Furo no Teto de Gastos impediria aprovação de reformas, afirma Maia

56

O presidente-executivo da Abdib, Venilton Tadin, destacou que o investimento público neste
ano será o menor da história, na ordem de 0,5% do Orçamento, e defendeu o projeto que
permite a securitização da dívida ativa da União, Estados e municípios como alternativa para viabilizar os gastos. “Estamos falando de R$ 30 bilhões ou R$ 40 bilhões por ano só no governo federal e se houver a adesão dos Estados será ainda maior. Quem está com falta de renda e tem crença no teto precisa encontrar soluções alternativas”, disse. Maia afirmou que é a favor do projeto, mas que o governo federal não demonstra tanto interesse em votar e que ainda não foi possível aprovar o texto por causa de uma resistência muito forte da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). “Mas os Estados querem muito esse texto”, comentou.

Valor Econômico