MVNOs vão acirrar disputa no mercado corporativo

95

Estimulado pela expansão do mercado de telefonia móvel, depois de cinco anos seguidos de contração da base de usuários, o número de operadoras móveis virtuais (MVNOs, na sigla em inglês) quase quadruplicou em 2020. São empresas sem infraestrutura nem frequências próprias que utilizam a rede de outras operadoras para prestar serviços, mas que – se depender da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) – devem aumentar a oferta de serviços 5G que serão oferecidos a empresas. Superintendente de Competição da Anatel, Abraão Balbino enxerga as MVNOs como ferramenta para ampliar a competição no mercado brasileiro, inclusive no 5G. “As prestadoras tradicionais não têm fôlego suficiente para desenvolver todos os modelos de negócios relacionados a essas novas funcionalidades [do 5G]. É bem razoável pensar que isso será desenvido por MVNOs”, justifica Balbino.

Valor Econômico