Com novo relatório, Câmara tenta votar Lei de Licenciamento, em tramitação há 15 anos 

531

Um novo substitutivo ao PL (Projeto de Lei) que cria uma nova Lei Geral do Licenciamento Ambiental pretende acabar com a necessidade de qualquer licença ambiental para a realização de obras em estradas e linhas elétricas no Brasil. O texto também acaba com a exigência de novos licenciamentos para construção de futuras estradas.

A nova proposta para uma lei específica vem sendo discutida por um Grupo de Trabalho na Câmara na atual legislatura e teve como relator o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). O texto proposto está neste link. O projeto original é de 2004 e após anos de tentativa nunca foi votado pelo plenário.

Nove anos para o licenciamento
O setor elétrico deverá ser impactado pela nova Lei de Licenciamento Ambiental. Segundo levantamento feito pela Abrapch (Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas), a emissão de um licenciamento ambiental para realização de empreendimentos demora em média nove anos. A proposta traria mais celeridade para os processos, o que iria alavancar o desenvolvimento no setor.

Em discurso realizado no plenário da Câmara dos Deputados, o relator, Kim Kataguiri, explicou que o atual processo de licenciamento ambiental gera enormes problemas para o país. “Nós temos hoje obras de infraestrutura gigantescas paradas simplesmente porque não se concede a licença ambiental e isso não interessa nem aos órgãos de fiscalização e controle nem à empreendedora.”

Linhão de RR
Na oportunidade, o relator exemplificou que o licenciamento atrapalha a construção do Linhão em Roraima. “Não se faz esse Linhão, que seria feito paralelamente a uma estrada, logo com solo já desmatado e que já teve um impacto ambiental causado, sobre a prerrogativa de se proteger o meio ambiente, fazendo com que o estado queime combustível em termoelétricas. Estamos condenando Roraima ao subdesenvolvimento simplesmente em razão de uma burocracia inútil, que polui o meio-ambiente, incentiva a corrupção e atravanca o desenvolvimento.”

Kataguiri foi escolhido o coordenador do Grupo de Trabalho, criado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para apresentar um relatório que vai subsidiar a proposta. Para apresentar o documento final, o colegiado tem 60 dias, prorrogáveis por mais 60. Atualmente o texto está em sua terceira versão e, desde a última sexta-feira (19), está aberto a consulta pública.

Após o término do prazo, o PL poderá ser votado diretamente pelo plenário sem a necessidade de apreciação por parte das comissões. Se passar pela Câmara, o texto ainda seguirá para o Senado.

Os outros participantes do grupo são os deputados Rodrigo Agostinho (PSB-SP), Nilto Tatto (PT-SP), José Vitor (PL-MG), Paulo Bengston (PTB-PA), Stefano Aguiar (PSD/MG), Sérgio Souza (MDB-PR), Capitão Guilherme Derrite (PP-SP), Shéridan (PSDB-RR) e Felipe Francischini (PSL-PR).

Conteúdo produzido pela Agência iNFRA especialmente para o portal da Abdib.