Em fórum privado dos BRICS, empresários avaliam ações para ampliar investimentos em infraestrutura

1217

A Abdib, por meio do Comitê de Exportação, participa das discussões no BRICS Business Council, iniciativa com perfil empresarial e funcionamento paralelo às ações governamentais de Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul na Cúpula dos BRICS. Dos cinco grupos de trabalho criados no conselho, a Abdib mantém representantes no de Infraestrutura e de Energia e Economia Verde. Os grupos realizam debates por meio de teleconferências, como a promovida dia 3 de março, quando empresários dos cinco países discutiram um plano de ação e informações importantes para constar no novo relatório anual do Grupo de Trabalho de Infraestrutura, em fase de elaboração.

O documento apresentará recomendações para ampliar possibilidades de investimentos em infraestrutura nos países do bloco. Os empresários brasileiros pretendem finalizar debates e propostas até 10 de março, de forma que o relatório anual do grupo de trabalho de Infraestrutura possa ser concluído.

A próxima reunião presencial do Conselho Empresarial dos BRICS para discutir os avanços do lado empresarial será entre 5 e 6 de abril em Moscou, Rússia. Em seguida, haverá um encontro para entregar tais relatórios, com recomendações para o Conselho de Chefes de Estado dos BRICS, que deve ser realizado na Índia no segundo semestre do ano.

Integração continental – O relatório anual do Grupo de Trabalho de Infraestrutura do BRICS Business Council trará, em um dos principais capítulos, uma lista atualizada indicando os projetos prioritários nas regiões de influência dos países que formam o bloco. Para a América Latina, foram selecionados sete projetos prioritários – todos na área de transportes.

Esses projetos integram a carteira de empreendimentos do Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento (Cosiplan), órgão da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) que substituiu a Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). A carteira completa de projetos do Cosiplan soma USD$ 21 bilhões, 31 projetos estruturantes e 100 projetos estratégicos individuais com elevado impacto na integração física e no desenvolvimento socioeconômico continental, selecionados a partir do consenso dos 12 países sul-americanos.

Em outro capítulo, o relatório anual do grupo de trabalho de Infraestrutura do BRICS Business Council também abordará as expectativas dos países com relação à atuação do New Development Bank (NDB), apelidado de banco dos BRICS.

Os empresários brasileiros, durante a teleconferência dia 3 de março, manifestaram a importância de o NDB financiar, além de pequenos projetos de energia eólica e solar, também empreendimentos estruturantes de integração regional de logística e de energia. Além disso, opinaram que o NDB, como banco de desenvolvimento, deveria apoiar o desenvolvimento dos projetos desde os estágios iniciais.