BID vê grande oportunidade para mercado de carbono no Brasil, mas destaca gargalos

142

Em meados de outubro, o hotel Copacabana Palace, no Rio, foi palco do evento Latin America Climate Summit (LACS), organizado pela International Emissions Trading Association (IETA) e pela International Carbon Action Partnership (ICAP). O tema deste ano não poderia ser outro: mercado de carbono. Durante três dias, centenas de participantes percorrerram os corredores das salas de convenção, trocando cartões, firmando acordos nos cafés, aprendendo com os palestrantes que se revezavam no inglês, espanhol e português. Morgan Doyle, representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Brasil, um dos patrocinadores do evento, em entrevista exclusiva ao Prática ESG, reforçou o assunto comum entre os painéis: o potencial do Brasil em liderar o mercado de carbono na região.

Valor Econômico