Governo quer pipeline de 10 anos de projetos

317
Foto/ Agência Infra

O governo prepara para o próximo ano a apresentação de um pipeline de projetos para o desenvolvimento do setor de infraestrutura para os próximos 10 anos. A informação foi dada pelo secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, no evento “Perspectivas para o Avanço da Infraestrutura Brasileira”, realizado pelo Infra 2038 e o Insper, em São Paulo. Os estudos apresentados no evento estão neste link.

Segundo Mac Cord, a intenção de ter um portfólio de mais longo prazo é dar maior previsibilidade e atrair capital privado para o setor, o que para ele é fundamental para que o país possa alcançar metas propostas de mais que dobrar a participação do investimento em percentual do PIB nos próximos 20 anos.

Mac Cord aponta que a entrada do capital privado no período entre 1998 e 2002, com o avanço das privatizações no Brasil, foi o único momento após a década de 1970 em que o país conseguiu mais de 3% do PIB de média de investimento em infraestrutura.

Também presente na mesa em que discutia como avançar com os investimentos, o diretor do New Development Bank, Marcos Abicalil, alertou que é fundamental que o país cresça em investimentos privados mas que será necessário ainda utilizar recursos públicos para o setor.

Por isso, segundo ele, o governo vai precisar avançar em ferramentas para escolher os projetos que tenham socialmente mais retorno, o que já vem sendo feito pelo próprio Ministério da Economia.

Entraves ao investimento
O evento discutiu ainda os entraves ao investimento. Frederico Turolla, sócio da consultoria Pezco Economics, lembrou que o país ainda tem um gargalo na parte de estruturação de projetos, o que vai demandar alguma providência para que os investimentos ocorram de forma mais avançada.

Armando Castellar, da FGV, apontou ainda que será necessário reduzir a desconfiança da população com o setor, o que dificulta por exemplo a tramitação de projetos de lei sobre o tema no Congresso.

Em mesa para debater trabalho do Insper acerca das percepções de agentes públicos e privados sobre as dificuldades regulatórias para o desenvolvimento da infraestrutura, Elcio Tokeshi, ex-secretário de Fazenda de São Paulo e atualmente diretor do Fundo IG4, lembrou que as evoluções nesse tipo de regulação acontecem no longo prazo e que não é possível afastar totalmente a presença política.

A ingerência de atores políticos sobre o tema foi uma das percepções confirmadas nas entrevistas com agentes públicos do setor feitas para o trabalho. Alessandro Horta, fundador do Vinci Partners, lembrou que essa perspectiva já é precificada pelos agentes privados e que o maior risco se dá em setores onde o privado atua sozinho ou com poucas empresas no mesmo ramo.

Ana Beatriz Monteiro, do Banco Interamericano de Desenvolvimento, e Karla Bertocco, ex-diretora da Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo), lembraram ainda que são necessários instrumentos para maior governança no setor público que mantenha um histórico dos projetos e para maior proteção às decisões discricionárias.

Conteúdo produzido pela Agência iNFRA especialmente para o portal da Abdib.