PIB decepciona em 2012 e reforça urgência de acelerar infraestrutura

611
Mesmo considerando as adversidades conjunturais e estruturais da economia internacional, cujos reflexos são sentidos no mercado interno, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou um resultado ruim, como já era esperado. Um crescimento econômico de 0,9% em 2012 em comparação com 2011 não condiz com o potencial do Brasil no atual momento e com as necessidades e anseios dos brasileiros.

O resultado insatisfatório em 2012 foi bastante influenciado pelo desempenho da agricultura, da indústria e do investimento, que registraram quedas, respectivamente, de 2,3%, 0,8% e 4,0% no ano passado em relação ao ano anterior. A falta de reação dos investimentos como fator de contribuição para o crescimento econômico é preocupante.
A ampliação do consumo por meio de oferta de crédito e desonerações foi essencial para colaborar com o crescimento obtido em 2012, mas mostrou-se insuficiente para proporcionar um de crescimento mais elevado e sustentável.
Assim, essas políticas precisam ser complementadas pelo incremento do investimento, que está bastante relacionado às expectativas dos agentes econômicos com a perspectiva de crescimento de longo prazo, com a certeza de que o país está reunindo condições para ampliar mercados e tornar o crescimento perene e com taxas mais elevadas. Torna-se crucial estimular a economia por essa vertente com uma política permanente de desoneração do investimento.
O custo interno de produção no Brasil, além de outros fatores conjunturais e estruturais, continuou a afetar o desempenho da indústria. Por isso foram essenciais as decisões que visam reduzir o custo da energia elétrica, em um primeiro momento, e da logística, que será alvo de concessões de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos.
Dentro das perspectivas de curto e médio prazo para a economia brasileira, ganha urgência a condução eficiente e bem-sucedida dos projetos inseridos nos programas de concessão em infraestrutura, já que esta proverá as condições para o setor produtivo melhorar a produtividade e a competitividade de forma mais constante.
O investimento em infraestrutura, se alvo de atenção redobrada, poderá contribuir mais fortemente para o desempenho do PIB brasileiro. Com segurança jurídica, estabilidade regulatória e rentabilidade adequada nos projetos, melhoram as condições para que os números da economia reflitam resultados mais satisfatórios nos próximos anos, em consonância com o potencial do país e com os anseios da sociedade.
Autor: Paulo Godoy é presidente da Abdb