LeftRight

Tag : produção


Dona das maiores reservas de petróleo do mundo ­ estimadas em 300 bilhões de barris ­ a Venezuela vê a sua produção petroleira diminuir, o que ameaça a já crítica situação econômica do país e complica a situação política do presidente Nicolás Maduro.

 

Fonte: Valor Econômico

A produção nacional de petróleo caiu 1,6% em janeiro, na comparação com dezembro, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Ao todo, foram produzidos, em média, 2,687 milhões de barris diários no mês, o que representa crescimento de 14,2% em relação a janeiro de 2016. A produção de gás natural totalizou 109,9 milhões de metros cúbicos diários em janeiro, queda de 1,6% em relação a dezembro. Na comparação anual, houve aumento de 13,1%.

 

Fonte: Valor Econômico

A produção de minério, principal produto da Vale, atingiu volume recorde de 348,8 milhões de toneladas em 2016, alta de 0,9% sobre 2015. O número ficou perto do teto da meta fixada para o ano passado, de 350 milhões de toneladas. Para 2017, a Vale reafirmou um intervalo entre 360 milhões e 380 milhões de toneladas de minério. E confirmou que, a partir do fim de 2018, deverá produzir 400 milhões de toneladas anuais da commodity.

 

Fonte: Valor Econômico

A Petrobras produziu no mês passado, no Brasil, 2,23 milhões de barris de petróleo por dia, um volume 3% menor que a produção de dezembro. Em comunicado enviado ao mercado, a estatal explicou que essa queda foi causada, principalmente, pela parada programada na plataforma P­40, no campo de Marlim Sul, na Bacia de Campos, e à manutenção em um dos poços produtores interligados ao FPSO Cidade de Anchieta, no Parque das Baleias, também na Bacia de Campos.

 

Fonte: Valor Econômico

Puxada pelos projetos do pré-sal, a produção nacional de petróleo cresceu 2,9% em 2016, segundo dados divulgados ontem pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Ao todo, foram produzidos, em média, 2,509 milhões de barris diários no ano passado, patamar recorde registrado no país.

 

Fonte: Valor Econômico

Com o recorde mensal de produção nacional de petróleo, de 2,301 milhões de barris/dia, divulgado ontem, a Petrobras alcançou a meta de produção média em 2016, de 2,14 milhões de barris diários, pelo segundo ano consecutivo, após 13 anos de insucessos no cumprimento do objetivo.

 

Fonte: Valor Econômico

A produção de petróleo no Brasil em outubro foi de 2,624 milhões de barris por dia em outubro, 1,8% menor que em setembro, mas 9% maior que em outubro do ano passado, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

 

Fonte: Valor Econômico

As ações da Petrobras lideraram o ranking de maiores de valorizações do Ibovespa nesta quarta-feira (30), com ganhos de mais de 10% nos papéis ordinários. Os preferenciais subiram acima de 9%. A valorização foi uma reação à disparada do petróleo no mercado internacional, depois que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) fechou o primeiro acordo para corte da produçãodesde 2008.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Na próxima reunião da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), marcada para semana que vem, a Arábia Saudita vai apoiar o maior cortes possível na produção, segundo fontes a par do plano. O país também pedirá a produtores de fora do grupo que ajudem a eliminar quase 2% da oferta mundial do combustível.

 

Fonte: Valor Econômico

A produção de petróleo e gás ficou em 2,87 milhões de barris de óleo equivalente por dia, na média do terceiro trimestre, alta de 2,3% em relação ao segundo trimestre e de 2,5% ante o terceiro trimestre de 2015.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

A produção de petróleo do país em agosto alcançou recorde de 2,609 milhões de barris diários, superando em 1,1% a marca anterior (2,581 milhões de barris diários), atingida em julho, de acordo com dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Na comparação com agosto de 2015, a produção cresceu 2,4%.

 

Fonte: Valor Econômico

O acordo preliminar da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir suas metas de produção é a melhor notícia que os produtores de petróleo mundiais tiveram em todo o ano. Quando os ministros do cartel de petróleo anunciaram em Argel na noite de quarta-­feira que haviam acertado cortar as metas para um nível inferior à produção atual, eles sinalizaram estar preparados para fazer sacrifícios para aliviar a situação de excesso de oferta, algo que vai ajudar todos os produtores. Implicitamente, também admitiram a possibilidade de abrir lacunas nos mercados petrolíferos mundiais que podem ser preenchidas por outros.

 

Fonte: Valor Econômico

Os países que integram o cartel, que responde por 40% do petróleo global, terão uma produção conjunta entre 32,5 milhões e 33 milhões de barris por dia, contra os atuais 33,24 milhões de bpd. A notícia fez os preços da commodity saltarem mais de 5% e puxou as Bolsas mundiais.

 

Fonte: O Globo

As empresas de petróleo devem priorizar a produção em campos nos Estados de São Paulo e Espírito Santo, dadas algumas incertezas regulamentárias no Rio de Janeiro, segundo o IBP (instituto brasileiro de petróleo). “Apareceram novas taxas no Rio, como o ICMS na boca do poço e a revisão no preço de cálculo de royalties”, afirma Antônio Guimarães, secretário-executivo do IBP.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

O novo plano de negócios da Petrobras indica que a companhia pretende manter em baixa os investimentos em exploração e que a recuperação do setor, nos próximos anos, dependerá essencialmente das demais petroleiras. Principal responsável pelas atividades exploratórias no país, a estatal prevê investir, em média, US$ 1,3 bilhão ao ano no segmento até 2021­ – corte de US$ 1 bilhão em relação ao investido pela empresa no já minguado 2015.

 

Fonte: Valor Econômico