Opinião sobre contratação de profissionais segue positiva na infraestrutura

67

Mais do que no curto prazo, um horizonte de seis meses, os executivos e especialistas do setor de infraestrutura estão preocupados com a perspectiva de crescimento econômico para o fim do ano de 2022, quando termina o atual mandato presidencial.

Essa percepção foi capturada pela sexta edição do Barômetro da Infraestrutura Brasileira, pesquisa semestral realizada pela Abdib e pela EY entre executivos e especialistas que lideram projetos de investimentos e gerenciam contratos nos setores de infraestrutura. Para essa edição, foram ouvidas 167 pessoas entre os dias 20 de setembro e 1 de outubro de 2021.

Para o curto prazo, em um horizonte de seis meses, predomina entre os agentes do setor uma percepção entre estabilidade (44,9% consideraram essa opção, ante 38,3% na pesquisa anterior, divulgada em maio de 2021) e pessimismo (37,7% agora, ante 43,4% antes). O grupo que considera otimismo para a perspectiva de crescimento econômico em seis meses caiu pelo terceiro trimestre consecutivo – eles representam agora 16,2%, ante 17,7% e 30,3% nas pesquisas anteriores.

Em um horizonte mais distante, no fim de 2022, quando termina o atual mandato presidencial, predomina uma percepção entre pessimismo e estabilidade. O grupo dos pessimistas representa agora 40,1%, ante 22,3% antes, um aumento significativo. Consideram uma perspectiva estável de crescimento 35,9% dos respondentes, ante 41,7% na pesquisa anterior. O grupo dos otimistas recuou 11 pp – estão nesta categoria somente 23,4% dos respondentes – o menor patamar da série histórica.

Perspectiva com novos empregos – Na contramão da visão sobre crescimento econômico, há visão positiva sobre a contratação de novos profissionais, tanto no mercado quanto na empresa onde os executivos e especialistas de infraestrutura atuam. Aqueles que têm visão favorável quanto à criação de novos postos de trabalho representam a maior parcela dos respondentes nas duas categorias.

A percepção dos respondentes com relação à contratação de novos profissionais segue tão favorável ao ponto de a pesquisa registrar crescimento da fatia daqueles que veem o cenário favorável. Os pessimistas são o grupo menos significativo.

Segundo avaliação da Abdib, há fatores que podem ter influenciado positivamente essa percepção: controle da pandemia e perenidade na condução dos programas de concessões pelos poderes concedentes, com contratos de grande porte iniciando a execução.

 

Acesse a 6ª edição do Barômetro da Infraestrutura Brasileira

 

Leia também:

Concessões para setor privado avançam, mas executivos enxergam potencial maior 

Barômetro da Infraestrutura: Pesquisa é a única no Brasil que mensura ação do Estado em prol da infraestrutura 

Saneamento básico lidera percepção de novos investimentos