Crescimento em 2022

601

A economia brasileira cresceu 1% no primeiro trimestre deste ano em comparação com os últimos três meses de 2021. Em comparação com o primeiro trimestre de 2021, o crescimento foi de 1,5%.

A renda gerada neste trimestre foi de R$ 2,2 trilhões e a maior parte veio, pelo lado da demanda, do consumo das famílias (R$ 1,4 trilhão). Consumo do governo, investimentos e exportações contribuíram cada um com cerca de R$ 400 bilhões e as importações com menos R$ 400 bilhões.

O aumento do consumo das famílias já era esperado, em função da retomada dos negócios e da redução do desemprego, em que pese os efeitos adversos da inflação. Ainda do lado da demanda, a má notícia foi a queda de 3,5% nos investimentos, que caíram quase 8% em relação ao primeiro trimestre de 2021.

Esta redução nos investimentos, que decorre do aumento das taxas de juros e das incertezas quanto aos efeitos da guerra Rússia-Ucrânia e da queda de atividade no mundo inteiro, já mostra que a retomada do crescimento econômico do país vai ser adiada.

Do lado da oferta, o setor Serviços cresceu 1,0%, com a ajuda do comércio, atividade imobiliária, defesa, saúde e educação. A Indústria permaneceu praticamente constante e a Agropecuária recuou 0,9%. A queda da agropecuária chegou a 8%, se comparada com o primeiro trimestre de 2021.

Estas estatísticas já mostram que não teremos muitas surpresas em termos de crescimento econômico e do emprego em 2022, sejam positivas ou negativas. O consumo das famílias deve até melhorar um pouco com a liberação de recursos do Auxílio Brasil, FGTS e 13º salário dos aposentados. Por outro lado, investimentos, produção industrial e agropecuária, devem continuar fracos.

É por isso que o radar já está em 2023, à espera das reformas tributária e administrativa, da expansão dos programas de desestatização e das medidas para reindustrializar o país.

 

 

Este artigo foi escrito por Roberto Figueiredo Guimarães

Diretor da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base – ABDIB e Ex-Secretário do Tesouro Nacional