Com Thiago Barral, da EPE, apresenta na Abdib estratégia energética para 2050

96

Mais de 80 empresários acompanharam no dia 11 de setembro a apresentação e as explicações de Thiago Barral, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), sobre o Plano Nacional de Energia (PNE) 2050, um conjunto de estudos que indicam a estratégia de longo prazo do governo federal para a expansão energética no Brasil.

A Abdib enviará uma contribuição abrangente para a EPE a partir da análise dos diversos documentos, incluindo aspectos específicos solicitados por Barral na reunião, sobre o potencial para o poder púbico de promover avanços na digitalização e na gestão de dados na área energética.

Ao explicar a pertinência e a oportunidade que o PNE 2050 traz para as empresas e para o país, Barral afirmou que as discussões de longo prazo ficaram prejudicadas nos últimos anos pelas urgências de curto prazo. Então, a intenção da EPE foi recuperar as reflexões sobre custos e benefícios que podem ser alcançados no setor energético.

Barral apontou que o PNE não é um plano de ação, mas sim uma estratégia de energia para o país, reconhecendo as incertezas e as dificuldades de prever o futuro. A partir do PNE, será necessário criar planos de ação ou implantar os já existentes. Surgem no PNE 2050 temas em tramitação dentro do Congresso Nacional e do governo federal, como o novo mercado de gás, a modernização do modelo do setor elétrico e melhorias nos ativos de geração e transmissão, entre outros temas. No fim da consulta pública, será lançado um relatório executivo pela EPE.

Digitalização – Um ponto bastante debatido entre o presidente da EPE e os empresários associados da Abdib foi a digitalização dos serviços de energia. Thiago Barral disse que a economia e o setor energético passam por uma revolução digital, combinando estratégias estatais e forças do mercado, ampliando a conectividade e introduzindo aplicações de inteligência artificial, por exemplo.

O Brasil, no entanto, está muito atrasado nessa área em comparação a países desenvolvidos, segundo o presidente da EPE e relato de diversos empresários.

A segurança energética é questão cada vez mais relevante e há necessidade de investimentos crescentes em infraestrutura e sistemas, com ganhos de eficiência, completou.

Os empresários sugeriram que o PNE apresente uma estratégia nacional para a gestão de dados no setor elétrico, pois são ativos estratégicos que podem ser monetizados. A Abdib fará uma contribuição sobre o tema dentro da consulta pública.

Vida útil de equipamentos – Outro assunto que foi apresentado pelos empresários foi a modernização do sistema de transmissão brasileiro diante de volume significativo de equipamentos com vida útil esgotada ou próxima do fim. A Abdib apontou que é necessário enfrentar esse desafio no curto prazo.

O presidente da EPE respondeu que o tema é prioritário e que um plano de ação é necessário para dar diretrizes para diversas questões, como cronograma e remuneração do concessionário. Ele ponderou que o PNE pode servir de indutor para este plano, mas não trará o plano em si.