LeftRight

Tag : obras


O governo federal pretende anunciar, em maio, R$ 1 bilhão para obras de saneamento básico, drenagem e pavimentação. Cifras bilionárias à disposição dos municípios, no entanto, não são suficientes para resolver os atrasos históricos nessa área. Centenas de obras contratadas há dez anos, durante a primeira fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), foram abandonadas ou nem começaram a ser feitas. Levando-se em conta apenas os projetos do PAC 2, a partir de 2015, 27% ficaram prontos, enquanto 14% não começaram.

 

Fonte: O Globo


A Petrobras se prepara para concluir o primeiro trem da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. A estatal contratou a empreiteira nacional Qualiman Engenharia e Montagens e assinou esta semana uma ordem de serviço para retomada das obras de construção da unidade de abatimento de emissões (SNOX), que permitirá que a primeira fase do projeto opere a plena carga.

 

Fonte: Valor Econômico

À espera da divulgação do balanço do quarto trimestre de 2016 da Petrobras, prevista para hoje após o fechamento da bolsa, analistas de bancos que acompanham a petroleira estimam que a companhia volte a apresentar um balanço trimestral positivo. A média das projeções de seis bancos consultados pelo Valor indica que os analistas esperam um lucro líquido de R$ 3,095 bilhões no quarto trimestre, mas insuficiente para compensar as perdas acumuladas no ano.

 

Fonte: Valor Econômico

. Os créditos precisam de novo aval da diretoria do banco de fomento, mesmo de linhas anteriormente aprovadas. Na quinta-­feira, um time do alto escalão da Odebrecht esteve na sede do BNDES disposto a definir o futuro das linhas de exportação. Da conversa, conforme fontes que acompanham o caso, saíram respostas animadoras à empresa.

 

Fonte: Valor Econômico

O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, apresentou ontem balanço parcial das 1.600 obras que estavam paradas em novembro, orçadas entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões, e que seriam retomadas e concluídas até o fim de 2018. Como antecipado na noite de segunda-feira no site do GLOBO, 436 obras foram retomadas até 31 de dezembro, das quais 79 foram concluídas.

 

Fonte: O Globo

O governo paulista está tentando remanejar recursos de outras obras para o Rodoanel Norte e a linha 4-amarela do metrô. Iniciado em 2013, o novo trecho em construção do Rodoanel teve o cronograma atrasado duas vezes, e a atual previsão de entrega é março de 2018. Já a expansão da linha 4, retardada pela troca do consórcio construtor, pode demorar mais de dois anos. O Estado quer remanejar para essas obras R$ 1,3 bilhão – recurso de empréstimos do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Como as operações de crédito têm o governo federal como fiador, a troca precisa do sinal verde de Brasília. A decisão está marcada para esta quinta (23), em reunião com representantes dos ministérios do Planejamento, Fazenda e Banco Central.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo de Oliveira, anunciou ontem a retomada de 436 obras federais de pequeno porte, com orçamento entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões. A medida prevê a retomada do fluxo de pagamento para projetos orçados em R$ 847 milhões. A decisão envolve obras públicas em áreas de educação, segurança, saúde, esporte, saneamento, entre outras. Até meados do ano passado, o país contava com 1,6 mil obras paralisadas, que exigiam investimento de R$ 2,073 bilhões para que fossem concluídas.

 

Fonte: Valor Econômico

Para evitar que bilhões de reais arrecadados com as outorgas das concessões de infraestrutura sejam integralmente absorvidos pelo Tesouro Nacional, o Ministério dos Transportes quer mudar as regras dos próximos leilões de ferrovias. A ideia é que o valor da outorga seja convertido em obras a serem executados pelos grupos vencedores dos leilões.

 

Fonte: Valor Econômico

Proposta apresentada pela CSN prevê que a empresa, responsável pela ferrovia, também fará um aporte de R$ 1,8 bi para concluir o projeto, cuja construção se arrasta há mais de dez anos. A obra é alvo de uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que mandou paralisar os repasses do governo. Por isso mesmo, o governo concordou com os novos aportes, mas com uma condição: eles só serão feitos se a empresa cumprir as condições impostas em janeiro de 2016 pelo TCU.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O governo Michel Temer quer reformular o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tornando-o mais enxuto, e, para isso, vai se concentrar nas obras que podem ser concluídas até 2018. A meta é desembolsar mais R$ 80 bilhões até o fim do ano que vem para terminar obras em andamento, com desembolsos anuais de cerca de R$ 40 bilhões no período. A lista inclui vitrines da administração petista, como a Ferrovia Norte-Sul e a transposição do Rio São Francisco.

 

Fonte: O Globo

O governo federal afastou a possibilidade de o grupo CCR promover mais de R$ 3 bilhões em novos investimentos na Rodovia Presidente Dutra, que liga Rio a São Paulo, da qual é concessionária. A hipótese em discussão era trocar esses investimentos por uma ampliação do contrato de concessão para além de 2021. Em outra frente, o Palácio do Planalto considera aportar R$ 1,325 bilhão em recursos da União na BR-040, de Juiz de Fora ao Rio, da Concer, que também não teria seu contrato ampliado.

 

Fonte: O Globo

A companhia chinesa State Grid, responsável pelas obras da linha de transmissão de 2.518 quilômetros que vai distribuir a energia da hidrelétrica de Belo Monte, decidiu bater na porta do ministro de Minas e Energia (MME), Fernando Coelho Filho, para tentar acelerar o licenciamento ambiental do projeto, processo conduzido pelo Ibama.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Na busca da retomada do crescimento econômico e de uma agenda positiva, o presidente Michel Temer retoma hoje o formato de reuniões de núcleos do governo e deverá tratar pela primeira vez da retomada ou tentativa de celeridade das grandes obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

A Petrobrás retomou as obras no Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj). A empresa lançou licitação para construir a unidade de processamento de gás natural (UPGN), que vai receber o gás natural produzido a partir de 2020 no pré-sal da Bacia de Santos. Desta vez, no entanto, convidou apenas empresas estrangeiras para participar da concorrência, segundo fonte da estatal diretamente envolvida na concorrência.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), passou a semana em Brasília tentando pressionar o governo a fazer uma contratação emergencial para parte das obras da transposição. Por ora, no entanto, a ideia não conta com o apoio do mais influente parlamentar do Estado no Planalto, o senador Eunício Oliveira (PMDB­-CE), inimigo político do governador e dos irmãos Ciro e Cid Gomes, do PDT.

 

Fonte: Valor Econômico