Garcia fala aos conselhos da ABDIB sobre o programa de investimentos do estado De São Paulo

536

O govenador de São Paulo, Rodrigo Garcia, participou na manhã desta quarta-feira, dia 6 de maio, do primeiro evento sobre infraestrutura desde que assumiu o cargo que era ocupado por João Doria no final da semana passada. Falando para Conselho de Administração e para o Conselho Consultivo da ABDIB, Garcia descreveu o esforço fiscal que permitiu ao governo paulista saltar de investimentos que consumiram 6,2% da receita líquida em 2019 para 13,5% em 2022.

“É um programa consistente e mostra que, a partir de um conjunto de reformas, é possível a reduzir as despesas de custeio e liberar recursos para investimentos”, destacou o presidente-executivo da ABDIB, Venilton Tadini. De acordo com os números apresentados pelo governador, a dívida líquida do estado, que em 2018 equivalia a 175% da receita líquida, caiu para 127% em 2021. As despesas com pessoal, que consumiam 44,4% da receita líquida em 2019, passaram a consumir 37,7% em 2022.

O enxugamento da máquina, somado ao esforço de arrecadação e a um amplo programa de concessões — que se estendeu, inclusive, a equipamentos menores, como o Zoológico de São Paulo — permitiram a folga orçamentária que possibilitou a ampliação dos benefícios sociais previstos no programa Bolsa do Povo. Esse programa reservou o valor de R$ 1,7 bilhão do orçamento de 2022 para um conjunto de ações destinadas, principalmente, ao atendimento a famílias mais vulneráveis atingidas pela pandemia da Covid-19.

 

INFRAESTRUTURA — Garcia também destacou os investimentos em infraestrutura que, em 2021 e 2022, devem consumir alores superiores a R$ 53 bilhões. Incluídas no programa Pró-São Paulo, estão em andamento em todo o estado um total de oito mil obras, do pequeno ao grande porte, que geram juntas mais de 200 mil empregos diretos. Entre os projetos em curso, o governador destacou as obras de implantação da Linha 6 (tocadas pela Acciona, em regime de concessão) e de expansão da Linha 2 (com recursos do orçamento), do Metrô de São Paulo.

“A Linha 6 é, até onde se sabe, a maior obra de infraestrutura em andamento na América Latina”, disse o governador. Ela terá, quando concluída, 15 estação interligadas por 15,3Km de linhas e está orçada em R$ 13 bilhões. Desse total, R$ 1,9 bilhão será investido no período entre 2019 e 2022. Já a extensão da Linha 2 terá oito estações em 8km de linhas. Custará um total de R$ 7 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão será gasto entre 2019 e 2022.

Além da Linha 17 do metrô e da Linha 9 da CPTM, que também estão em andamento, o governador mencionou as obras de despoluição do Rio Pinheiros, que avançam sob responsabilidade da Sabesp. Elas beneficiarão 17 comunidades ribeirinhas que, juntas, concentram uma população de aproximadamente 1,7 milhão de pessoas, equivalente à da cidade de Porto Alegre.

Essas e outras obras que estão sendo realizadas no interior do estado, somadas a um amplo projeto que prevê a entrega de 3700 equipamentos (entre ambulâncias, vans, caminhões e máquinas) avaliados em R$ 1,3 bilhão para mais de 500 municípios do estado, fazem parte do programa Pró São Paulo, e deverão ser ampliadas nos próximos anos — com concessões importantes, como a do Trem Intercidades, que deverá interligar Campinas à Capital. “Além dos projetos em execução, há um prateleira cheia de projetos para serem executados nos próximos anos”.