LeftRight

Em reunião realizada em 22 de fevereiro, o Comitê de Iluminação Pública da Abdib recebeu Marcelo Bruzzi, CEO da BHIP, concessionária privada responsável pela modernização dos 180.000 pontos da rede de iluminação pública da capital mineira por meio de um contrato de parceria público-privada de 20 anos.


Abdib promove hoje, dia 22 de fevereiro, reunião do Comitê Tributário – Fiscal, coordenado por Lauro Celidonio (Mattos Filho). Advogados e especialistas buscam solucionar problemas enfrentados pelo conjunto das empresas que atuam nos setores de infraestrutura. Um dos temas da pauta é compensação de créditos tributários.


Enquanto a Lei Geral de Licenciamento Ambiental patina no Congresso, alguns estados vêm aprovando mudanças legais que flexibilizam o processo. O objetivo é dispensar ou acelerar a liberação de licenças ambientais e, assim, atrair mais investimentos. Muitas dessas mudanças, porém, vêm sendo questionadas na Justiça pelo Ministério Público, gerando insegurança para empresários. Há casos como o de Mato Grosso, que em janeiro isentou parte dos piscicultores de licenciamento, ou como o da Bahia, onde foi adotado o licenciamento eletrônico para atividades como agricultura e pecuária.

Fonte: O Globo

Sem dinheiro para investimentos, o governo vai oferecer para a iniciativa privada trechos de rodovias com a obrigação apenas de fazer a manutenção e a restauração. Ou seja, as empresas ficariam responsáveis por operações simples de tapa-buracos, cortes de vegetação e sinalização de rodovias, sem precisar investir quantias bilionárias em duplicações e obras de grande porte. Em troca, cobrariam pedágio. Os “contratos de gestão” das estradas terão prazo de dez anos e serão fiscalizados pelo próprio Dnit, em vez de serem repassados para a ANTT, que gerencia as tradicionais concessões de rodovias federais.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Em evento organizado na Abdib, empresários do setor de resíduos sólidos receberam, dia 31 de janeiro, uma delegação portuguesa, composta por autoridades públicas, executivos e entidades setoriais, para avaliar o modelo adotado em Portugal que resultou na erradicação dos lixões em cinco anos e na instituição de um parque industrial consistente para a valorização dos resíduos sólidos.


A dívida bilionária que os consumidores de energia pagam mensalmente a transmissoras poderá ter seu prazo prorrogado de 8 para 25 anos. Na prática, isso reduziria a parcela paga por ano, mas pode ampliar o valor total desembolsado em até R$ 30 bilhões por causa das correções monetárias. O valor será corrigido por uma taxa fixada pela Aneel (agência reguladora). A dívida, provocada por mudanças regulatórias feitas em 2012, pelo governo Dilma, havia sido calculada em R$ 62,2 bilhões. Com a alteração, o valor pode passar a até R$ 93 bilhões ao fim dos 25 anos, segundo a Anace, associação que reúne grandes consumidores de energia.

Fonte: Folha de S. Paulo

A Abdib recebeu no dia 31 de janeiro, delegação portuguesa composta por integrantes do governo e empresários do setor de resíduos sólidos daquele país. Cerca de 80 executivos participaram do encontro que discutiu questões legais sobre gerenciamento e valorização de resíduos sólidos urbanos e alternativas para a erradicação dos lixões no Brasil.


Os empresários da área de resíduos sólidos recebem, no dia 31 de janeiro, na Abdib, em São Paulo, uma delegação portuguesa, composta por autoridades públicas, executivos e entidades setoriais, para discutir as questões legais sobre gerenciamento e valorização de resíduos sólidos urbanos e alternativas para a erradicação dos lixões no Brasil.


24 de janeiro. Abdib promove reunião do Comitê de Indústria da entidade, coordenado por André Clark (Siemens), para discutir um plano de ação para a Abdib liderar uma discussão para o desenvolvimento de uma política industrial nacional ampla de longo prazo e para aprofundar a discussão de como os gargalos de infraestrutura e preços macroeconômicos impactam na competitividade do setor industrial. Além disso, os empresários querem avaliar o que o conceito Indústria 4.0 significa para os agentes de infraestrutura no Brasil e auxiliar na superação das dificuldades enfrentadas pela indústria de transformação para recuperação dos investimentos.