Inflação e juros

622

A inflação de maio, de 0,47%, veio menor do que se esperava. Foi uma grata surpresa, em comparação com os 1,62% de março e 1,06% de abril. No ano, o IPCA acumula alta de 4,78% e, nos últimos 12 meses, de 11,73%.

Em que pese ter havido inflação em oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, em seis deles, o aumento dos preços foi inferior ao verificado em abril. E a inflação não foi uniforme em todo o país. Em Vitória, por exemplo, houve deflação de 0,08% e em Fortaleza, os preços aumentaram 1,41%.

Em maio, as maiores contribuições para a inflação foram observadas nos setores Vestuário, Transportes e Saúde, com destaque para aumentos das passagens aéreas e vários reajustes no preço do transporte público.

Por outro lado, as menores contribuições vieram dos setores Alimentação e Bebidas, Habitação e Educação, com destaque para a redução do custo com energia elétrica, que recuou pelo segundo mês seguido. Em 16 de abril, cessou a cobrança extra de R$ 14,20/100kWh consumidos, no contexto da bandeira Escassez Hídrica. Desde então, passou a vigorar a bandeira verde, em que não há cobrança adicional na conta de luz.

Estas informações demonstram que a redução da inflação em maio não foi reflexo do aumento das taxas de juros, que ainda não têm o poder de alterar os níveis dos reservatórios de água no país e por que parte do aumento dos preços decorreu de reajustes de tarifas que carregaram inflação passada.

Tudo isto para dizer que não é preciso onerar mais a sociedade, o setor produtivo e o Tesouro Nacional com novos aumentos das taxas nominais de juros.

Pelo contrário, diante de uma inflação mais concentrada em custos, em função de problemas nas cadeias mundiais de produção e não no excesso de demanda agregada, nossa política monetária, mais restritiva do que deveria, já poderia sinalizar um comportamento mais suave.

 

Este artigo foi escrito por Roberto Figueiredo Guimarães

Diretor da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base – ABDIB e Ex-Secretário do Tesouro Nacional