Contradição e compensação

2996

O Banco Central, agora independente, vem subindo as taxas de juros desde 2021. De fato, após ter atingido a taxa mínima de 2% a.a., a taxa Selic vem crescendo desde mar/21, tendo alcançado 12,75% a.a. agora em maio/22.

O Banco Central alega que o aumento da taxa de juros é necessário para reduzir a demanda agregada e, com isto, segurar a inflação, que já atingiu a taxa de 12,13% no acumulado em 12 meses.

Não há dúvida de que precisamos conter a inflação. É um mal que nos assombra e que retira o poder de compra das famílias menos favorecidas. Só os que viveram a hiperinflação do final dos anos 80 e início dos 90 sabem o que é isto.

Mas porque aplicar uma dose excessiva de juros para conter, via inibição da demanda agregada, uma inflação de custos, motivada por desarranjos nas cadeias de produção decorrentes dos efeitos da pandemia da Covid-19 (lá em 2020 e 2021 e agora em 2022 na China) e da guerra Rússia-Ucrânia?

Não adianta jogar os juros nas alturas para reduzir a demanda por insumos, por exemplo, que estão parados na China, a exemplo de milhares de navios cargueiros em Xangai.

Ao mesmo tempo em que observamos a tentativa de reduzir a demanda agregada via aumento das taxas de juros, estamos vendo medidas de estímulo ao consumo das famílias, através de liberação de recursos via Auxílio Brasil, antecipação de parte do 13º salário dos aposentados e liberação extra do FGTS.

Estes recursos vão diretamente para o consumo de alimentos e bebidas, incentivando o pequeno comércio varejista, o que é positivo.

Então, chegamos à conclusão de que a atual política econômica via aumento dos juros está penalizando os investimentos e a maior parte do setor produtivo e, de forma contraditória e compensatória, estimulando o consumo das famílias de mais baixa renda.

A resultante disto será um quadro mais duradouro de baixo crescimento econômico.

 

Roberto Figueiredo Guimarães

Diretor da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base – ABDIB e Ex-Secretário do Tesouro Nacional