Artigo- Um plano para a infraestrutura

294

Meu primeiro emprego consistia em projetar, 30 anos à frente, a demanda por transporte aéreo em locais onde se queria construir novos aeroportos. As projeções alimentavam a turma da engenharia civil, da arquitetura, do urbanismo etc., que fazia o projeto em si dos aeroportos. Estimulante, mas assustador: “será que a coisa vai mesmo por aí”? nos perguntávamos. Pensei nessa história ao ler o Plano Integrado de Longo Prazo da Infraestrutura 2021-2050 (Pilpi), que se propõe a algo bem mais ambicioso: projetar, também em horizonte de 30 anos, os investimentos em infraestrutura, por setor, no Brasil. 

(Armando Castelar Pinheiro é professor da FGV Direito Rio e do Instituto de Economia da UFRJ e pesquisador-associado do FGV Ibre e escreve quinzenalmente neste espaço.)

Valor Econômico