Tarcísio de Freitas: Infraestrutura será alavanca para a retomada do crescimento

405

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que o governo federal já identificou 148 projetos para investimentos públicos que poderão gerar até 1 milhão de empregos. A infraestrutura será a grande alavanca para a retomada do crescimento e para a geração de emprego no pós-crise, disse o ministro no primeiro episódio da série de webinários Infra para Crescer – Caminhos para Superar a Crise, realizado pela Abdib no dia 20 de abril.

Freitas definiu a Abdib como uma associação sempre propositiva, informou que a participação da entidade será importante na concepção e articulação do plano de investimentos púbicos, que exigirá suplementação orçamentária, pediu apoio dos empresários para dialogar com o Congresso Nacional para aprovar reformas regulatórias e para argumentar com parlamentares sobre as questões sensíveis para a infraestrutura.

No palco virtual do webinário Infra para Crescer – Caminhos para Superar a Crise, participaram Britaldo Soares, presidente do Conselho de Administração da Abdib; Décio Amaral, presidente da Ultracargo; Júlio Fontana Neto, conselheiro da Rumo; Agostinho Serafim Junior, diretor-presidente da Construtora Queiroz Galvão; Leonardo Vianna, CEO do Grupo CCR; e Venilton Tadini, presidente-executivo da Abdib.

Ministério da Casa Civil coordena – Tarcísio de Freiras explicou que está sob coordenação do Ministério da Casa Civil a organização de um plano de investimentos públicos para serem executados assim que for possível, envolvendo projetos em diversos setores, como transportes energia elétrica, habitação, saneamento básico e segurança hídrica.

O objetivo é ajudar na recuperação da economia. São dois eixos: aperfeiçoamento regulatório e legislativo e execução de obras. Há critérios para a seleção: iniciativas que já tenham etapas preparatórias em fase avançada, permitindo iniciar rapidamente a contratação de serviços e empregos, como foco em obras paralisadas que precisam ser retomadas.

Endividamento público – A fonte de recursos terá de ser o Orçamento Geral da União (OGU), segundo Feitas. Isso vai requerer, em um primeiro momento, preservar o atual orçamento de investimento sem cortes. Depois, terá de haver a definição de um patamar fiscal aceitável para o nível de endividamento para fazer os investimentos.

“Nós temos de ver todos os instrumentos que estão sendo colocados à nossa disposição e, obviamente, qual é o grau de comprometimento para as gerações futuras que vamos aceitar para promover essa retomada, mas não há outro caminho que não trazer recursos para o orçamento – e o caminho será, obviamente, via endividamento”, informou. “Estamos falando na verdade de uma composição de orçamento que já tempos com algum grau de suplementação para ser usado em alguns anos. Não é uma suplementação nada extraordinária, mas com grande capacidade de gerar empregos.”

Manutenção de contratos – No webinário promovido pela Abdib, o ministro Tarcísio de Freitas explicou a visão do governo federal sobre as dezenas de projetos de lei propostos no Congresso Nacional que propõem abertura de cancela de pedágios nas concessões. Ele considerou o movimento “extremamente inadequado”, mesmo que as intenções sejam boas.

Para ele, isso equivaleria a quebra de contratos e abalos na confiança dos investidores. Receios quanto ao risco para a saúde pública por causa da circulação de dinheiro não se justificam já que a operação rodoviária está adaptada, com uso de álcool gel e etiquetas eletrônicas para pagamento de pedágio sem parar nas cabines. Entre os caminhoneiros, a adesão ao pagamento eletrônico cresceu 10%.

Veja no canal da Abdib no Youtube a versão completa do webinário com o ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas.