Retomar investimentos públicos será fundamental no pós-crise

269

Os governos terão papel relevante e insubstituível para injetar ânimo na economia, segundo a Abdib. A proposta é que os governos possam iniciar programas de investimento público em setores em que a mobilização seja mais rápida. No âmbito federal, ás áreas de transporte, sobretudo rodovias, e obras paralisadas são o alvo.

Duas das medidas que constam no documento “Medidas para garantir os serviços de infraestrutura e manter a atividade econômica, produzido pela Abdib a partir da consulta a mais de 50 empresários, apostam na elevação do investimento público, que poderiam ser iniciados tão logo os protocolos médicos autorizem.

“No curtíssimo prazo é importante direcionar recursos expressivos ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), pois o órgão tem capacidade de coordenar uma força tarefa, conjugada com o Ministério da Infraestrutura, para tracionar o nível de investimento da economia, informa a Abdib. Exemplos podem ser operações de pavimentação, recapeamento e manutenção das rodovias do país. Para a associação, no atual momento, não há restrições legais para tal tipo de gasto, pois a PEC do Teto possui o dispositivo de crédito emergencial em casos de calamidade.

A Abdib sugere que, na mesma diretriz, obras públicas de infraestrutura pelo Brasil sejam retomadas rapidamente. “O setor congrega grande potencial de mobilização de mão de obra e grandes multiplicadores tanto fiscais quanto de investimentos”, aponta o documento. “É momento de liberar recursos contingenciados e implementar novas ações para ampliação do investimento público.”

Leia o documento “Medidas para garantir os serviços de infraestrutura e manter a atividade econômica“, elaborado e divulgado pela Abdib

<<LEIA MAIS>>

Bancos podem dar alívio para estados e municípios, propõe a Abdib

Empresários sugerem propostas para empresas terem caixa para o dia a dia

Infraestrutura requer medidas emergenciais para serviços não pararem

Maior crise desde 1929 exige medidas para manter a atividade econômica