Se aprovada, prorrogação antecipada da Vale pode viabilizar ferrovia Centro-Oeste

413

As prorrogações antecipadas da Vale – Estrada de Ferro Vitória-Minas (EFVM) e Estrada de Ferro Carajás (EFC) – podem significar mais de R$ 55 bilhões na economia brasileira como um todo, principalmente nos cinco primeiros anos.

Entre 2021 e 2025, R$ 7,8 bilhões estão previstos para serem investidos pela mineradora na Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico) foi meio do mecanismo de investimento cruzado. A Vale será a construtora da nova malha férrea, entregue posteriormente para o governo federal conceder. Além desse valor, há perspectiva de pagamento de mais R$ 1,7 bilhão de outorga livre para o poder concedente.

Os números foram informados por Daniella Barros, gerente executiva do setor Regulatório para Portos e Ferrovias da Vale em reunião do Comitê de Ferrovias da Abdib. O objetivo foi mostrar evidências de quão vantajosa será a escolha, por parte do poder público, pela renovação da concessão em vez de abrir um processo de licitação.

Os valores envolvidos na prorrogação antecipada das ferrovias da Vale incluem R$ 43,5 bilhões de investimentos em material rodante, dormentes e trilhos, dos quais R$ 8 bilhões nos primeiros cinco anos, mais R$ 1,9 bilhão de obras para solucionar conflitos urbanos e expansão do transporte ferroviário de passageiros, que hoje atende 1 milhão de pessoas. A Fico, que poderá ser construída pela Vale pelo mecanismo de investimentos cruzados, terá 383 km, entre Mara Rosa (GO) e Lucas do Rio Verde (MT).

Investimentos em Carajás – A Vale opera 20 minas de minério de ferro, duas ferrovias e cinco terminais portuários. Segundo Daniella, a empresa investiu US$ 64 bilhões nos últimos seis anos. Boa parte dos recursos foram injetados para expandir o Sistema de Carajás (mina, porto e ferrovia), atrelados ao desenvolvimento do projeto S11D.

Um dos pontos importantes para a Vale é a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro da EFC devido aos investimentos realizados. A duplicação da ferrovia consumiu R$ 15 bilhões, segundo análise da Vale.

LEIA MAIS: Ao TCU, lideranças setoriais pedem mais celeridade no programa de prorrogação das concessões ferroviárias