LeftRight

Tag : Aneel


A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou ontem a redução média de 10,66% das tarifas da Cemig­ D pelo calendário de reajustes tarifários anuais de 2017. O corte no custo da energia elétrica fornecida pela distribuidora mineira valerá a partir de domingo para 8,2 milhões de unidades consumidoras de 774 municípios de Minas Gerais.

 

Fonte: Valor Econômico

Após cumprir etapa preliminar à realização do leilão de quatro hidrelétricas, o diretor geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, admitiu que o cenário político conturbado pode prejudicar a atração de investidores para o setor. A diretoria da agência realizou ontem reunião extraordinária em que abriu audiência pública para discutir aprimoramentos na minuta do edital de relicitação de quatro hidrelétricas operadoras pela Cemig que tiveram a concessão retomada pela União ao final dos contratos.

 

Fonte: Valor Econômico

Um grupo liderado pelas empresas AES Tietê, Enel, Light, Brookfield e Duke Energy deve entregar até o fim desta semana uma proposta à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para encerrar as disputas judiciais referentes à exposição ao déficit hídrico (medido pelo fator GSF, na sigla em inglês) nos contratos no mercado livre.

 

Fonte: Valor Econômico

A Aneel aprovou um novo regulamento que simplifica os procedimentos para exploração de hidrelétricas com características entre 5 MW até 50 MW. A expectativa é que o novo regulamento permita a otimização de aproveitamentos hidrelétricos de menor porte, o que vai ao encontro do interesse dos pequenos e médios investidores.  A Resolução Normativa nº 765/2017 foi publicada nesta terça-feira, 2 de maio, no Diário Oficial da União.
 
Fonte: Canal Energia

A Cteep projeta que conseguirá reduzir a necessidade de investimentos nos lotes que arrematou no último leilão de transmissão em algo entre 20% a 25%. O motivo é a perspectiva de obter sinergias, pois os lotes estão em sua área de atuação, bem como a aplicação de soluções técnicas específicas e customizadas. A transmissora disse ter entrado no certame com todos os contratos já negociados e que por isso conseguiu oferecer os deságios apresentados.

Fonte: Canal Energia

Sem perder de vista a rentabilidade, algumas das principais vencedoras do leilão de transmissão realizado segunda­-feira esperam investir montantes significativamente menores do que aqueles previstos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). No total, foram licitados 31 dos 35 lotes ofertados, somando R$ 12,7 bilhões em investimentos, segundo os cálculos do regulador.

 

Fonte: Valor Econômico

Em contraste com o provável sucesso de hoje no leilão de linhas de transmissão, a Agência Nacional de Energia Elétrica foi surpreendida pelo contingenciamento de 45% na lei orçamentária de 2017 e vai enfrentar uma situação de penúria nos próximos meses. Para se adaptar, a Aneel fará um ajuste radical nos planos

 
Fonte: Valor Econômico

A Aneel abriu processos com termos de intimação para 46 projetos de energia eólica e solar, para iniciar o processo de revogação da outorga destes. Os projetos, que somam 1,15 gigawatts (GW), estão com atrasos significativos na execução. Esses são os mesmos projetos que são candidatos ao leilão de descontratação que o Ministério de Minas e Energia (MME) planeja realizar.

 

Fonte: Valor Econômico

O anúncio foi feito pelo diretor Tiago Barros, que participou do evento Agenda Setorial 2017, no Rio de Janeiro (RJ). Durante o evento, a judicialização do setor foi alvo de queixas dos participantes. Muitos temas têm transcendido o aspecto regulatório e acabam sendo debatidos na justiça. O diretor lamentou que o poder judiciário não esteja tão especializado em energia quanto a agência é, já que isso poderia dar mais celeridade aos processos judiciais que vem assolando o setor elétrico. “Há um custo de aprendizagem enorme e o processo judicial acaba ficando mais lento”, avisa. Segundo ele, na Europa, foram criados fóruns especializados para disputas judiciais envolvendo regulação.

 

Fonte: Canal Energia

Consumidores de todo o país pagaram R$ 3,7 bilhões a mais nas contas de luz cobradas no período de julho de 2009 a junho de 2016, segundo cálculos preliminares da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em valores atualizados até fevereiro. O órgão regulador encontrou irregularidades no pagamento de encargos para subsídio de geração de energia elétrica nos sistemas isolados da Eletrobras Amazonas Energia.

 

Fonte: O Globo

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou ontem a devolução de R$ 1 bilhão aos consumidores devido ao erro no cálculo das tarifas de 2016. A cobrança indevida estava relacionada à cobertura do custo de operação da usina nuclear de Angra 3, envolvida em caso de corrupção com as maiores empreiteiras do país e com previsão de ser concluída após 2019.

 

Fonte: Valor Economico

A Abengoa teve mais uma vitória na disputa com a União e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre os processos de caducidade de suas concessões, ao mesmo tempo em que ganhou mais tempo para conseguir propostas vinculantes de investidores interessados em seus ativos. A Justiça do Rio de Janeiro negou na semana passada os recursos apresentados pela agência e a União pedindo para retomar o processo de caducidade das linhas de transmissão da Abengoa, que está em recuperação judicial desde o início do ano passado.

 

Fonte: Valor Econômico

A Enel Distribuição Rio (nome atual da Ampla Energia) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) chegaram a um acordo com relação ao aditivo do contrato de concessão da distribuidora, controlada pelo grupo italiano Enel e que atende parte da região metropolitana do Rio de Janeiro e da Baixada Fluminense. A diretoria da autarquia aprovou ontem a assinatura do termo aditivo acatando pleitos apresentados pela companhia

 

Fonte: Valor Econômico

A Abengoa teve uma vitória significativa em seu processo de recuperação judicial: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) terá de abrir um processo para revisar a receita e os prazos de suas linhas de transmissão em construção.

 

Fonte: Valor Econômico

A Aneel aprovou ontem o cálculo das indenizações das transmissoras que renovaram antecipadamente as concessões em 2013. Ela estimou que precisará ser cobrado dos consumidores, via tarifa de energia, de R$ 62,2 bilhões, ao longo de oito anos. Somente neste ano, as contas de luz deverão cobrir o rombo de R$ 10,8 bilhões. O impacto médio sobre as tarifas dos consumidores é de alta de 7,17% em 2017. A depender da distribuidora, o efeito de altas nas contas de luz poderá variar de 1,13% a 11,45% este ano.

 

Fonte: Valor Econômico