Editorial: Devagar, mas avançando

146

Se ninguém atrapalhar demais, a economia poderá funcionar, embora com desempenho modesto. Apesar das indefinições políticas, do governo travado e da polarização eleitoral, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,2% em agosto e superou por 1,9% o de igual mês de 2017, segundo o Monitor do PIB-FGV, indicador mensal da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ainda será preciso reocupar um enorme espaço nas obras de habitação e de instalações civis de vários tipos, como hospitais, escolas, fábricas, escritórios e construções comerciais. Também será necessário retomar milhares de obras públicas paralisadas e implantar novos projetos de infraestrutura, indispensáveis para o aumento da eficiência econômica do País.

O Estado de S. Paulo