Com bons resultados, Caixa foca atuação em municípios menores

151

A Caixa Econômica Federal alterou a estratégia a partir de 2019 e, mesmo sem deixar de atender cidades com mais de 100 mil habitantes, passou a dar prioridade para municípios menores. São eles que costumam apresentar dificuldade para acessar o mercado financeiro e não contam, na maior parte dos casos, com estrutura técnica mais qualificada para formular projetos. Os resultados já começaram a aparecer.

As informações foram dadas por Tatiana Thomé de Oliveira, vice-presidente de Governo da Caixa Econômica Federal, em reunião para empresários do Conselho Consultivo da Abdib dia 22 de setembro. Com 72 filiais e boa capilaridade, a estratégia da Caixa de priorizar municípios menores foi acertada, segundo Tatiana Thomé, com crescimento significativo nas operações de crédito com governos.

Em 2019, a Caixa realizou 635 operações de credito envolvendo R$ 7,6 bilhões com o setor público, com foco em infraestrutura urbana, mas também fomentando iluminação pública e projetos de colocação de placas de energia fotovoltaica nas escolas, ambos com objetivo de reduzir os gastos locais com energia elétrica. A economia permite pagar o investimento, disse.

Em 2020, o banco público já assinou 602 operações de crédito no valor total de R$ 9,4 bilhões para os governos. Antes da mudança da estratégia, o tíquete médio das operações de crédito da Caixa era de R$ 100 milhões – agora está em torno de R$ 12 milhões, segundo dados de 2019.

Capacitação e treinamento – A atuação da Caixa junto aos municípios de menor porte é acompanhada de ações de capacitação técnica, explicou Tatiana Thomé. Diversos treinamentos passaram a ser feitos com os gestores municipais. Geralmente, eles encontram dificuldade para formular projetos, requerer operações de crédito e fazer a gestão adequada para manter notas de crédito boas com a Secretaria do Tesouro Nacional.

Oficinas de treinamento foram feitas com gestores dos municípios do Norte e Nordeste para melhorar o controle e a gestão. Como resultado, a procura por crédito aumentou e as obras interrompidas foram reduzidas. No início de 2019, 33% das obras com recursos do OGU estavam paralisadas, contra 11% atualmente.

Atualmente, a Caixa tem uma carteira de 2.900 operações de crédito, totalizando R$ 145 bilhões de expectativa de investimento, distribuídos em saneamento básico (55%) e infraestrutura urbana (45%), com destaque para mobilidade.

 

Leia também:

Carteira da Caixa pode atingir 136 projetos de PPPs em 2021 com recursos do FEP