Notícias do Dia -17out2023

432

Vivo produzirá energia própria em sociedade com Elera

Para reduzir os custos com energia, a operadora Vivo se juntou com a Elera, empresa do grupo canadense Brookfield, e migrou para o segmento de autoprodução de energia. Neste segmento, o consumidor passa a deter uma participação acionária na usina e recebe outorga para produzir energia elétrica destinada a seu uso exclusivo. O contrato de autoprodução por arrendamento tem duração de 15 anos e prevê que a Vivo seja sócia em quatro parques solares que somam 237 megawatt-pico (MWp). As plantas destinadas à Vivo estão instaladas dentro do complexo de Janaúba, em Minas Gerais, e devem abastecer mais de 200 unidades consumidoras em média tensão.

Valor Econômico

 

Volta de Santo Antônio

A Santo Antônio Energia informou na segunda-feira (16) que, devido o aumento da vazão do rio Madeira nos últimos dias, os limites operacionais da Hidrelétrica Santo Antônio foram restabelecidos. Segundo a empresa, em alinhamento com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a operação foi retomada. A companhia havia interrompido a operação da hidrelétrica devido aos baixos níveis de vazão do Rio Madeira, que estavam cerca de 50% abaixo da média histórica, conforme comunicado em 2 de outubro.

Valor Econômico

 

Mudança climática cria novos desafios a transportes

As mudanças climáticas se tornaram uma preocupação concreta para o setor de transportes em 2023, ano em que diversos eventos extremos afetaram rodovias, portos e hidrovias. O tema já aparece no debate sobre novos projetos, reequilíbrios contratuais por desastres e contratação de seguros para obras e concessões. Hoje, o Brasil enfrenta dois eventos climáticos com efeitos no setor. Em um extremo do país, a região Norte sofre com forte seca, que tem gerado restrições excepcionais na navegação dos rios e prejudicado rotas de cabotagem.  Em outra ponta, o Sul vive chuvas intensas e enchentes, que afetam portos e estradas. No início deste ano, outro episódio de tempestades, no Litoral Norte de São Paulo, também bloqueou rodovias.

Valor Econômico

 

Lubrax vai triplicar produção em busca da liderança

Um dos principais produtos do portfólio da Vibra Energia, a marca de lubrificantes Lubrax vai ampliar a fábrica localizada em Duque de Caxias (RJ). O objetivo é tanto aumentar a participação no mercado interno, em busca da liderança, como ganhar tração no mercado externo e elevar sua geração de caixa. A Vibra Energia planeja investir R$ 100 milhões  em uma nova unidade para triplicar a capacidade de produção da marca, que completa 50 anos em 2023, para 300 milhões de litros de óleo lubrificante anualmente.

Valor Econômico

 

MP propõe que TCU fiscalize uso de recursos da usina Itaipu

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MP-TCU) propôs, por meio de representação assinada hoje, que a corte de contas reivindique a competência para fiscalizar os investimentos dos governos do Brasil e do Paraguai com recursos da usina Itaipu Binacional, instalada na fronteira entre os dois países. No documento, o subprocurador-geral do MP-TCU, Lucas Furtado, destaca a necessidade de “apurar possíveis irregularidades na destinação de recursos públicos provenientes da usina Itaipu Binacional para ações não vinculadas às atividades de geração de energia”.

Valor Econômico

 

RioGaleão formaliza interesse em manter gestão do aeroporto internacional do Rio

A RioGaleão, que administra o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, formalizou interesse de permanecer à frente do terminal internacional da cidade. Um ofício foi entregue ao Ministério de Portos e Aeroportos e à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na semana passada, informou a concessionária. Uma reunião entre a representantes da empresa e o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, está prevista para as próximas semanas para dar continuidade às discussões.

Valor Econômico

COPs existem para salvar o planeta, não o petróleo

A guerra entre Israel e o Hamas, dramática pela imensa dor que provoca e as milhares de vidas inocentes que se perdem, agrava também o desafio da humanidade de reduzir a crise climática. Incêndios são fonte de emissão de gases-estufa – e só se saberá mais adiante o quanto essa guerra no Oriente Médio e a invasão da Ucrânia pela Rússia contribuíram para o desastre global. “Guerras são um tremendo problema para a implementação do Acordo de Paris”, diz uma fonte que conhece bem o tema. Atrapalham até a logística das conferências. No sistema de rodízio regional das Nações Unidas, onde a cada ano as conferências do clima acontecem em lugares distintos do mundo, a COP29, em 2024, teria que ocorrer em algum país do Leste Europeu.

Valor Econômico

 

ANTT adia cronograma para regulação de ônibus e renegocia prazo com MPF; veja o que está em jogo

Em mudança na agenda regulatória, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) postergou o calendário do novo marco para o Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros (TRIP), em debate há quase uma década. A fase de análise de contribuições, prevista para ser concluída em agosto foi adiada para até o fim de outubro. Em nota enviada ao GLOBO, a agência informou que ainda pretende publicar a resolução final do marco regulatório em novembro. Uma minuta do marco legal, apresentada em agosto, foi alvo de críticas por travar a entrada de novas empresas no setor.

O Globo

 

Após duas semanas sem gerar energia por causa da seca, usina de Santo Antônio é religada

A usina de Santo Antônio, no Rio Madeira, em Rondônia, voltou a operar nesta segunda-feira, após ter tido suas operações suspensas desde o início deste mês por conta da falta de chuvas que assola a Região Norte. Em comunicado, a Santo Antônio Energia disse que, considerando o aumento da vazão do Rio Madeira nos últimos dias, os limites operacionais da hidrelétrica foram restabelecidos e a operação foi retomada.

O Globo

BNDES já contratou R$ 8,2 bi em financiamentos via títulos neste ano

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financiou a operadora de ferrovias Rumo com R$ 750 milhões, em setembro, e está para contratar R$ 900 milhões para a ViaSul, concessionária de rodovias no Rio Grande do Sul, as duas operações por meio da compra de títulos de dívida emitidos pelas empresas. Com isso, serão seis operações do tipo só neste ano, no valor total de R$ 8,2 bilhões. O financiamento via títulos de dívida é diferente dos empréstimos. Nos empréstimos, o BNDES contrata um valor total e libera o crédito aos poucos, conforme o andamento dos investimentos – que pode levar anos.

O Globo

 

Brasol vai construir 45 usinas solares em MT com R$ 250 milhões em investimento

Em meio à corrida para implantar projetos de geração distribuída (GD) até o próximo ano e garantir os incentivos integrais obtidos para os projetos, a Brasol quer implantar 45 fazendas solares fotovoltaicas em Mato Grosso até o início de 2024, em parceria com o Grupo Oeste e a Enersim. Somados os empreendimentos têm investimento total de R$ 250 milhões. Pela parceria, a venda da energia será feita pelo Grupo Oeste, no modelo de cotas de geração compartilhada. Já a Enersim será responsável pela construção dos empreendimentos. Ao todo, as usinas totalizam 58 megawatts-pico (MWp), energia suficiente para atender 20 mil residências e que será destinada a atender consumidores que ainda não podem migrar para o mercado livre de energia, como bares, restaurantes e residências

O Estado de S.Paulo

 

Primeira usina solar flutuante da América Latina é inaugurada no interior de São Paulo

O Brasil acaba de colocar em operação a primeira usina solar flutuante da América Latina instalada em uma cava já exaurida de mineração. Orçado em R$ 5 milhões, o projeto inédito foi implantado pela F2B, empresa brasileira especializada em projetos de geração fotovoltaica em espelhos d’água, na unidade de mineração do Grupo AB Areias, no município de Roseira, no interior de São Paulo. A usina entrou em operação nos primeiros dias do mês de outubro e tem capacidade de geração de 1 megawatt (MW). Segundo a empresa informou ao Estadão/Broadcast, a energia é suficiente para atender a demanda total da unidade da mineradora em operação naquele município, com redução de custos com eletricidade e ampliação dos programas de sustentabilidade da companhia.

O Estado de S.Paulo

 

Tarcísio diz que enviará projeto de lei para privatização da Sabesp à assembleia nesta terça

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse nesta segunda-feira, 16, que enviará na terça o projeto de lei para privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) à Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). Antes, porém, ele se reunirá, também nesta terça-feira, com os deputados da base governista para mostrar aos parlamentares as premissas do modelo de privatização da empresa de saneamento. Segundo o governador, durante o encontro serão apresentados todos os pontos da modelagem e aspectos importantes, sobre como o governo planeja, por exemplo, promover a redução da tarifa de água e esgoto no Estado e como essa redução será sustentada ao longo do tempo, confrontado com o aumento de ativos.

O Estado de S.Paulo

 

Tarcísio corre para privatizar Sabesp porque teme ‘efeito Boulos’, diz deputado

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teme que uma eventual vitória de Guilherme Boulos à Prefeitura da capital possa acabar com seus planos de privatizar a Sabesp, e é por isso que ele vem se empenhando tanto para que o processo de desestatização seja concluído logo. A avaliação é do deputado estadual Emidio de Souza (PT), que coordena a Frente Parlamentar Contra a Privatização da Sabesp na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo). Nesta segunda (16), o governador disse que pretende enviar o projeto de lei sobre a desestatização à Alesp na terça-feira (17).

Folha de S.Paulo

 

Ocyan assina acordo de R$ 1,6 bi com Petrobras na área de gás no mar

A empresa brasileira de serviços de óleo e gás Ocyan venceu um contrato com a Petrobras para a revitalização da rede de gasodutos da petroleira na Bacia de Campos, por R$ 1,6 bilhão, em uma importante conquista após ter passado por uma reestruturação, disse à Reuters nesta segunda-feira (16) um vice-presidente da companhia. O contrato tem duração estimada de quatro anos e meio e será a primeira vez que a Ocyan, ex-Odebrecht Óleo e Gás, liderará um projeto desse tipo, em uma parceria com a companhia portuguesa Mota-Engil, empreiteira com atuação internacional, especialmente na Europa e África.

Folha de S.Paulo

 

Usina Santo Antônio volta a operar após 14 dias

A usina Santo Antônio, em Rondônia, voltou a operar nesta segunda (16). A quarta maior hidrelétrica do Brasil havia suspendido a geração de energia no dia 2 de outubro devido à seca no rio Madeira. Em fato relevante divulgado no início da noite, Santo Antônio Energia informou que “devido o aumento da vazão do rio Madeira nos últimos dias, os limites operacionais da Hidrelétrica Santo Antônio foram reestabelecidos”. A empresa disse também que a retomada foi acertada com o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

 Folha de S.Paulo

 

Concessionária formaliza interesse em seguir no Galeão, mas quer negociar com governo

A concessionária RIOgaleão disse nesta segunda-feira (16) que formalizou o interesse em permanecer na operação do aeroporto internacional Tom Jobim, o Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro. Conforme a empresa, um ofício sobre a intenção foi enviado na semana passada para órgãos do governo federal como o Ministério de Portos e Aeroportos e a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). A companhia, contudo, pretende negociar termos da concessão em busca de uma solução para o impasse do terminal, que se arrasta desde fevereiro de 2022.

 Folha de S.Paulo

 

Exceções para concessionárias na Reforma Tributária criam sistema disfuncional, diz secretário

O secretário-executivo do Ministério dos Transportes, George Santoro, disse nesta segunda-feira (16) que uma suposta ineficiência dos processos de reequilíbrio contratual das concessões não pode servir de argumento para exceções na Reforma Tributária. Dar tratamento especial a esses contratos de forma preventiva criará um sistema disfuncional, na avaliação dele. Santoro reagiu a um movimento das associações que representam concessionários de transporte pela inclusão no regime especial de contratos com a administração pública previsto na PEC (proposta de emenda à Constituição) da reforma. Um dos argumentos das entidades é de que a repactuação dos termos das concessões pode levar anos, o que seria um risco financeiro às empresas.

 Folha de S.Paulo