Em seminário, especialistas explicam fontes e modalidades de financiamento para investimentos no Brasil

537

A Abdib realizou no dia 3 de outubro uma nova edição do Diálogos da Infraestrutura, desta vez para as fontes de financiamento internacionais e locais, modalidades de financiamento e garantias.

Na abertura do evento, Venilton Tadini, presidente-executivo da Abdib, salientou a urgência de recuperar a capacidade do Estado de investir para que tais recursos apoiem o movimento privado de investimento na infraestrutura brasileira.

Tadini fez uma avaliação do cenário brasileiro na área de infraestrutura, cujos investimentos estão estagnados em patamar muito baixo depois de alguns anos de queda expressiva. De outro lado, a necessidade de aportes continua muito grande, de forma que o setor seja capaz de contribuir para a retomada do crescimento econômico.

Cristiana Castro, sócia do escritório Leite, Tosto & Barros Advogados, ponderou sobre osdesafios inerentes aos projetos de infraestrutura e como endereçar riscos para ter investimentos bem-sucedidos.

Em outro painel, para tratar lições que a experiência internacional pode proporcionar no financiamento via project finance para projetos brasileiros, Norberto Quintana e Stephen Double, sócios do escritório Holland & Knight, explicaram as alternativas disponíveis para financiamento e as exigências necessárias para equacionar riscos quando um projeto é financiado nas modalidades corporate finance, non-recourse project finance ou limited-recourse project finance.

Romina Lima, sócia de Corporate Finance & Advisory da BDO, explicou pressupostos para fazer a avaliação de viabilidade econômica e financeira dos projetos e as tendências para o project finance.

Em seguida, Pedro Kassab, diretor de Investment Banking do Banco Fator, explicou as barreiras para a expansão do mercado de dívida no Brasil, avaliando alternativas para ampliar a fluxo de investimento estrangeiro em crédito à infraestrutura no Brasil.

Marcio Holland, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV EESP) e Giovani apresentaram uma proposta de modelo para a proteção cambial para capturar recursos estrangeiros para títulos de projetos emitidos em real.

No encerramento, Jorge Nemr, sócio do escritório Leite, Tosto & Barros Advogados, disse que que o Brasil tem oportunidades enormes e que diversos interlocutores demonstram grandes probabilidades de o país ter condições bem melhores daqui dois anos.