Perspectivas são positivas para o setor de petróleo e gás

1043

por Igor Rocha, diretor de Planejamento e Economia da Abdib

As perspectivas para o setor de petróleo e gás nos próximos anos são otimistas, com aumento expressivo dos investimentos e reativação da cadeia setorial.

De acordo com o mais recente relatório do Programa de Parceiras de Investimentos (PPI), para o setor de petróleo e gás, são previstos investimentos superiores a R$ 1 trilhão, com potencial para elevar o Brasil da 10ª para a 5ª posição entre os maiores produtores mundiais de petróleo e gás, com estimativa de produção superior a 7,5 milhões de barris/dia em 2030.

Essa trajetória de expansão da produção já começou.

O mês de janeiro de 2020 registrou recorde de produção tanto de petróleo (3,168 milhões de barris por dia) quanto de gás natural (138,753 milhões de metros cúbicos por dia).

Estima-se que o setor seja responsável por 8,5% de toda a arrecadação tributária no Brasil e que possa gerar mais de R$ 300 bilhões extras anuais em tributos, royalties e pagamento de participações especiais. O setor contribui para melhorar as contas públicas e a geração de investimentos em diversas áreas pelo setor público, como mobilidade urbana, saúde, educação e segurança pública.

Abertura do mercado

O Brasil possui 35 bacias sedimentares, com área total de 6,4 milhões de quilômetros quadrados.

A abertura do mercado, sobretudo no refino e distribuição, que possuem maior potencial de diversificação, bem como a realização das rodadas de licitação de blocos exploratórios, trazem expetativas otimistas, já que o setor possui apenas 10% de participação internacional.

Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), no final de 2018, 792 áreas estavam sob contratos: 335 blocos na fase de exploração, 84 campos em desenvolvimento da produção e 373 campos na etapa de produção.

Dos blocos em fase de exploração, 146 se localizam no mar,188 em terra e um em terra/mar. No final de 2018, dos 335 blocos exploratórios sob concessão, a Petrobras tinha participação em 133, dos quais 40 eram concessões exclusivas e outras 93 em parcerias.

Em relação aos campos em fase de produção (são 373, no total), 99 estão no mar e 274 em terra. A Petrobras é a única contratada em 285 campos e operadora em consórcio em 13 outros campos.

Planos da Petrobras

O plano de negócios da Petrobras para o período 2020-2024 prevê investimento para o quinquênio de US$ 75,7 bilhões, com aumento anual de 5% no volume de petróleo produzido e perspectiva de que a produção chegue a 3.275 mil barris de petróleo por dia em 2024.

A recuperação do preço do petróleo e da capacidade de investimento, através da capitalização da companhia, são fundamentais para o setor, pois a Petrobras responde por mais de 90% do mercado de petróleo e gás.

Sabidamente o mundo passa por uma transformação na matriz energética com grandes investimentos em geração de energia por fontes renováveis, seja por pressão ambiental ou para diminuir a dependência de energia de fontes finitas, corroborando a necessidade de acelerar os investimentos para a exploração das reservas existentes de petróleo.

Os impactos do avanço do coronavírus na economia e as consequentes turbulências no preço do petróleo, se configuram como questões de curto prazo.  As expectativas de médio prazo são de estabilização dos preços.

As potencialidades oriundas da diversificação de players, sobretudo na distribuição e refino, bem como o foco da Petrobras na atividade de extração do pré-sal colocam o setor com inúmeras potencialidades e externalidades positivas para toda a economia do setor de óleo e gás.

 

Veja mais:

Riscos e Oportunidades no setor de óleo e gás brasileiro