixo que vai para os oceanos em 20% ao ano, aponta relatório

A reciclagem de plástico costuma ser apontada como um dos melhores caminhos para reduzir a quantidade de lixo produzida pelas empresas, e pode ser uma alternativa para a economia circular. Contudo, uma opção melhor para o meio ambiente seria a redução na produção de plásticos de uso único, permitindo que os itens possam ser reutilizados após serem devidamente higienizados, aponta relatório da Fundação Ellen MacArthur. Segundo a publicação, substituir o uso de plástico descartável por modelos passíveis de reúso pode reduzir mais de 20% do total de plásticos que acabam anualmente jogados nos oceanos até 2040. 

O Estado de S.Paulo

 

Notícias do Dia – 15/12/2023

Copel vende térmica a gás para Âmbar por R$ 320,7 milhões

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) vendeu sua participação na termelétrica a gás natural Araucária (Uega) para a Âmbar Energia, empresa de energia do grupo J&F, por R$ 320,7 milhões. A Copel detinha 81,2% da usina e a Petrobras tem os outros 18,8%. Num primeiro momento, a petroleira não aderiu ao negócio, mas ela tem até 26 de fevereiro para derir aos termos da oferta. A alienação da usina faz parte do plano de desinvestimento da Copel, que busca descarbonizar a sua matriz de geração. O negócio permitirá ainda que a antiga estatal concentre esforços no segmento de distribuição de energia, principal negócio, e em ativos de geração renovável.

Valor Econômico

 

Megaleilão de transmissão de energia marcado para hoje prevê investimentos de R$ 21,7 bi em 5 estados

Com investimentos previstos de R$ 21,7 bilhões, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realiza nesta sexta-feira, na B3, em São Paulo, o segundo leilão de transmissão deste ano. Trata-se do maior conjunto de ativos já licitados no país exigindo também o maior volume de investimentos já demandado no segmento de transmissão. O prazo de concessão é de 30 anos. Serão oferecidos três lotes de linhas que preveem a construção de 9 empreendimentos em cinco estados – Goiás, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins. Os prazos de construção variam entre 60 e 72 meses, e a expectativa é de geração de 36,9 mil empregos.

O Globo

 

Artigo: Eletrobras negocia perdão com investidor para retomar venda na Isa Cteep em 2024

A Eletrobras está negociando um perdão junto a investidores, o chamado “waiver” no jargão de mercado, para poder retomar os planos de vender a fatia de 35,85% que detém na ISA Cteep, transmissora de energia controlada pela colombiana ISA, apurou o Broadcast. Sem esse mecanismo, a companhia só pode vender ao ano o equivalente a 2% de seu patrimônio líquido, ou corre o risco de ver decretado o vencimento antecipado automático de bilhões de reais em debêntures. O desinvestimento na Isa Cteep seria feito por meio de uma oferta secundária de ações, conhecida como “follow on”, que poderia movimentar cerca de R$ 5 bilhões, caso toda a fatia fosse vendida. A operação foi cancelada menos de uma semana após ser anunciada, no fim de outubro, envolvendo somente as ações preferenciais. A Eletrobras detém 52,48% das ações PN, mais líquidas, além de 9,73% das ON.

( Aline Bronzati, Altamiro Silva Junior e Luciana Collet )

O Estado de S.Paulo

 

Sabesp: oposição a Tarcísio protocola ação contra projeto que prevê privatização da empresa

A oposição ao governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), cumprindo sua promessa, protocolou no Tribunal de Justiça do Estado uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o projeto de lei (PL) que prevê a privatização da Sabesp. A oposição fala em “violação do devido processo legislativo” e questiona os argumentos do governo a favor da privatização. “Faz-se necessária a imediata concessão de tutela de urgência em caráter liminar, a fim de suspender a eficácia da lei impugnada”, pede a ação, solicitada pelo diretório estadual do PT e requerida em nome do advogado Roberto de Souza Campos Cosso.

O Estado de S.Paulo

 

‘Jabutis’ incluídos em projeto das eólicas em alto-mar devem aumentar tarifa de energia em 11%

Um estudo da consultoria de energia PSR aponta que os “jabutis” colocados no projeto de lei das eólicas offshore (11.247/2018) terão um impacto direto ao consumidor de R$ 25 bilhões ao ano até 2050. Segundo a consultoria, isso vai representar um aumento total de 11% na tarifa de energia. Jabuti é um jargão usado para se referir a trechos incluídos em propostas legislativas que não têm relação com o conteúdo principal. O estudo foi encomendado pelo Movimento Transição Energética Justa, que reúne oito entidades setoriais, entre as quais as associações de comercializadores, distribuidores e consumidores de energia (Abraceel, Abradee, Anace e Abrace).

O Estado de S.Paulo

 

Ministro cobra participação da Eletrobras no maior leilão de transmissão da história

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD-MG), cobrou a participação da Eletrobras privatizada no maior leilão de linhas de transmissão de energia da história, marcado para esta sexta (15), na B3. “Ela precisa entender a dimensão desse projeto para o governo. Tem de participar porque tem musculatura”, disse Silveira ao Painel S.A. Mesmo assim, o governo avalia que, dada a dimensão do projeto, o grupo chinês State Grid é o mais cotado para levar a concessão.

Folha de S.Paulo

 

Jabutis no PL das eólicas em alto-mar elevam conta de luz em 11%

A tarifa de energia dos brasileiros vai aumentar 11%, de uma vez só, caso o Senado aprove o PL (Projeto de Lei) das eólicas em alto-mar sem retirar as emendas que desvirtuaram a proposta. O baque tarifário ainda teria o efeito de elevar inflação, reduzir poder de compra das famílias e comprometer a competitividade dos produtos da indústria brasileira. Os jabutis, como são chamadas no jargão político as alterações sem associação com a medida original, vão agregar um sobrecarga de R$ 658 bilhões, até 2050, no custo da energia para os consumidores.

Folha de S.Paulo

 

BNDES assina contrato com Minas para modelar concessão de até 2.400 km de rodovias

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social) anunciou nesta quinta-feira (14) a assinatura de um contrato com o Governo de Minas Gerais para a realização de estudos técnicos e a estruturação da concessão de um novo conjunto de trechos de rodovias no estado. Esses trechos, diz o banco, somam até 2.400 km. As estradas incluídas no projeto estão localizadas nas regiões do vetor norte, da Zona da Mata e do noroeste mineiro. Os trechos fazem parte da terceira rodada do programa de concessão de rodovias do estado.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 11/12/2023

Ondas de calor devem elevar tarifas, mas com impacto limitado

Ondas de calor que eventualmente atinjam o país nos próximos meses, no verão, quando ocorre o chamado período úmido, podem causar impacto sobre as contas de energia elétrica dos consumidores, especialmente aqueles que estão no mercado livre, em que se permite a escolha do fornecedor da eletricidade. O impacto deve ser limitado, avaliam especialistas, mas, caso as chuvas esperadas para o período não se concretizem, o acionamento de térmicas deve ser um dos efeitos mais imediatos, com os consequentes reflexos mais expressivos nas tarifas.

Valor Econômico

 

Brookfield vai investir R$ 1,2 bilhão em geração distribuída

A Brookfield vai investir R$ 1,2 bilhão na formação de um parque gerador de 300 megawatts-pico (MWp) de capacidade solar em 12 meses. A estreia da gestora canadense em geração distribuída (GD), que é gerada próxima ao local de consumo, se deu com a aquisição do controle da IVI Energia, por valor não informado, e continua agora com a construção das  futuras usinas. Os recursos aportados no projeto fazem parte do Brookfield Global Transition Fund (BGTF), fundo que captou US$ 15 bilhões no maior capital privado já levantado para apoiar a transição energética no mundo.

Valor Econômico

 

Divisão da Energisa dará início ao negócio de biometano do grupo

Braço de soluções da Energisa, a (re)energisa está se preparando para o início do novo negócio, de biometano, cujo pontapé foi dado em agosto com a aquisição da empresa de biofertilizantes Agric, com operações em Santa Catarina, por R$ 60 milhões. A empresa pretende colocar em operação uma usina localizada em Campos Novos com capacidade de processar 25 mil metros cúbicos por dia (m3 /dia) de biometano, de olho no grande potencial de negócios com a fonte. A Agric tem como operação principal a compostagem de resíduos orgânicos para a produção de biofertilizante.

Valor Econômico

 

Privatização da Sabesp deve atrair investidores e operadoras do setor

O mercado de capitais no Brasil deve continuar com poucas oportunidades de negócios no primeiro semestre de 2024, por isso a venda da Sabesp pode atrair gestoras e até operadoras do setor, em parceria com fundos de investimento, afirmam analistas. Entre as gestoras de investimento que aplicam recursos em infraestrutura citadas como possíveis interessadas, estão Pátria, Vinci Partners e Brookfield. A IG4 Capital e o Mubadala também estariam entre os interessados. Entre os estrangeiros que já atuam no Brasil especula-se sobre a participação do GIC, o fundo soberano de Cingapura, e o Canada Pension Plan (CPP).

O Globo

 

Gastos dos EUA com energia limpa e tecnologia estimulam corrida global por subsídios

Os Estados Unidos embarcaram no maior impulso de política industrial em gerações, oferecendo isenções fiscais, subsídios e outros incentivos financeiros para atrair novas fábricas de painéis solares, semicondutores e veículos elétricos. Esses gastos têm o objetivo de impulsionar o mercado doméstico de produtos essenciais, mas têm implicações muito além dos Estados Unidos. Isso está pressionando os governos da Europa ao Leste Asiático a tentar acompanhar o ritmo, propondo seus próprios planos de investimento, dando início ao que alguns estão chamando de corrida global por subsídios.

O Estado de S.Paulo

 

Artigo: Setor elétrico pode estar em espiral da morte

A legislação e a regulação do setor elétrico andam a passos lentos, e a necessidade de avanços e de pensar fora da caixa aumenta a cada novo governo. A matriz elétrica nacional está ganhando cada vez mais novos contornos e o sistema regulatório não acompanha as urgências de mudança do setor. As regras do setor elétrico nacional se estabeleceram com base nas redes de energia centralizadas. No entanto, nos últimos anos, a queda dos custos nas tecnologias da geração distribuída ampliou significativamente o acesso dos consumidores, em particular os de renda mais alta.

O Estado de S.Paulo

 

Lula libera empresa de Joesley a comprar energia da Venezuela, e Brasil pagará mais caro

Já é oficial. Quem vai importar a energia elétrica da Venezuela para reforçar o abastecimento de Roraima é a comercializadora da Âmbar, braço de energia da J&F Investimentos, dos empresários Joesley e Wesley Batista, que também controla a JBS, maior empresa de carnes do mundo. A Âmbar sugeriu, e o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aceitou, que o consumidor pague de R$ 900 a R$ 1.080 pelo MWh (megawatt-hora), a depender do montante importado. Os preços são bem superiores aos cobrados pela Venezuela de 2001 até 2019, quando o governo Jair Bolsonaro (PL) suspendeu o fornecimento faltando dois anos para o encerramento do contrato.

Folha de S.Paulo

 

Pagamento de compensação ambiental por bloco da Petrobras na Foz do Amazonas se arrasta há 9 anos

A Petrobras protela o pagamento de uma compensação ambiental por tentativa de exploração de petróleo na bacia Foz do Amazonas, mais especificamente em um bloco onde um acidente resultou em danos em equipamentos e em vazamento de óleo hidráulico. O processo já se arrasta há nove anos. O bloco está próximo do atual poço que a estatal quer explorar a partir de 2024, na mesma bacia Foz do Amazonas. A Petrobras e o governo Lula (PT) vêm pressionando o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para concessão de licença ao empreendimento. A licença para o chamado bloco 59 foi inicialmente negada em maio, e a estatal recorre.

Folha de S.Paulo

 

ONS aumenta previsão e diz que carga de energia subirá 11,1% em dezembro no Brasil

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) elevou sua previsão para a carga nacional de energia em dezembro, passando a estimar agora um crescimento de 11,1% frente a igual mês de 2022, ante 9,5% previstos há uma semana, segundo boletim divulgado nesta sexta-feira (8). O órgão fez um ajuste importante de sua estimativa de chuvas que chegarão a reservatórios de usinas hidrelétricas do Sul, prevendo agora afluências equivalentes a 231% da média histórica em dezembro, ante 187% esperadas há uma semana.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 08/12/2023

ABDIB NA IMPRENSA : Investimento em infraestrutura cresce 20% em 2023, puxado por setor público e privado

Os investimentos em infraestrutura deverão crescer 19,6% em 2023. A alta reflete tanto a retomada expressiva dos aportes públicos, quanto um volume recorde de recursos privados destinados a concessões e PPPs no país. Os dados, obtidos em primeira mão pelo Valor, são do Livro Azul da Infraestrutura, publicação anual da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base). O total de investimentos – que incluem os setores de transportes, energia elétrica, saneamento básico e telecomunicações – deverá encerrar o ano em R$ 213,4 bilhões, chegando próximo ao pico vivido em 2014. Nos últimos anos, o país registrou uma queda brusca nos valores, em meio à crise econômica e aos cortes de gastos dos governos. 

Valor Econômico

Valor Econômico  ( inglês)

 

Privatização da Sabesp deve atrair grandes fundos, mas mercado aguarda definições

A privatização da Sabesp deverá atrair grandes gestoras de investimento, em especial as que já têm familiaridade com o mercado brasileiro, avaliam atores do setor de infraestrutura. Grupos que entraram na privatização da Eletrobras ou estudaram o processo a fundo estão entre os prováveis interessados – como o GIC, fundo soberano de Cingapura, o Canada Pension Plan (CPP) e a 3G Radar. Outros potenciais investidores citados são gestoras do país com atuação em infraestrutura, como Pátria e IG4 Capital. 

Valor Econômico

 

Modelo da oferta deve ser definido até fevereiro

O governo de São Paulo deverá fechar até o início de fevereiro as principais definições sobre a privatização da Sabesp: qual será a participação do Estado na empresa, de quanto será a redução na tarifa, além dos detalhes sobre a operação. O objetivo é realizar a oferta subsequente de ações (“follow on”) entre maio e julho, segundo Natália Resende, secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística. A ideia do governo é concluir a privatização até meados de julho de 2024. A gestão do governador do Estado, Tarcísio de Freitas (Republicanos), conseguiu aprovar na quarta-feira (6), na Assembleia Legislativa, o projeto de lei que autoriza a privatização.

Valor Econômico

 

Invepar vende CLN

A Invepar vendeu sua participação de 93% na Concessionária Litoral Norte (CLN), rodovia localizada na Bahia. A transação foi de R$ 200 milhões, segundo apurou o Pipeline, site de Negócios do Valor. O dinheiro será usado para amortizar parte da dívida de R$ 900 milhões do grupo com o fundo Mubadala.

Valor Econômico

 

Taesa anuncia fusão

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) firmou protocolo para incorporar suas controladas ATE III, Sant’Ana e Saíra para ganhar sinergia, com a simplificação da estrutura. A fusão ainda deverá ser submetida à deliberação da assembleia geral da companhia, convocada para 29 de dezembro.

Valor Econômico

 

Privatização da Sabesp: saiba os próximos passos e o que pode mudar para os clientes da empresa

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou nesta quarta-feira, com 62 votos favoráveis, o Projeto de Lei (PL) que autoriza o governo de São Paulo a privatizar a Sabesp. Porém, para que a empresa seja de fato desestatizada, ainda há um caminho importante a ser percorrido. Pelos planos do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), a oferta pública de ações na Bolsa de Valores deve ocorrer apenas em meados do ano que vem. A sessão que deu aval à venda da Sabesp foi marcada por confronto entre policiais militares e manifestantes contrários à desestatização. 

O Globo

 

Energias renováveis têm sido incapazes de competir com apetite global por combustíveis fósseis

O último ano foi repleto de notícias sobre energia que parecem animadoras. O mundo já instalou mais de 1 terawatt de capacidade de painéis solares — o suficiente para abastecer toda a União Europeia. As compras de veículos elétricos estão aumentando: mais de 1 milhão de veículos foram vendidos nos Estados Unidos neste ano, com uma estimativa de 14 milhões vendidos em todo o mundo. E, observando o rápido crescimento da energia eólica, das baterias e de tecnologias como bombas de calor, é possível pensar que a luta contra a mudança climática pode estar indo bem.

O Estado de S.Paulo

 

Sabesp: privatização tem bases sólidas e risco de Justiça barrá-la é baixo, dizem especialistas

A probabilidade de a Justiça derrubar a privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), até o momento, é baixa, segundo especialistas na área. Mesmo antes da aprovação pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) do projeto de lei que autoriza o governo paulista a dar andamento aos planos de desestatização, na quarta-feira, 6, partidos da oposição ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), recorreram ao Judiciário para tentar obstruir o processo. Parlamentares de esquerda prometeram, no curso dos debates, levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF) e questionar a privatização nas câmaras municipais de cidades com contratos com a Sabesp. O governo paulista diz confiar que os planos da oposição serão frustrados.

O Estado de S.Paulo

 

Pressão do Bandeirantes, emendas e suspense de aliados marcam vitória de Tarcísio na Sabesp

Considerada prioridade máxima para o governo Tarcísio de Freitas (Republicanos), a privatização da Sabesp (Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo) teve articulação intensa do Palácio dos Bandeirantes, suspense de deputados até a reta final e acusações de promessas de emendas milionárias. Na avaliação de parlamentares ouvidos pela reportagem, foi o que ajudou a garantir a vitória esmagadora do projeto, aprovado com 62 votos, muito acima das expectativas mais otimistas dos deputados, que duvidaram da força do governador.

Folha de S.Paulo

Artigo: ‘Jabutis’ no marco legal elétrico e a mão visível do patrimonialismo

Na semana passada, a Câmara aprovou o marco legal das usinas eólicas offshore (PL 11.247/2018), com “jabutis” que podem custar R$ 40 bilhões ao ano na conta de luz. O valor médio por família pode passar de R$ 60 por mês. O prenúncio de nova fonte de aumento de preços das tarifas de eletricidade assusta. No acumulado de 12 meses em outubro de 2023, o brasileiro enfrentou, na média, uma inflação de energia elétrica de 8,59% enquanto o índice de preços (IPCA) avançou 4,82%. Apenas em 2021, o preço médio da energia elétrica residencial acumulou alta de 121,21%, ou seja, 12 vezes o IPCA (10,06%). 

( André Roncaglia )

Folha de S.Paulo

 

Maior leilão de transmissão de energia do Brasil deve ter disputa limitada a grandes grupos

O megaleilão de transmissão de energia do Brasil marcado para a próxima semana deve destoar dos últimos certames e atrair uma quantidade restrita de concorrentes, limitando a disputa a um pequeno grupo de empresas e investidores com fôlego financeiro e expertise tecnológica, avaliam especialistas e executivos. A chinesa State Grid e a Eletrobras têm sido apontadas por pessoas que acompanham o leilão como as favoritas para a disputar o principal lote oferecido, um bipolo que sozinho demandará R$ 18 bilhões em investimentos.

Folha de S.Paulo

 

TCU libera registro pela Petrobras de reforma no estatuto sobre indicações políticas

O TCU (Tribunal de Contas da União) revogou medida cautelar que impedia o registro de determinadas alterações no estatuto da Petrobras, realizadas em reforma do texto que flexibilizou a possibilidade de indicações de políticos para membros da alta cúpula. O TCU havia impedido o registro de trecho a ser incluído no estatuto, até que terminasse de julgar denúncia de irregularidades. A reforma das regras ocorreu na semana passada em assembleia de acionistas, como forma de fazer valer uma decisão liminar do então ministro do STF Ricardo Lewandowski, de março deste ano.

Folha de S.Paulo

Notícias do Dia – 04/12/2023

Hitachi fora do leilão

A Hitachi Energy optou por não participar como fornecedora de equipamentos no leilão de transmissão marcado para 15 de dezembro. A decisão foi influenciada pela escolha de uma tecnologia mais antiga para os projetos, conhecida como LCC. Além disso, faltam recursos humanos para fazer propostas dentro do prazo. O certame vai licitar R$ 22 bilhões para construção e manutenção de quase de 4.500 km de linhas.

Valor Econômico

 

Quatro aeroportos brasileiros estão entre os 10 melhores do mundo; confira o ranking

Quatro aeroportos brasileiros estão entre os 10 melhores aeroportos do mundo, segundo o Ranking Global de Aeroportos 2022 da AirHelp, empresa que presta serviços jurídicos para passageiros. O Aeroporto Internacional de Recife, o de Brasília, o de Belém e o de Belo Horizonte são os representantes brasileiros entre os dez primeiros colocados. O ranking é baseado na experiência dos passageiros e avalia pontualidade, opinião dos clientes e oferta de lojas e alimentação. Para isso, a empresa entrevistou milhares de passageiros sobre os funcionários do aeroporto, tempo de espera e limpeza, além de suas avaliações sobre as lojas e restaurantes.

O Estado de S.Paulo

 

J&F compra empresa recém lançada de óleo e gás com foco em América Latina

O Grupo J&F, dos empresários Joesley e Wesley Batista, comprou a empresa de exploração e produção de petróleo e gás Fluxus, que acabou de formalizar acordo para adquirir ativos em produção na Argentina. Será mantida a estrutura da Fluxus, com o fundador, o geólogo Ricardo Savini, agora como diretor-presidente. Savini, que fundou e presidiu a 3R Petroleum, é figura respeitada no setor. Segundo comunicado, a empresa será a “plataforma de investimentos” do J&F nos setores de óleo e gás na América Latina.

O Estado de S.Paulo

 

Petrobras sob Lula 3 volta ao passado com reestatização, expansão e abertura a indicações políticas

Uma sequência de episódios ocorridos nas últimas semanas colocou a Petrobras em evidência ainda maior neste novo governo Lula. Entre eles estão as decisões do novo plano de investimentos para o período 2024-2028; a retomada da refinaria Lubnor – que já tinha venda acertada no ano passado –; o pedido ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para revisar os acordos para vendas de mais refinarias e de ativos de gás natural e, por fim, uma mudança no estatuto vista pelo mercado como uma abertura para mais indicações políticas.

O Estado de S.Paulo

 

Hidrogênio verde, biocombustíveis e captura de carbono são negligenciadas, diz CEO da ExxonMobil

O presidente da gigante petroleira ExxonMobil, Darren Woods, criticou o foco das negociações sobre as mudanças climáticas na COP-28 em relação à transição energética estarem atreladas apenas às “soluções elétricas”. Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, o executivo afirmou que as discussões sobre o tema têm negligenciado as possibilidades em torno dos biocombustíveis, do hidrogênio e sobre as tecnologias de captura de carbono. O executivo da petroquímica participará pela primeira vez da Cúpula do Clima da ONU (COP-28), realizada este ano em Dubai, nos Emirados Árabes, junto de nomes como o rei Charles, o papa Francisco e membros da comunidade internacional que buscam soluções para os avanços do aquecimento global.

O Estado de S.Paulo

 

Subsídio a energia fóssil no Brasil cresceu 20% com desoneração de combustíveis em 2022

O valor dos subsídios dados a produção e consumo de energias fósseis no Brasil subiu 20% em 2022, impulsionado pela redução dos impostos sobre os combustíveis em meio à disparada dos preços do petróleo após o início da Guerra da Ucrânia. Segundo o Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos), os R$ 80,9 bilhões em incentivos aos fósseis no ano passado representam mais de cinco vezes o montante gasto por governos e consumidores para incentivar as fontes de energias renováveis. O levantamento foi divulgado, na madrugada desta segunda-feira (4), em meio à COP28, conferência da ONU sobre mudanças climáticas.

Folha de S.Paulo

 

Artigo: São Paulo tem mais de 600 mil pessoas vivendo em meio ao esgoto e sem saneamento

O esgoto é jogado direto no rio, que na primeira chuva mais forte invade a casa com sua água cinza, estragando os móveis e espalhando doenças. O cheiro forte e azedo é onipresente, e a visita de ratos, praticamente diária. Assim é a vida de Maria Auxiliadora, 62. Para ela e outras milhares de famílias, isso é viver em São Paulo. Na cidade mais rica do Brasil, comunidades inteiras ainda residem em meio ao esgoto. Excluídas de serviços básicos, pessoas como Maria Auxiliadora escancaram as contradições da capital, que aparece em sétimo lugar no ranking nacional do saneamento, enquanto deixa pelo menos 660 mil pessoas sem esgotamento sanitário —mais que toda a população de Florianópolis.

( Thiago Bethônico )

Folha de S.Paulo

 

Após privatização da Sabesp, saneamento deve focar concessões e PPPs em municípios

A venda da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), capitaneada pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), deve encerrar a curto prazo o ciclo das grandes privatizações de saneamento no país, iniciado com a Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgoto), no Rio de Janeiro, em 2021. Nos próximos anos, as operações devem ser dominadas pelas concessões feitas por municípios ou por leilões de grupos de cidades.

Folha de S.Paulo

 

Na COP28, Brasil e mais 115 países preveem triplicar energias renováveis até 2030

O presidente da COP28, conferência do clima da ONU, Sultan al-Jaber, anunciou neste sábado (2) um conjunto de promessas para investimentos em energia renovável. O principal compromisso, apoiado por 116 países, é a previsão de triplicar a capacidade instalada de energias renováveis no mundo até 2030, alcançando cerca de 11 mil gigawatts. Além disso, os países prometem dobrar a eficiência energética no mesmo período, com melhorias de 2% a 4% ao ano.

Folha de S.Paulo