Em fórum da Abdib, governadores do Norte cobram ações federais para setor de infraestrutura

580

Governadores e representantes dos estados da Amazônia Legal cobraram do Governo Federal uma postura mais forte no desenvolvimento da infraestrutura e ações específicas para que o país possa atravessar os problemas econômicos causados pela pandemia Covid-19.

A cobrança aconteceu durante o Abdib Fórum Infraestrutura Regional – Edição Norte, na última sexta-feira (13), em Belém (PA), onde foram debatidos cenários para investimentos em projetos de infraestrutura na região. Assista à transmissão completa (parte 1 e parte 2).

De acordo com Venilton Tadini, presidente da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), o objetivo da associação é trabalhar para consolidar a agenda de infraestrutura no topo da agenda de prioridades de lideranças públicas e privadas da região.

Para o evento, a Abdib e as secretarias estaduais dos governos reuniram um cardápio de projetos (disponível neste link), prontos ou em elaboração, em diversas áreas, como energia, transportes, saneamento básico e equipamentos sociais.

“Tem dinheiro”
Tadini chamou a atenção para o tímido crescimento econômico e o fato de a relação de investimento de infraestrutura sobre o PIB no Brasil ser, atualmente, uma das menores do mundo. Segundo o presidente da Abdib, o problema não é a falta de dinheiro. “Se o orçamento é de R$ 1,5 tri, tem dinheiro. É que ele não está alocado na maneira adequada”, afirmou, no discurso de abertura do evento.

Entre os desafios a serem enfrentados, Tadini apontou para a necessidade de se aprovar a reforma administrativa, liberando espaço para os investimentos; ampliar a segurança jurídica e a quantidade de projetos disponíveis para atrair mais investimentos privados; e recuperar o orçamento público e a capacidade de investimento dos governos.

“Crédito é fundamental”
Anfitrião do evento, o governador do Pará, Helder Barbalho, fez uma defesa enfática de que o governo federal adote remédios econômicos para tirar o Brasil das condições em que se encontra. Para o governador, as medidas propostas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, são a mesma coisa que dar “aspirina para um paciente da UTI”.

“Precisamos fazer com que a economia possa se desenvolver e o crédito é fundamental”, afirmou Barbalho. Ele ponderou que os esforços em direção às reformas estruturais são bons, mas seus resultados não são imediatos, sendo necessário agir imediatamente.

De acordo com o governador, a injeção de recursos para o aumento do consumo e o investimento em infraestrutura para a geração de emprego são o caminho para fazer com que o país possa crescer e se desenvolver. “Não devemos nos acomodar em taxas de crescimento absolutamente pequenas”, disse.

Participaram do Abdib Fórum Infraestrutura Regional – Edição Norte os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Roraima e Tocantins, além de representantes do governo federal, da SPPI (Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos), do BNDES, do NDB Brasil (New Development Bank Brasil), do Banpará, do Basa (Banco da Amazônia) e do USTDA (U.S. Trade & Development Bank Brasil).

Conteúdo produzido pela Agência iNFRA para o portal da Abdib.