Governo de SP diz ter alternativa para transferência do entreposto Ceagesp

812

Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) discursar de forma contrária à privatização da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), o Governo do Estado de São Paulo diz ter alternativas para transferência das operações do local, que pertence à União. A área que atualmente abriga o entreposto está em uma região de alta valorização imobiliária e é cobiçada pelo governo paulista para construção de um centro reunindo empresas de inovação, desenvolvimento e tecnologia, referido pelo governador João Doria (PSDB) como o futuro “Vale do Silício Brasileiro”. Embora o entreposto tenha sido incluído no programa nacional de desestatização em articulação do governo estadual e federal, as discordâncias políticas entre Bolsonaro e Doria colocam o futuro do ativo em questão. De acordo com o secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira, há uma série de alternativas caso a União opte por dificultar o processo de privatização. Algumas das formas de pressionar o governo Bolsonaro a tirar a Ceagesp da Vila Leopoldina seriam por meio de restrições, impostas tanto pelo estado quanto da Prefeitura de São Paulo, do deslocamento parcial de setores do galpão – como flores e pescados – para outros locais separados e diferentes na capital, e a criação de dois entrepostos de alimentos fora da cidade, às margens de rodovias (um no km 28,6 da Bandeirantes, outro no km 51 da Ayrton Senna). O objetivo é fazer com que, aos poucos, fique mais inviável ainda a manutenção do negócio onde atualmente está. “O processo de fechamento da Ceagesp, a saída da Ceagesp da cidade (de São Paulo), é um processo que leva tempo e já foi começado”, disse Junqueira.