LeftRight

Tag : leilão


O leilão que o governo do Estado de São Paulo prepara para vender sua participação na elétrica Cesp, na qual é controlador, está previsto para acontecer  em setembro deste ano, disseram à Reuters duas fontes
com conhecimento do assunto.  O governo paulista possui 40,5% do capital da Cesp, com 95% das ações ordinárias, com direito a voto. 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou ontem a inclusão de mais uma área do pré­-sal na 4ª rodada de partilha, prevista para o ano que vem. Um bloco ao sul do prospecto de Uirapuru se somará, na licitação, à própria área de Uirapuru, Três Marias e Saturno, na Bacia de Santos, e mais quatro blocos exploratórios situados na Bacia de Campos.

 

Fonte: Valor Econômico

O governo está trabalhando para realizar no mínimo um leilão de geração de energia ainda neste ano, disse ontem o ministro Fernando Coelho Filho, do Ministério de Minas e Energia (MME), depois de participar do Fórum Brasil de Investimentos 2017. “A expansão da matriz se dará baseada nas renováveis e acontecerá ainda neste ano”, disse o ministro, indicando a possibilidade de realização de um leilão de energia de reserva (LER) para contratar projetos das fontes eólica e solar. O último leilão do tipo aconteceu em 2015, e contratou menos do que o esperado pela indústria local.

 

Fonte: Valor Econômico

A estatal elétrica mineira Cemig está determinada a recuperar a concessão das quatro hidrelétricas cujos contratos venceram e serão relicitadas no segundo semestre. O Valor apurou que a companhia está negociando com investidores canadenses a possibilidade de formação de consórcio para disputar a concessão das quatro usinas.

 

Fonte: Valor Eonômico

O leilão das quatro hidrelétricas da Cemig, com contratos vencidos ou prestes a vencer, renderá uma arrecadação adicional de R$ 1,5 bilhão neste ano que não era considerada inicialmente pelo Tesouro. O valor decorre da indenização devida à companhia mineira, que será quitada somente em 2018.

 

Fone: Valor Econômico

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) inicia amanhã a temporada de leilões de áreas para exploração de petróleo e gás natural no país. A agência vai ofertar nove campos terrestres antigos, que já produziram petróleo e foram devolvidos pela Petrobras. Esta primeira disputa, chamada de “rodadinha”, é voltada para pequenas e médias empresas nacionais e estrangeiras. O investimento previsto nos campos soma R$ 9,8 milhões, e a estimativa de arrecadação é de R$ 451.505. O certame antecede leilões mais aguardados no mercado, como a 14ª Rodada de áreas do pó-sal, marcada para setembro, e os dois leilões do pré-sal, previstos para outubro.

Fonte: O Globo

A Cteep projeta que conseguirá reduzir a necessidade de investimentos nos lotes que arrematou no último leilão de transmissão em algo entre 20% a 25%. O motivo é a perspectiva de obter sinergias, pois os lotes estão em sua área de atuação, bem como a aplicação de soluções técnicas específicas e customizadas. A transmissora disse ter entrado no certame com todos os contratos já negociados e que por isso conseguiu oferecer os deságios apresentados.

Fonte: Canal Energia

Sem perder de vista a rentabilidade, algumas das principais vencedoras do leilão de transmissão realizado segunda­-feira esperam investir montantes significativamente menores do que aqueles previstos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). No total, foram licitados 31 dos 35 lotes ofertados, somando R$ 12,7 bilhões em investimentos, segundo os cálculos do regulador.

 

Fonte: Valor Econômico

O leilão para construção de novas linhas de transmissão, realizado ontem na B3 (antiga Bovespa), atraiu o interesse de investidores e indicou uma melhora no ambiente de negócios do setor elétrico. Do total de 35 lotes ofertados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), 31 receberam propostas. Os grupos vencedores terão de investir cerca de R$ 12,7 bilhões em instalações, que devem entrar em operação em prazos que variam de 36 a 60 meses.

 

Fonte: O Globo

O governo conseguiu garantir ontem investimentos de R$ 12,7 bilhões em linhas de transmissão de energia nos próximos anos, com o repasse para a iniciativa privada de 31 dos 35 lotes colocados em leilão, num total de mais de 7 mil km. As obras devem durar de 36 a 60 meses. O resultado revelou um forte apetite dos investidores (nacionais e estrangeiros) pelo setor, que vinha de uma série de fracassos nas concessões de transmissão.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

Marcado por competição acirrada entre os investidores, o leilão de linhas de transmissão resultou em deságio de 36,5% em relação às receitas máximas estabelecidas pela Aneel. A disputa, que vai gerar R$ 12,7 bilhões em investimentos, foi marcada pela presença de companhias que não atuam tradicionalmente no setor.

 
Fonte: Valor Econômico

O governo federal deve realizar até 30 de setembro um leilão para oferecer a investidores as concessões de hidrelétricas já em operação. A estimativa é arrecadar até R$ 12 bilhões por meio da cobrança de bônus de outorga. O governo conta com os recursos para cumprir a meta fiscal deste ano, de déficit de R$ 139 bilhões.

 

Fonte: O Globo

A Eletrobras deve participar do leilão de descontratação de reserva que deve acontecer nos próximos meses, principalmente com projetos de Furnas, disse na sexta-­feira Wilson Ferreira Jr., presidente da estatal, depois de participar de evento com investidores e analistas promovido pela Apimec. No mesmo dia, o presidente Michel Temer publicou um decreto estabelecendo as diretrizes para a realização da disputa.

 

Fonte: Valor Econômico

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) tem quatro áreas do pré­ sal para ofertar na 3ª rodada de partilha, em novembro. O diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Felipe Kury, confirmou ontem o que o cardápio do leilão inclui Pau Brasil, Peroba, Saturno e Alto de Cabo Frio­ as duas últimas áreas adjacentes e que serão leiloadas separadamente.

 

Fonte: Valor Econômico

Um consórcio formado pela Petróleo Sabba, com 60%, e pela Petrobrás Distribuidora, com 40%, arrematou os terminais STM04 e STM05 do Porto de Santarém. Em um dos casos, houve disputa acirrada. O leilão foi “extremamente bem-sucedido”, comemorou o ministro dos Transportes, Maurício Quintella.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo