Índice Abdib-Vallya de Infraestrutura retoma patamar pré-pandêmico

448

O Índice Abdib-Vallya de Infraestrutura, composto por variáveis para os setores de rodovias, ferrovias, aeroportos, portos, energia elétrica e telecomunicações, registrou crescimento de 1,51% em maio de 2021 quando comparado a abril deste ano, excluindo os efeitos sazonais, e retomou o patamar observado no período pré-pandêmico.

Foram necessários 12 meses de recuperação, de junho de 2020 a maio de 2021, para recuperar o estrago ocorrido em março, abril e maio de 2020 como consequência dos efeitos da pior crise sanitária vivida na história recente.

A retomada ocorreu, principalmente, pelo crescimento simultâneo das maiores economias mundiais, sendo determinante para a recuperação do setor de transporte de cargas. Os setores de ferrovias e portos, por exemplo, apresentam, no acumulado de 2021 contra o mesmo período de 2019, um crescimento de 5,36% e 15,86%, respectivamente. Já os setores de rodovias e aeroportos, ainda muito influenciados pela redução de movimentação de pessoas, apresentam baixas de 7,41% e 43,69% considerando a mesma base de recuperação.

Por fim, o setor de energia, importante termômetro da economia brasileira, segue em patamar superior ao nível pré-pandêmico desde janeiro de 2021. O único segmento dentre os consumidores de energia que ainda sofre os efeitos da alteração da matriz econômica é o comercial, o qual foi muito afetado pela mudança no comportamento do consumidor final e retomada ainda bastante fracionada.

O Índice Abdib-Vallya de Infraestrutura apresenta comportamento similar a indicadores que mensuram a atividade econômica (PIB e IBC-Br), o que traz bons sinais para os resultados de maio de 2021 para o IBC-Br e do segundo trimestre de 2021 para o PIB.

O Índice Abdib-Vallya de Transportes e Logística registrou forte variação positiva (+2,83%) em maio de 2021 quando comparado ao mês anterior, excluindo os efeitos sazonais, puxada pelas fortes altas do segmento de ferrovias e aeroportos. Este último, apesar do expressivo crescimento mensal (6,70%), ainda se encontra distante do patamar registrado em maio de 2019 (-45,63%).

 

Acesse a nota metodológica.

Acesse a planilha de dados.