Construtoras brasileiras ficam de fora, mas miram obras

1963

Esse foi o primeiro leilão de aeroportos sem a presença de empresas brasileiras nos consórcios, mas pode ser por pouco tempo. A Primav, veículo de investimentos da família dona do grupo construtor CR Almeida, estuda a possibilidade de investir no setor, junto com a alemã Fraport, que arrematou os aeroportos de Fortaleza e Porto Alegre. Além disso, grupos nacionais devem se beneficiar da demanda futura a ser gerada pelo leilão.

 

Fonte: Valor Econômico