LeftRight

Tag : dívida


O novo plano de recuperação que a Oi vai levar à Justiça reduziria a dívida financeira dos atuais R$ 48,2 bilhões para cerca de R$ 25 bilhões. O valor equivale a 3,9 vezes o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 2016.

 

Fonte: Valor Econômico

Os atuais concessionários dos aeroportos privatizados têm divida com a União de R$ 1,449 bilhão em outorgas atrasadas, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O valor não considera multas e juros. Somente Guarulhos está com as contas em dia. Os demais — São Gonçalo do Amarante (no Rio Grande do Norte), Brasília, Viracopos (Campinas), Galeão e Confins (Minas Gerais) — estão em débito. O caso mais grave é do Galeão, que tem dívida de R$ 933,4 milhões, vencida em julho e que está em fase de cobrança pela Anac.

 

Fonte: O Globo

A Anac indeferiu o recurso da concessionária do aeroporto Antônio Carlos Jobim, no Rio, sobre a possibilidade de dividir o pagamento da outorga devida ao governo federal, que deveria ter sido quitada em maio. Pela decisão, a concessionária terá que pagar aproximadamente R$ 1 bilhão até o dia 7 de abril. Se a determinação não for cumprida, a agência poderá acionar o seguro garantia do contrato.

 

Fonte: Valor Econômico

O cenário de queda de juros coloca uma luz no crédito privado e aumenta a expectativa de que títulos de dívida corporativa voltem a ser um ativo de diversificação para as carteiras de investimentos. Há demanda para empresas com boa classificação de risco e alguns gestores e fundos de pensão, como Previ, Fundação Real Grandeza e Valia, avaliam aumentar a exposição nesses ativos. Não se trata, porém, de uma corrida. A percepção dos investidores é que, por ora, ainda há ganhos a buscar tanto em títulos públicos como no mercado de juro futuro.

 

Fonte: Valor Econômico

Os administradores judiciais da Oi devem entregar hoje à Justiça uma nova lista com cerca de 67 mil credores, informou ao Valor uma fonte que acompanha o processo de recuperação judicial da operadora. A primeira relação de credores foi apresentada pela Oi em 20 de junho, sendo atualizada posteriormente em agosto e setembro.

 

Fonte: Valor Econômico

A reestruturação da dívida de R$ 65 bilhões da operadora Oi, em recuperação judicial, está empacada na negociação de um débito de R$ 5,8 bilhões em favor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O grupo de trabalho que negocia as dívidas da União ainda não conseguiu chegar a um acordo.

 

Fonte: Valor Econômico

A operadora de telefonia Oi, que está em recuperação judicial por causa de uma dívida de R$ 65 bilhões, deve considerar condições mais favoráveis aos credores nas negociações desta semana para uma conversão da dívida em ações da companhia.

 

Fonte: Valor Econômico

A Oi analisa a possibilidade de fusão, em um cenário de médio e longo prazos, com a Sky, controlada pela americana AT&T, e a TIM Brasil, segundo duas fontes próximas à operadora. A consolidação dependeria principalmente de a companhia, em processo de recuperação judicial, equacionar sua dívida, superior a R$ 65 bilhões.

 

Fonte: Valor Econômico

A produção de petróleo e gás ficou em 2,87 milhões de barris de óleo equivalente por dia, na média do terceiro trimestre, alta de 2,3% em relação ao segundo trimestre e de 2,5% ante o terceiro trimestre de 2015.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

A Oi e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) foram chamadas para mediação da dívida no dia 22 de novembro pelo juiz Fernando Viana, da 7ª Vara de Falências do Rio de Janeiro. A Anatel estima que a tele lhe deve R$ 20,2 bilhões em multas e outros ônus, enquanto a Oi calcula o débito em cerca de R$ 11 bilhões na sua lista de créditos a pagar, podendo chegar a R$ 13 bilhões.

 

Fonte: Valor Econômico

Em meio a negociações de venda de ativos e entrada de um novo sócio, a Renova Energia teve ontem sua nota de crédito rebaixada por risco de calote. Com vencimentos de quase R$ 1 bilhão nos próximos 90 dias e vivendo a maior crise desde que foi criada, a empresa de energia eólica – que já foi a maior do País
– teve sua capacidade financeira colocada em xeque pela agência de classificação de risco Fitch Ratings.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O governo já está avaliando alternativas de como irá pagar a Petrobras ao final da revisão do contrato da cessão onerosa, assinado em 2010 e pelo qual a estatal obteve o direito de produzir 5 bilhões de barris de petróleo no pré­sal. O secretário de Petróleo e Gás Natural do Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix, disse ontem que “tudo leva a crer” que a petroleira sairá como credora ao final das negociações e que alternativas de pagamento estão sendo avaliadas pela União.

 

Fonte: Valor Econômico

Endividadas e com a receita em queda por causa da recessão econômica, as empresas brasileiras têm perdido a capacidade de honrar seus compromissos. Em quase metade (49%) das grandes companhias do País, a geração de caixa não é suficiente nem para pagar os juros da dívida – quadro que explica o aumento da inadimplência, das renegociações com credores e da escalada dos pedidos de recuperação
judicial.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo

O Plenário do Senado tem sessões deliberativas hoje e amanhã para votar uma pauta que inclui propostas que tramitam em regime de urgência. Entre elas, estão o projeto que autoriza a cessão de créditos do Estado para pessoas jurídicas (PLS 204/2016). O relator do projeto, Paulo Bauer (PSDB-SC), já apresentou em Plenário um texto substitutivo, no qual acatou integralmente emendas apresentadas por José Aníbal (PSDB-SP) e Aécio Neves (PSDB-MG) e parcialmente uma emenda apresentada por Antonio Carlos Valadares (PSB-SE).

 

Fonte: Jornal do Senado