LeftRight

Tag : geração de energia


A Aneel abriu processos com termos de intimação para 46 projetos de energia eólica e solar, para iniciar o processo de revogação da outorga destes. Os projetos, que somam 1,15 gigawatts (GW), estão com atrasos significativos na execução. Esses são os mesmos projetos que são candidatos ao leilão de descontratação que o Ministério de Minas e Energia (MME) planeja realizar.

 

Fonte: Valor Econômico

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho, afirmou em Brasilia que a possibilidade de que nos leilões de hidrelétricas existentes os investidores possam optar entre oferecer maior valor pela outorga e menor valor pela energia dos empreendimentos aumenta o cardápio oferecido pelo MME aos investidores. As duas opções estão na Portaria 51, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 16 de fevereiro.

 

Fonte: Canal Energia

Antes de programar novos leilões de geração de energia, “organizar a casa”. Esse é o objetivo do governo. Para isso, estão sendo preparadas várias medidas para melhorar a eficiência do setor elétrico e aumentar a confiança dos investidores.

 

Fonte: Valor Econômico

O governo federal vai fazer um “Refis do setor elétrico”, ou seja, uma espécie de perdão de multas, evitando que os responsáveis por usinas que estão com obras em atraso ou que nunca vão ficar prontas por terem se tornado inviáveis economicamente sejam suspensos do mercado. Enquadram-se nessa situação, principalmente, usinas de fontes eólica e solar.

 

Fonte: O Globo

Os investimentos mundiais em energia limpa sofreram a maior queda em mais de uma década após uma estabilização da onda de investimentos no setor na China e Japão e devido à queda persistente nos preços dos painéis solares. Um total de US$ 287 bilhões foi investido em parques eólicos, parques solares e outros sistemas de energia limpa em 2016, numa queda de 18% em relação ao recorde estabelecido em 2015, segundo a Bloomberg New Energy Finance.

 

Fonte: Valor Econômico

As mudanças nas políticas operacionais do BNDES darão impulso extra ao setor de micro e mini geração de energia solar fotovoltaica no país, que deve fechar 2016 com um total de 7 mil sistemas instalados, um crescimento de 300% sobre o ano anterior, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). A expectativa para este ano é de continuidade do crescimento da inserção da fonte na matriz elétrica brasileira, segundo a entidade.

 

Fonte: Valor Econômico

Autoridades do setor elétrico avaliam que o volume maior de chuvas e o ingresso de novas usinas de geração de energia nas últimas semanas deverão levar ao retorno da bandeira verde na conta de luz em dezembro. Na prática, a medida significa o fim da sobretaxa na tarifa. 

 

Fonte: O Globo

A espanhola Gas Natural Fenosa se prepara para entrar no mercado brasileiro de energias renováveis. A companhia, através de sua subsidiária Global Power Generation (GPG), anunciou a aquisição de uma fatia de 85% em duas usinas de energia solar fotovoltaica do grupo Gransolar, no Piauí, e vai estrear no setor de geração no Brasil. 

 

Fonte: Valor Econômico

Depois de meses de negociações, a China Three Gorges (CTG) anunciou ontem que chegou a um acordo para comprar os ativos de geração de energia da americana Duke Energy no Brasil, se consolidando como a maior geradora privada do país.

 

Fonte: Valor Econômico

Os projetos de geração de energia eólica e solar nos Estados Rio Grande do Norte, Bahia e Rio Grande do Sul ficarão de fora do leilão de energia de reserva (LER) marcado para dezembro, por falta de margem de escoamento. Isso quer dizer que, por falta de linhas de transmissão que possam levar a energia até os centros de consumo, o leilão contará com oferta ­ e competitividade ­ menor, o que pode ter efeitos no preço médio final da disputa.

 

Fonte: Valor Econômico

O atraso em obras de transmissão e a falta de apetite do investidor nos últimos leilões de concessão começam a barrar investimentos bilionários na área de geração de energia elétrica. Nesta semana, uma nota técnica do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revelou que, em alguns Estados do País, a rede de transmissão não tem mais capacidade para escoar eletricidade de novos projetos. Ou seja, investimentos previstos para esses locais terão de ser adiados até que novas linhas sejam licitadas.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O governo tem discutido a possibilidade de contratar novos empreendimentos de geração com a receita atrelada ao dólar. A grande vantagem dessa modalidade de contratação seria a redução drástica do custo de captação de recursos para novas usinas eliminando um fator que desestimula a chegada de capital estrangeiro.

 

Fonte: Valor Econômico

O setor de geração de energia eólica teve uma das melhores trajetórias de crescimento entre todos os segmentos industriais do Brasil nos últimos dez anos. Em 2007, a capacidade instalada não chegava a 250 megawatts (MW). No fim de agosto deste ano, o parque eólico chegou a 10 mil MW instalados, o equivalente a 7% da matriz elétrica do Brasil. A fabricação dos equipamentos eólicos é quase toda nacional. Seis grandes fabricantes mundiais de aerogeradores estão instalados no país.

 

Fonte: Valor Econômico

Depois de anos enfrentando sucessivas crises e uma deterioração das condições econômicas, as empresas do setor elétrico colocaram um imenso volume de ativos à venda. Agora, elas competem pelos poucos compradores capitalizados. Levantamento feito pelo Valor mostra que há cerca de 25 mil MW de geração à venda atualmente, por meio de privatizações, reestruturações societárias e vendas de controle. Esse montante é aproximadamente 18% da capacidade de geração total instalada no país. Além disso, há cerca de 24 mil quilômetros de linhas de transmissão no mercado.

 

Fonte: Valor Econômico

Com um novo presidente há cinco meses, a Acciona Brasil pretende expandir o escopo de atuação no país, onde seu principal negócio é a engenharia e construção pesada. Ao completar 20 anos no país, a companhia de origem espanhola começa a estruturar duas novas áreas: a prestação de serviços, como gestão e manutenção, e montagens industriais, sobretudo associados à alta tecnologia. Esta última engloba, por exemplo, campos de energia solar, fábricas de celulose e unidades de queima de lixo para geração de energia.

 

Fonte: Valor Econômico