Índice Abdib-Vallya de Infraestrutura apresenta retração após duas altas consecutivas

402

O Índice Abdib-Vallya de Infraestrutura, composto por variáveis dos setores de rodovias, ferrovias, aeroportos, portos, energia elétrica e telecomunicações, registrou sua terceira retração no ano, atingindo -0,49% em julho de 2023, quando comparado ao mês anterior, excluindo os efeitos sazonais. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o indicador apresentou um aumento de 1,98%. No acumulado de 2023, o Índice mantém o balanço positivo de 3,74%.

Com base nas séries dessazonalizadas de cada variável componente do Índice, verificou-se que o modal ferroviário apresentou queda no mês de julho, com uma variação de -1,34%. Em relação ao mesmo mês de 2022, observa-se um aumento de 1,65%, enquanto no acumulado do ano o indicador registra um crescimento de 5,99%.

No setor de rodovias o resultado no mês de julho foi negativo, com uma retração de 0,15%, quando comparado ao mês imediatamente anterior, considerando as séries dessazonalizadas. Já no mês de junho, na mesma base de comparação, o patamar de crescimento da atividade rodoviária foi identificado em 0,79%. Considerando o mesmo mês do ano anterior, identificou-se um acréscimo de 4,06%, enquanto o acumulado do ano apresenta uma evolução de 5,31%. 

Em julho, o setor aeroportuário apresentou redução de atividade de -1,39%, quando comparado aos dados dessazonalizados de junho. Contudo, o resultado não abala o desempenho positivo do segmento no acumulado do ano, o qual atinge um crescimento de 3,82%.

O destaque positivo do indicador é o modal portuário, que no acumulado do ano mantém um valor de 7,00%, maior evolução entre os segmentos considerados pelo Índice. Em relação ao mês de junho, o indicador obteve ligeira variação negativa de -0,04%, mas o desempenho do setor, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, sinaliza crescimento com uma variação de 5,43%.

Em relação ao setor de telecomunicações, em julho foi observada uma expansão pouco expressiva, de 0,18%. Apesar do crescimento contido, o resultado do mês foi suficiente para que o total acumulado no ano fosse invertido – desde janeiro de 2023 o acumulado estava negativo –, alcançando um valor de 0,03%. Cabe mencionar que ao comparar com o mesmo mês do ano anterior, observa-se um resultado negativo do setor em, de -2,34%.

 

 

 

 

 

 

 

Por fim, o setor de energia, importante termômetro dos demais segmentos da economia, retraiu -1,61% em sua série dessazonalizada, sendo a maior baixa entre os setores monitorados pelo Índice. Em relação ao ano anterior, o setor apresenta variação positiva de 1,81%. Em 2023, o indicador acumula uma variação de 1,93%.