Petrobras decide comprar plataformas

3101

A Petrobras decidiu voltar a comprar plataformas e começou a mapear a situação do setor naval, que está em crise. Nos últimos anos, a estatal alugava embarcações. O objetivo é programar encomendas para produção de petróleo a partir de 2022. Desde 2014, 20 estaleiros fecharam as portas no país. As empresas dizem que podem suprir a demanda, mas que não conseguem competir com a China. Um fator-chave para o negócio, porém, é a competitividade. A Petrobras diz que não pagará preços mais altos que os de mercado. Ainda não há definição sobre o número de embarcações que a estatal pretende adquirir, mas a construção total ou parcial das unidades no país deve ter impacto na economia e na indústria naval. Nas estimativas do mercado, o custo de um navio-plataforma (FPSO, na sigla em inglês) com capacidade de produção de 150 mil barris por dia é de US$ 1,5 bilhão no mercado internacional. Para a indústria naval, pode ser um sinal de alento. Desde 2014, 20 estaleiros fecharam as portas no país. Petroleira diz que só pagará valor de mercado.

O Globo