Notícias do Dia – 17/11/2023

260

Sabesp privatizada deverá ter novo modelo de regulação

A privatização da Sabesp deverá vir acompanhada de uma nova estrutura de regulação para a companhia. Na prática, isso significa alterar a forma como são reajustadas as tarifas dos usuários e os critérios para definir o retorno da empresa. As mudanças, ainda em negociação entre governo paulista e Arsesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo), deverão ser instituídas até março de 2024, segundo Rafael Benini, secretário de Parceria em Investimentos. Os objetivos, diz ele, são dar mais previsibilidade aos acionistas, permitir que a empresa possa absorver parte dos ganhos de eficiência – dois temas que são demandas do setor privado – e garantir que os investimentos serão efetivamente realizados.

Valor Econômico

 

Enquanto aguarda definição, Anatel abre espaço ao Wi-Fi 6E

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já certificou 119 equipamentos, de 27 fabricantes diferentes, compatíveis com Wi-Fi 6E – a versão mais encorpada do sinal não-licenciado que amplia as possibilidades de uso da banda larga fixa por meio da conexão sem fio. A agência segue a agenda de trabalho, definida há dois anos, quando direcionou o uso da faixa de 6 gigahertz (Ghz) para o Wi-Fi. Em muitos países, a destinação da frequência de 6 Ghz ainda está indefinida. Na próxima semana, as grandes potências tentarão a cartada final para ganhar a adesão de mais países em relação ao tema, durante a Conferência Mundial de Rádio (WRC-23), em Dubai (Emirados Árabes).

Valor Econômico

 

Quase um terço das unidades consumidoras de energia do país ficou sem luz mais do que o limite permitido pela Aneel

Nas últimas semanas a qualidade do fornecimento de energia foi colocada em xeque. Em São Paulo, a Assembleia Legislativa instaurou uma CPI para entender o que levou mais de dois milhões de clientes da Enel, entre residências e empresas, a passarem dias sem luz. Nesta segunda, um apagão deixou 18 cidades do Estado do Rio, sob a concessão da mesma concessionária, por quase três horas sem energia. Estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mostra que o limite de tempo de queda de energia, determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi ultrapassado em 28,4% das unidades consumidoras brasileiras, em 2022.

O Globo

 

A alta dos reservatórios garante abastecimento em época de pico de consumo

Não há uma crise de energia. Essa é a boa notícia. Mas o que isso significa. Primeiro é preciso entender que sim, a onda de calor tem efeitos na economia. Os preços de ar-condicionado subiu e já atingiu o IPCA de outubro e o acionamento das térmicas podem acabar provocando aumento na conta de luz. Porém o país está num bom momento em relação à oferta de energia. Seria terrível passar por esse verão com os níveis dos reservatórios baixos, já que 65% da energia produzida no país vem de hidrelétricas. Os níveis dos reservatórios estão altos e essa é uma notícia que tranquiliza.

O Globo

 

Hidrovias e ferrovias são ‘logística ESG’, afirma coordenadora da CNA

A agenda ESG (ambiental, social e de governança) na logística de transporte de grãos no País passa necessariamente pelas hidrovias e ferrovias, afirmou a coordenadora de Assuntos Estratégicos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Elisângela Lopes, durante painel no Estadão Summit Agro 2023. “A matriz de transporte brasileira é ‘inversa’, focada mais em rodovias do que em hidrovias e ferrovias, que emitem menos gases do efeito estufa”, disse Elisângela, acrescentando que, hoje, 65% da carga no Brasil segue por rodovias e o restante vai pelos outros dois modais. “Lembrando que 66% das nossas estradas são consideradas regulares, ruins ou péssimas, o que também aumenta a emissão de poluentes gerados pelo diesel.”

O Estado de S.Paulo

 

Secretaria de Agricultura de São Paulo investe em energia verde

O secretário executivo da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Edson Fernandes, quer avançar nas discussões de implementação de energia verde no Estado. “Nossa secretaria está muito empenhada na transição de energia por meio dos dutos de gás no Estado para ampliar a oferta de biometano para que, com isso, a gente possa incentivar a indústria verde”, afirmou. Para ele, um dos participantes do evento Estadão Summit Agro, realizado no dia 8 de novembro, São Paulo tem condições de encabeçar tal movimento em nível nacional.

O Estado de S.Paulo

 

Carga de tributos e encargos sobre setor elétrico foi de 48,1% em 2022, mostra estudo

 A carga de tributos e encargos setoriais sobre o setor elétrico chegou a 48,1% do total da receita bruta das empresas em 2022, aponta estudo da consultoria PwC encomendado pelo Instituto Acende Brasil. Considerada “excessiva” pelos pesquisadores, essa é a quarta maior carga verificada pelo levantamento anual desde 1999, que apontou um pico de 51,6% em 2015. A expectativa dos consultores é que a reforma tributária, em tramitação no Congresso, imponha um freio aos impostos, mas o histórico de alta nos encargos setoriais deve permanecer como uma sombra ao desenvolvimento do setor e à redução de preços.

O Estado de S.Paulo

 

‘Sustentabilidade traz novo olhar para o campo’, diz líder da Cargill

A líder de produtos de sustentabilidade da Cargill, Ingrid Graziano, disse, durante painel especial no Estadão Summit Agro, promovido dia 8 de novembro, em São Paulo, que sustentabilidade é um processo de melhoria contínua. “A sustentabilidade está aí para trazer um novo olhar, como o produtor se relaciona com o meio ambiente”, afirmou. Para a executiva, não é uma questão de apenas “plantar e colher”, mas um processo de longo prazo que leva em conta outros fatores, como a construção de perfil e aumento na biodiversidade do solo. Nesse sentido, Ingrid Graziano disse ainda que o setor privado também se posiciona e atende a demandas sustentáveis. Entre os exemplos de manejo que respeitam o meio ambiente, citou a agricultura regenerativa, que, para ela, “é mudança de mentalidade”.

O Estado de S.Paulo

Audiência pública de privatização da Sabesp termina em bate-boca e protestos; assista

A audiência pública que discutiu a privatização da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) na Assembleia Legislativa terminou em bate-boca nesta quinta-feira (16) entre manifestantes contrários e favoráveis à desestatização da empresa. Centrais sindicais e movimentos sociais como a CUT (Central Única dos Trabalhadores), o Sindicato dos Metroviários, a Apeoesp (sindicato dos professores do estado), entre outros, se manifestaram contra a privatização na frente da Alesp com carro de som, e a Polícia Militar bloqueou uma das vias que dão acesso à Casa.

Folha de S.Paulo